Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

O que é a rede social Gab e por que a direita brasileira está migrando para lá

A plataforma foi criada com o objetivo de oferecer “liberdade de expressão, para todos, sobre tudo”

  • Helen Mendes
O Brasil é o segundo país com mais usuários da rede social Gab, criada com a promessa de “liberdade de expressão quase total” | Pixabay
O Brasil é o segundo país com mais usuários da rede social Gab, criada com a promessa de “liberdade de expressão quase total” Pixabay
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Com a recente onda de remoção de conteúdo e banimento de contas de vozes mais à direita no Twitter e no Facebook, muitos usuários mais alinhados estão procurando alternativa a essas plataformas. Uma rede que foi criada com a promessa de “liberdade de expressão quase total” tem atraído os insatisfeitos. O Gab, cujo endereço é Gab.ai, foi pensado como alternativa ao Twitter pelo engenheiro americano Andrew Torba, em 2016, em meio à disputa presidencial entre Hillary Clinton e Donald Trump.

O Gab tem atraído muitos brasileiros desde meados de agosto, quando a onda de banimentos no Twitter e no Facebook se intensificou. O fundador da rede, Andrew Torba, chegou a comemorar a invasão brasileira.

Leia também: Medida do Facebook acende debate sobre limites de atuação de empresas e do Estado

Migração em massa 

De acordo com dados do Alexa, o Brasil ocupa o segundo lugar em número de visitantes da rede, que alcançou 650 mil usuários, segundo Torba anunciou em seu Twitter

Os brasileiros são responsáveis por 26,3% do tráfego da rede, segundo dados da Alexa, companhia que fornece estatísticas de tráfego na internet. Em primeiro lugar estão os Estados Unidos, com 41,1%, e em terceiro, o Reino unido, com 6,8%. 

Entre os brasileiros que migraram ou abriram uma conta estão o músico Roger Moreira, da banda Ultraje a Rigor; o empresário e político Luiz Philippe de Orleans e Bragança, descendente direto do imperador Dom Pedro II; a jogadora de vôlei Ana Paula Henkel; e o Movimento Brasil Livre.

O especialista em investimentos, fundador do Grupo L&S, e autodeclarado conservador Leandro Ruschel abriu uma conta na rede social em janeiro, e conta que havia poucos usuários brasileiros na época. “[Entrei] quando vi que havia aqui nos EUA um aumento da censura por parte das grandes empresas que controlam a web contra conteúdo de cunho conservador. Creio que o aumento da censura também no Brasil gerou essa migração em busca da liberdade de expressão”, disse. 

Leia também: Empresas recusam serviços com base no discurso dos usuários. Quais os limites?

Para Ruschel, que ainda mantém seus perfis em outros sites, o Gab ainda é uma alternativa limitada, porque não tem as mesmas funcionalidades e o público das outras redes, além de seu aplicativo ser bloqueado nas lojas do Google e da Apple. “Mais uma demonstração de censura por parte dessas empresas”, opinou. Ele tem mais de 125 mil seguidores no Twitter e cerca de 5.900 no Gab. 

O Google baniu o aplicativo para Android do Gab da Google Play Store, e justificou dizendo que, para estar na Play Store, aplicativos de redes sociais “precisam demonstrar um nível razoável de moderação, incluindo para conteúdo que encoraja a violência e defende o ódio contra grupos de pessoas”. 

“É evidente que as grandes empresas da web estão abusando do seu oligopólio para impedir o funcionamento do livre mercado e para impor uma ideologia. É o maior risco para a democracia da nossa geração”, sentenciou Leandro.

A página de comentários políticos “Caneta Desesquerdizadora” abriu uma conta no Gab depois de ter alguns de seus conteúdos retirados do ar pelo Facebook, Twitter, Instagram e YouTube, relatam os administradores da página. “Viemos por alguns motivos: liberdade de expressão para postarmos o conteúdo que desejarmos; ampliar o nosso alcance para uma nova rede social, reduzindo a dependência das demais”, disseram. 

Mais de 153 mil pessoas seguem o perfil da Caneta Desesquerdizadora no Twitter. No Gab, são cerca de 12.700 seguidores.

Os posts mais populares no Brasil são uma mistura de memes da direita, comentários sobre os candidatos à presidência e reclamações contra as ações das outras redes sociais.

Mudança de hábitos 

Não é só a onda de remoções de conteúdo que tem feito usuários desistirem das redes sociais mainstream. O Facebook passou por uma série de escândalos no último ano, envolvendo o mau uso de dados dos usuários e interferência estrangeira nas eleições americanas, entre outros, que resultaram na saída de um grande número de usuários. 

Uma pesquisa do Pew Research Center, divulgada na quarta-feira (5), mostra que mais de um em cada quatro usuários americanos apagou o aplicativo do Facebook de seus telefones. Além disso, 42% dos usuários pararam de usar a rede por várias semanas, e 54% mudaram suas configurações de privacidade.

Como funciona 

Andrew Torba, que já trabalhou no Vale do Silício, se declara cristão e conservador, mas diz que a sua rede social é aberta a todos os pensamentos. Ele disse à BBC que não é fã da alt-right, mas que acredita que o movimento do Twitter de expulsar ativistas desse movimento faz parte de uma tendência mais ampla de limitar a liberdade de expressão. 

Leia também: Censura ao Infowars expõe viés ideológico do Vale do Silício

O Gab funciona como uma mistura de Twitter e Reddit. Ele é um microblog que permite postagens com um limite de 300 caracteres, além de imagens e vídeos. O usuário pode seguir os perfis e dar votos positivos nas postagens. Também é possível navegar por tópicos. A plataforma conta ainda com uma área para mensagens privadas, que desaparecem após sete dias. 

Para fazer uma conta na plataforma, basta registrar o nome completo, o e-mail e o nome de usuário. 

Leia também: Gab, a rede social dos ‘alt-right’, arrecada US$ 1 milhão e é banida do Android e do iPhone

A liberdade do usuário tem limites. A rede não permite ameaças de violência, terrorismo, promoção de atos de crueldade, linguagem ameaçadora ou comportamentos que agridam a segurança de outro indivíduo. 

A rede também tem uma política de tolerância zero contra pornografia ilegal, como pornografia infantil. Já a pornografia legal é permitida, mas o usuário deve marcar esse tipo de conteúdo com #NSFW (Not Safe For Work, ou Impróprio Para o Trabalho). 

Além disso, divulgar informação privada de usuários, como endereços, telefones e documentos, também é proibido. 

A pessoa que criar contas múltiplas, distribuir spam ou se passar por outra pessoa ou empresa também está infringindo as regras do Gab.

Controvérsias na plataforma 

Uma rede que promete liberdade total para se falar o que quiser acaba atraindo movimentos mais extremos, que propagam discurso de ódio, racistas e xenófobos. E atrai também críticas de que ela facilita a disseminação de discurso de ódio. 

Nos Estados Unidos, o Gab é bastante associado à alt-right, ou direita alternativa, movimento que idolatra o presidente Trump e deplora o politicamente correto. O movimento é um agrupamento informal que inclui nacionalistas brancos, neonazis, negadores do Holocausto, entre outros. Por coincidência ou não, o sapo verde que é o símbolo da rede social lembra um dos símbolos usados pela alt-right, o meme “Pepe the Frog”. 

O Gab já enfrentou algumas situações em que teve que abrir mão de seu ideal de liberdade de expressão irrestrita para permanecer no ar. 

Nossas convicções: O valor da comunicação

Em setembro de 2017, o Gab passou “pela sua decisão mais difícil e controversa até o momento”, como descreveu Torba

A empresa que gerencia o domínio da rede, AsianRegistry, pediu que uma imagem compartilhada no Gab fosse removida da plataforma por violar a política de abuso da empresa, e deu um prazo de 48 horas para a ação. 

A imagem em questão fazia piada com Heather Heyer, que foi atropelada e morta durante um protesto em Charlottesville, e havia sido compartilhada por Andrew Anglin, fundador de um site de conteúdo neonazista. O Gab removeu a imagem, e Torba explicou que a montagem violava também as políticas da rede social, já que não estava marcada como conteúdo explícito.

Anglin reagiu chamando a plataforma de “fraude”e Torba de “artista farsante da liberdade de expressão”. Outros usuários se juntaram às críticas e ameaçaram deixar a plataforma. Então, Torba divulgou os detalhes da história e explicou que atendeu o pedido para manter o site no ar, aplacando um pouco das críticas. 

Mais recentemente, nas vésperas do protesto realizado no aniversário de um ano da manifestação de Charlottesville, em agosto, a Microsoft ameaçou cortar a hospedagem do Gab, feita por um de seus serviços de nuvem. O pedido foi feito após um usuário postar comentários que ameaçavam os judeus com “morte por ritual de tortura”. 

A Microsoft alegou que o conteúdo “incita violência, não é protegida pela Primeira Emenda” e viola as políticas da própria empresa. A gigante de tecnologia exigiu a remoção das postagens, ou terminaria o acesso do site ao seu serviço de hospedagem, Azure. 

O Gab atendeu a exigência, e Andrew Torba explicou a decisão em um post

 

“Essa é a realidade. Um dos posts de Patrick Little inquestionavelmente viola nossas diretrizes para usuários, e, provavelmente, as leis dos EUA. O outro é ofensivo e radical e algo com o qual obviamente não concordamos, mas há coisa muito pior no Twitter / Facebook / Reddit sobre pessoas brancas que têm permissão para ficar. 

Esta é uma situação muito séria. Precisamos tomar decisões reais que afetam as centenas de milhares de usuários neste site e nossos acionistas, clientes, etc. Não é um jogo. 

Patrick afirmou várias vezes hoje que ele mesmo iria deletar os posts. 

Agora ele está fazendo um jogo. Ele não é um homem de palavra, então agimos e removemos os dois posts. Nós não tivemos escolha. 

Estamos procurando ativamente outros provedores de hospedagem e nosso objetivo a longo prazo é construir nossa própria infraestrutura. Ambos vão levar tempo. Tempo que não temos no jogo de 48 horas da Microsoft. 

Acreditamos que esta foi a melhor decisão para a longevidade da plataforma e a guerra contra o Vale do Silício.” 

Os dois casos mostram que as medidas das redes sociais contra conteúdos que violam suas políticas de discurso começam a ser tomadas também por empresas dos bastidores da tecnologia, que não costumavam se manifestar nessas questões.


o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Ideias

PUBLICIDADE