i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
OPINIÃO

Quem chancela a chancela estatal à imoralidade do discurso antissoja?

Artista argentina plantou dez mil sementes de soja em frente ao Museu Oscar Niemeyer para protestar contra o agronegócio e o plantio de soja na América do Sul

  • PorPaulo Polzonoff
  • 09/12/2018 21:00
 | Jonathan Campos / 
Gazeta do Povo
| Foto: Jonathan Campos /  Gazeta do Povo

A artista argentina Dolores Cáceres, certamente cheia de boas intenções, foi autorizada a plantar dez mil sementes de soja em frente ao Museu Oscar Niemeyer, estatal. O plantio é, para todos os efeitos, uma obra de arte que pretende criticar o agronegócio e o plantio de soja nos países da América do Sul. Brasil e Argentina, aliás, são os dois maiores produtores de soja do continente e o segundo e o terceiro produtores mundiais, respectivamente. Juntos, colhem cerca de 40% mais soja do que os Estados Unidos, primeiro produtor mundial. 

Convém fazer à artista argentina, bem como à curadoria do museu, algumas perguntas sobre a provocativa obra. E aqui nem vale a pena entrar na questão estética da coisa, embora eu pudesse discorrer longamente sobre a diferença entre manifestação artística e o panfleto político-partidário-ecochato. Mas deixemos isso para outra hora. 

A primeira pergunta que eu faria à senhora Cáceres é bem simples, embora abrangentíssima. Será que essa senhora é capaz de viver um só dia sem consumir soja? Ela certamente acredita ser possível, mas não é. Ao contrário do que muitos acreditam, a soja não está apenas no óleo das deliciosas frituras ou no tofu e no shoyo. Nem tampouco (na hipótese de a artista ser também vegetariana) na ração daquela suculenta picanha bovina ou suína. 

Leia também: O que é o Triplo A e por que Bolsonaro o considera uma ameaça à soberania nacional

A soja está presente, por exemplo, em várias tintas de materiais impressos. Não duvido que o próprio material da Bienal Internacional de Arte Contemporânea do MON, mostra da qual a plantação/panfleto faz parte, seja impresso com tinta à base de soja. Que, por sinal, é melhor para a reciclagem. 

A senhora Cáceres, bem como todos os que aplaudem esse tipo de manifestação artística (muitas aspas, senhor editor), também consomem soja na forma de cosméticos, remédios e até na composição da espuma do colchão que possibilita aquela soneca tão necessária depois de plantar dez mil sementes de soja. 

Velas levam soja em sua composição. O giz-de-cera que os artistas mirins que enchem o vão do MON aos sábados usam contém soja – e, por isso, são mais seguros para as crianças, além de economizarem petróleo. 

E por aí vai. Será que a senhora Cáceres sabe disso, não sabe ou finge não saber porque esse tipo de conhecimento é prejudicial para sua carreira? 

A segunda pergunta a ser feita diz respeito, sim, à alimentação, já que a maior parte da soja produzida no mundo é transformada em ração para animais – ou aquilo que os nutricionistas adoram chamar de “proteína”. Mesmo supondo que a artista (e os leitores) seja vegetariana ou tenha pena das vaquinhas e dos porquinhos (quem não tem?), vale indagar e se indignar: sem a soja e a revolução alimentar que ela representou nas últimas décadas, como a senhora Cáceres acha possível alimentar sete bilhões de pessoas? À base de produtos orgânicos ou de vento? 

Ou será que a senhora Cáceres é daquelas que consideram imoral tanto a existência quanto a sobrevivência dessa gente toda no nosso querido planeta Terra? Sem a soja e seus derivados, carne seria um produto caríssimo, condenando sobretudo os mais pobres à desnutrição. Mas quem se importa com os pobres se, para artistas contemporâneos de talento duvidoso, tão mais bonito (e rentável) é brigar contra a realidade? 

A terceira pergunta que eu faria à senhora Cáceres é um pouco mais difícil. Acho que ela precisará consultar alguns livros para me responder: o que a senhora faria com todas as pessoas que hoje em dia vivem, direta ou indiretamente, da renda da soja? 

Só no Brasil, a soja movimenta R$ 200 bilhões. E olhe que estou usando dados desatualizados. Sete milhões de pessoas trabalham direta ou indiretamente com o produto por aqui. Sendo a Argentina o terceiro produtor mundial do grão, atrás apenas dos Estados Unidos e do Brasil, mas com uma área bem menor, não é difícil perceber o imenso valor social da soja por lá também. Para se ter uma ideia, em 2017, o complexo soja, composto por soja em grãos, farelo e óleo e carro-chefe das exportações da Argentina, representou 16% de todas as vendas externas do país, com faturamento de mais de US$ 9 bilhões. 

Leia também: A política está destruindo a sociedade civil. Mas a gratidão pode nos salvar

À curadoria do MON também tenho perguntas. Primeiro, as mais óbvias: quem paga pela obra da artista e quem autorizou o plantio da soja num espaço público? Depois, a mais capciosa: sendo o museu estatal, isto é, de propriedade de todos os paranaenses, o segundo maior produtor de soja, a quem interessa esse tipo de panfleto antiagronegócio? 

Entendo que artistas hoje em dia não estejam interessados no belo, muito menos na Verdade. Entendo que o discurso rebelde ainda atraia as massas ignaras, incapazes de fazer uma pesquisa simples na Wikipedia. Entendo que a senhora Cáceres sinta prazer com o aplauso fácil de quem nunca viu um “pé de soja” e de quem acredita que a agricultura orgânica é viável. E, por fim, entendo que ela precise da renda de suas oh tão subversivas manifestações artísticas para comprar produtos à base de soja necessários para a sobrevivência. 

O que não entendo é a chancela estatal a este tipo de discurso esteticamente questionável, infantil e sobretudo imoral.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.