Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Estádio Mané Garrincha, em Brasília
Estádio Mané Garrincha, em Brasília: estudos mostram que ganhos com a Copa do Mundo costumam ser superestimados| Foto: EFE/Fernando Bizerra Jr.

Recentemente, surgiram notícias de que o Arrowhead Stadium [estádio localizado em Kansas City, Missouri] será uma das cidades dos EUA que sediarão os jogos da Copa do Mundo da FIFA em 2026.

Como economista e alguém que ama Kansas City, fiquei decepcionado com a notícia.

Enquanto políticos e burocratas são rápidos em divulgar os benefícios de grandes eventos como a Copa do Mundo, os economistas são mais pessimistas sobre o assunto. Apesar das alegações altamente visíveis de criação de empregos e aumento dos gastos, os custos de sediar eventos como este são muitas vezes difíceis de ver e muito maiores. O pior é que muitas vezes os supostos benefícios nunca se concretizam.

Por exemplo, um estudo sobre o impacto econômico da Copa do Mundo da FIFA de 2002 no Japão e na Coreia do Sul descobriu que os países sofreram uma perda de US$ 5,5 a 9,3 bilhões, apesar das estimativas de que isso geraria um ganho de US$ 4 bilhões. Portanto, um estudo para a Federação de Futebol dos EUA por um grupo de consultoria de Boston estimando um possível ganho de US$ 620 milhões para Kansas City não me empolga muito.

Em seu livro “The Economics of Sports”, Michael Leeds resume o resultado de “megaeventos” como a Copa do Mundo, e o padrão é claro: as projeções de ganhos de receita e empregos são consistentemente excessivamente otimistas.

Por exemplo, a Copa do Mundo de 2006 na Alemanha foi prevista para criar 60 mil novos empregos. Criação líquida real de empregos? Zero.

Por que a Copa do Mundo é tão consistentemente decepcionante? Acredite ou não, um economista francês do século 19 nos dá uma resposta convincente. Em 1850, Frederic Bastiat escreveu um ensaio que esclareceu um erro comum conhecido como “falácia da janela quebrada”. Ele fez isso usando uma parábola.

Imagine que um vândalo do bairro quebre a vitrine de uma loja local. O dono da loja agora deve contratar um vidraceiro por US$ 100 para substituir a janela. Embora você possa se sentir mal pelo dono da loja, alguns podem sugerir que há um lado bom. O dono da loja gasta dinheiro que dá emprego ao vidraceiro, que usa seu dinheiro novo para comprar outras coisas. Quando o vidraceiro usa sua nova renda para comprar coisas, ele cria mais empregos e mais renda para os outros. A economia melhora. Ou não?

Bastiat aponta que essa linha de pensamento é falaciosa. Mesmo que o vidraceiro receba dinheiro, o dono da loja perde riqueza. Talvez ele estivesse guardando essa riqueza para um novo terno. Ou talvez agora o banco em que ele guardou seu dinheiro tenha menos depósitos para dar como empréstimos.

É difícil saber como os US$ 100 teriam sido usados, e esse é precisamente o problema. O benefício para o vidraceiro é visto. O alfaiate que não consegue vender um terno ou o credor que não recebe um empréstimo bancário é difícil de ver.

O mesmo problema existe com a Copa do Mundo. As cidades devem usar recursos obtidos dos contribuintes para vencer a disputa pela Copa do Mundo. O relatório mencionado da Federação de Futebol dos EUA estima o custo por cidade em centenas de milhões, embora o prefeito de Kansas City, Quinton Lucas, afirme que o custo atual é de US$ 50 milhões em reformas no Arrowhead Stadium. Mas se a história ensina alguma coisa, este valor pode estar bastante subestimado.

No que os contribuintes de Kansas City teriam usado seu dinheiro não é algo que possamos saber facilmente. Mas é fácil ver como os hotéis, por exemplo, podem se beneficiar da Copa do Mundo.

Mas, como o dono da loja, os contribuintes não têm vantagens com os gastos da Copa do Mundo. Este gasto vem com um preço. E, como mostram os estudos, esse preço é frequentemente ignorado em busca de benefícios ilusórios.

Peter Jacobsen ensina economia na Universidade de Ottawa, onde ocupa os cargos de Professor Assistente e Professor de Educação e Pesquisa Econômica no Instituto Gwartney.

©2022 FEE Foundation for Economic Education. Publicado com permissão. Original em inglês.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]