103815

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Ideias
  3. O sofrimento silencioso dos pais depois do aborto

testemunho

O sofrimento silencioso dos pais depois do aborto

Mulher relata luta do ex-namorado para se recuperar do trauma de ter ajudado no aborto do próprio filho

  • Victoria Robinson
  • The Daily Signal
 | Pixabay /Reprodução
Pixabay /Reprodução
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Trinta anos atrás, a pedido do meu então namorado, fiz um aborto.

Ele me convenceu de que não estávamos prontos para ter filhos, prometeu que nos casaríamos um dia e teríamos filhos mais tarde, disse que estaríamos juntos para sempre e me garantiu que ele me amava. 

Eu acreditei em cada palavra. 

Então, em um sábado de manhã, dirigi-me para a Planned Parenthood e minha vida mudou para sempre. E também o nosso relacionamento. Nada foi o mesmo entre nós depois que tomamos a decisão de acabar com a vida de nosso filho. Nada. Dentro de um ano, nos separamos. 

Meu cenário é extremamente comum. Muitos casais envolvidos em um aborto simplesmente terminam. O ato é muito traumático para ser lembrado por estar constantemente juntos. 

Depois do aborto, acho que nunca mais nos olhamos da mesma maneira novamente. Eu me peguei olhando para ele e me perguntando: “Como ele poderia dizer que me amava quando ele me permitiu passar por isso?” Como eu, eu acho, ele estava se perguntando: “Como ela poderia realmente passar por isso?” 

Confuso e com os corações partidos, nos despedimos do nosso “felizes para sempre”. 

Ao longo dos anos, pensei nele com frequência – não com compaixão ou simpatia, mas com ódio e nojo. À medida que o tempo passava, eu me vi odiando o homem que uma vez amei e com quem queria envelhecer. Eu odiava o que ele havia feito para mim, odiava o que ele me fez fazer. Eu o culpei por anos pelo que aconteceu até que finalmente tive que aceitar minha parte na decisão de acabar com a vida de nosso bebê. 

Na minha cabeça, imaginei que ele estava levando sua própria vida feliz e bem-sucedida, tendo esquecido tudo sobre mim e a criança que havíamos perdido, e isso me deixou com raiva. 

Leia também: Entenda por que o aborto não deve ser legalizado no Brasil

Eu estava convencida de que homens, depois de provocarem o aborto do próprio filho, não sofriam os mesmos efeitos que as mulheres que eles engravidaram, e eu deixei completamente de ter empatia por eles. 

Mas eu também odiava o fato de odiar tanto alguém, e sabia que tinha que fazer algo sobre isso. Então eu escolhi ser voluntária em um centro de recursos de gravidez local. Eu sentia que, se eu pudesse ajudar outras mulheres a não cometer o mesmo erro que eu, meu próprio sentimento de dor, culpa e vergonha diminuiria. 

Depois de passar pelo meu próprio processo de cura, encorajando parentes e amigos, decidi escrever um livro, “They Lied to Us” [Eles mentiram para nós]. Eu não apenas compartilhei minha história no livro, mas as histórias de outras mulheres que escolheram o aborto e como ele as mudou para sempre. Embora eu tenha mudado o nome do pai no livro, senti a obrigação de contar a ele sobre isso. 

Após 13 anos, peguei o telefone e disquei seu número. 

Ele reconheceu minha voz imediatamente. Então, algo aconteceu que sempre estará gravado em minha mente. Ele começou a chorar, depois soluçou. Eu mal conseguia entender sua voz inaudível. 

Finalmente, ele se acalmou e começou a me contar que havia esperado e rezado por essa ligação por mais de uma década. Ele disse: “Estou querendo lhe dizer o quanto estou arrependido pelo que fiz você fazer. Você pode me perdoar? Por favor, me perdoe”. 

Ele prosseguiu dizendo: “Como homem, era meu trabalho proteger você e nosso filho. Nossa escolha me assombrou desde então. Eu estou em terapia há anos tentando lidar com isso. Eu gostaria que pudéssemos voltar e mudar isso”. 

Naquele momento, algo mudou dentro de mim. 

O ódio que eu senti por tanto tempo se foi. O que eu sentia agora era a verdadeira compaixão, empatia e simpatia por esse homem que eu tinha desprezado. Francamente, fiquei chocada. Eu não tinha ideia de que, como eu, ele tinha sido traumatizado pela nossa decisão de terminar a vida de nosso filho. 

O seu processo de cura foi completado quando eu disse: “Eu te perdoo”. E foi sincero. 

Não acabou aí. 

Leia também: Dez argumentos (ruins, mas populares) a favor do aborto

Eu pedi a ele para me perdoar também, porque ninguém segurou uma arma na minha cabeça quando eu entrei naquela clínica de aborto e permiti que meu bebê fosse tirado de mim. 

Conversamos um pouco mais, depois nos despedimos. Um telefonema de 10 minutos mudou a ambos. Para mim, trouxe a cura que estava faltando no meu coração. Também mudou meu paradigma de como eu veria o pai pós-abortivo daquele ponto em diante. 

Eu tive uma epifania. Os homens também estavam sofrendo. Os homens estavam sentindo dor e trauma por abortos passados, mas ninguém estava falando sobre isso. Sempre que a questão é mencionada, o foco é nas mulheres e nos bebês. Os homens são esquecidos. 

Mas devemos reconhecer que esses bebês abortados tinham pais. 

Em toda a nossa cultura, os homens foram feitos para serem duros, machos, insensíveis, sem emoção ou sentimento. Se eles se importam em ser vulneráveis, eles são rotulados como fracos. 

Mas a verdade é que os homens são afetados pelo aborto em algumas das mesmas maneiras que as mulheres. Existem mais de 55 milhões de homens pós-abortos neste país, homens que sofrem sozinhos dos efeitos e do trauma de um aborto. 

Nós não podemos mais silenciá-los. Eles não estão falando sobre isso porque nunca receberam permissão para fazer isso. Eles têm medo de como eles vão parecer, ou talvez eles se convenceram de que nenhum outro homem se sente assim. Esta é apenas mais uma trágica ramificação do aborto. 

Ao longo da minha carreira de palestrante, enquanto viajei pelo país compartilhando minha própria história, conheci centenas de homens em meus eventos. Eles vêm para me encontrar em minha mesa de livros, muitos confiando em mim, uma mulher que eles nunca conheceram, porque eles sabem que eu vou escutar sem julgamento ou condenação. Muitas e muitas vezes, eu ouço as mesmas coisas.

Leia também: O direito à vida está em jogo no STF

“Eu sou assombrado pelo aborto.” “Eu não tenho ninguém para conversar sobre isso.” “Ninguém entende.” “Estamos com dor também.” Ao ir embora, eles sussurram: “Por favor, não se esqueça de nós.” 

No momento da decisão, o aborto pode ser uma solução rápida e fácil para um homem. Ele pode então se retirar da situação e seguir em frente com sua vida. Por um lado, seu corpo não é afetado da mesma maneira que o de uma mulher, então pode ser mais fácil para ele esquecer. Para alguns homens, ir embora e esquecer parece funcionar. 

Mas para inúmeros outros, isso não acontece. 

Esses homens ainda experimentam a amargura e a dor de seu aborto. Está sempre lá. Sem saber, essa parte não dita de seu passado arrasta-se sobre eles pela maneira como se comportam ou tratam os outros. 

Os homens me disseram que nunca entenderam por que estavam tão irritados, tinham problemas de confiança, abusavam de drogas ou álcool ou sofriam de depressão. Alguns desses homens carregaram essas questões por anos, alguns, por décadas, até chegarem a entender que esses comportamentos decorriam de sua experiência anterior com o aborto. 

Precisamos mudar o estigma dos homens quando se trata da questão do aborto. 

Os homens querem ser ouvidos. Eles precisam ser ouvidos. Eles merecem ser ouvidos. E quando eles são ouvidos, os outros saberão que há outra escolha.

©2018 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE