Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Ideias
  3. Sabotador que derrotou o projeto da bomba atômica nazista morre aos 99 anos

obituário

Sabotador que derrotou o projeto da bomba atômica nazista morre aos 99 anos

Joachim Ronneberg é considerado herói na Noruega, seu país natal

  • Harrison Smith
  • The Washington Post
Joachim Ronneberg, oficial aposentado do Exército Norueguês, em sua casa na Noruega, em outubro de 2015 | MAURICIO LIMA/ NYT
Joachim Ronneberg, oficial aposentado do Exército Norueguês, em sua casa na Noruega, em outubro de 2015 MAURICIO LIMA/ NYT
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O plano era audacioso, exigia um salto de paraquedas à meia-noite em um platô coberto de neve, esquiar em temperaturas abaixo de zero e um ataque a uma usina isolada e fortemente vigiada no sul da Noruega. 

E os riscos, embora ninguém na equipe de comando de cinco homens soubesse na época, eram espetaculares: destruir a única fonte de água pesada dos nazistas, uma substância recentemente descoberta que os cientistas de Hitler estavam usando para tentar desenvolver uma bomba atômica, ou arriscar a criação de uma super arma que poderia garantir uma vitória alemã na Segunda Guerra Mundial. 

Leia maisComo um norueguês frustrou as ambições nucleares de Hitler 

“Não pensamos se era perigoso ou não”, Joachim Ronneberg, 23 anos, combatente da resistência norueguesa encarregado de liderar a missão disse ao jornal britânico Telegraph. “Não pensamos na nossa retirada. A decisão mais importante que você tomava durante toda a guerra era o dia em que decidia deixar a Noruega para se apresentar para o serviço. Você se concentrava no trabalho e não nos riscos”. 

Ronneberg fez um ataque devastador às ambições atômicas da Alemanha nazista, explodindo grande parte da usina e destruindo seu estoque de água pesada sem disparar um tiro ou perder um único homem. Ele tinha 99 anos e era o último dos célebres sabotadores de águas pesadas da Noruega, quando morreu em 21 de outubro, segundo a emissora estatal NRK, que confirmou a morte, mas não forneceu detalhes adicionais. 

Leia também: A bomba que devastou um país e mudou o mundo

“Ronneberg é um dos grandes heróis da história da guerra norueguesa”, disse a primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg, à imprensa depois de sua morte. Em 2015, o historiador militar britânico M.R.D. Foot disse ao New York Times que a missão de Ronneberg “mudou o curso da guerra” e mereceu a “gratidão da humanidade”. 

Embora os historiadores tenham debatido sobre o quanto os nazistas chegaram perto de desenvolver uma bomba atômica, e sobre o que os impediu de obter sucesso, as autoridades alemãs na época pareciam concordar que as ações de Ronneberg foram cruciais. Depois de visitar a usina danificada, ‘Nikolaus von Falkenhorst, o general nazista responsável pela ocupação da Noruega, teria declarado: “Este é o golpe mais esplêndido que já vi nesta guerra”. 

No entanto, mesmo quando as façanhas de Ronneberg foram narradas em livros, séries de televisão e filmes como “Os Heróis de Telemark”, um popular filme de 1965 estrelado por Kirk Douglas e Richard Harris, Ronneberg resistiu a ser glorificado como um herói de guerra. “Havia tantas coisas que eram apenas sorte e azar”, disse ele ao Times. “Não havia plano. Estávamos apenas esperando o melhor”. 

Sabotagem

Criado por uma proeminente família norueguesa na cidade portuária de Alesund, ele nasceu Joachim Holmboe Ronneberg em 30 de agosto de 1919 e estava trabalhando para uma empresa de exportação de peixe quando a Alemanha invadiu o país em abril de 1940. Com alguns amigos, ele fugiu para a Grã-Bretanha a bordo de um barco de pesca e vinculou-se ao Special Operation Executive, uma unidade de espionagem de guerra que Winston Churchill apelidou de seu “Ministério da Guerra Não-Cordial”. 

Leia maisEles eram inteligentes, cruéis e impiedosos. Missão? Matar nazistas 

Ronneberg estudou as artes sombrias da sabotagem, incluindo como plantar uma bomba, disparar uma arma e matar um homem com as próprias mãos, antes de servir como instrutor para recrutas na Norwegian Independent Company 1, uma unidade da SOE (Special Operations Executive - grupo executivo das Operações Especiais Britânicas) às vezes conhecida como Kompani Linge. 

Sua ascensão na organização ocorreu quando as forças aliadas receberam relatos de que os nazistas estavam aumentando a produção de água pesada em Vemork, uma instalação industrial e usina hidrelétrica – que já havia sido a maior do mundo – construída pela Norsk Hydro na região de Telemark, no sul da Noruega. 

Leia também: 11 filmes que mostram os horrores e a crueldade do nazismo

A usina já era a principal fornecedora comercial de água pesada, um moderador, ou meio, que os cientistas alemães estavam usando para tentar produzir plutônio para uma bomba atômica. Ela se provou menos eficaz que o grafite, que os seus rivais americanos que trabalhavam no Projeto Manhattan usaram para criar as bombas lançadas em Hiroshima e Nagasaki em 1945. 

Quando Ronneberg foi convocado para liderar a Operação Gunnerside, a missão de destruir a usina, 41 homens já haviam morrido em uma operação de novembro de 1942, apelidada de Operação Freshman, na qual um par de planadores caiu em meio ao mau tempo na Noruega. Os sobreviventes foram executados pelos nazistas. 

Em vez de arriscar outro acidente com planador, Ronneberg e os quatro comandos que ele selecionou para a missão saltaram de paraquedas na Noruega em fevereiro de 1943. Eles pousaram no local errado, mas esperaram passar uma nevasca dentro de uma cabana e se encontraram com quatro combatentes locais em Hardangervidda, um planalto desolado a noroeste da planta. 

O grupo chegou a Vemork na noite de 27 de fevereiro, depois de se arrastar por um desfiladeiro íngreme, atravessando um rio congelado e subindo pelo outro lado para evitar uma ponte guardada pelos nazistas. Cronometrando a sua infiltração na usina para combinar com a troca da guarda, Ronneberg disse que conseguiu entrar sem ser detectado, quebrando rápida e silenciosamente uma corrente no portão, apenas com a ajuda de um par de cortadores de metal resistentes. Ele tinha comprado os cortadores na Grã-Bretanha “inteiramente por acaso”, disse ele, depois de passar por uma loja de ferragens durante uma ida ao cinema. 

Baseado em informações de um fugitivo norueguês que havia trabalhado na fábrica, Ronneberg rastejou por um duto de ventilação e encontrou seu alvo – uma fileira de canos – sem entender o seu significado como fonte de uma misteriosa nova arma na Alemanha. 

Leia também: O curitibano que saiu para comprar pão e acabou no exército de Hitler por acaso

As cargas, disse ele mais tarde, “se encaixaram como uma mão em uma luva”, e em uma mudança de última hora ele aparou o pavio, fazendo com que a explosão acontecesse em cerca de 30 segundos, em vez de dois minutos, de modo que ele e sua equipe pudessem se certificar que houve a explosão – e, esperava ele, escapar da instalação sem serem pegos na explosão. 

“O céu estava com nuvens espiraladas. Foi um nascer do sol maravilhoso”, disse Ronneberg mais tarde ao Telegraph, recordando o momento horas depois, quando ele e sua equipe voltaram para as montanhas, fora do alcance dos guardas nazistas. “Ficamos lá muito cansados, muito felizes. Ninguém disse nada. Foi um momento muito especial”. 

Ronneberg e seus colegas comandos esquiaram por 320 quilômetros pelo sul da Noruega, fugindo para a neutra Suécia antes de retornar à Grã-Bretanha. 

Mais tarde, ele liderou a Operação Fieldfare, um esforço para romper as linhas alemãs de suprimento na Noruega, danificando pontes e ferrovias, e as forças aliadas continuaram a monitorar Vemork. A fábrica foi reparada depois de vários meses, levando aviões dos EUA a bombardear a fábrica de água pesada mais tarde em 1943. 

Quando os nazistas decidiram transferir o seu suprimento de água pesada para a Alemanha em 1944, um dos comandantes de Ronneberg, Knut Haukelid, liderou uma operação de sucesso para afundar a Hydro, uma balsa norueguesa que transportava a substância, enquanto cruzava o Lago Tinn. 

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/10/24/Ideias/Imagens/Cortadas/joachim-ronneberg-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg
Estátua em homenagem a Joachim Ronneberg, em Alesund, NoruegaMauricio Lima/ The New York Times

Ronneberg recebeu a mais alta honra militar da Noruega, a Cruz de Guerra com Espada, e foi premiado com a Ordem de Serviços Distintos na Grã-Bretanha. Ele retornou para sua cidade natal de Alesund após a guerra, e trabalhou como editor na NRK antes de se aposentar em 1987, de acordo com o canal de televisão de rádio. 

Ele se casou com Liv Foldal em 1949. Uma lista completa de familiares não estava imediatamente disponível. 

Ronneberg começou a falar sobre suas experiências como combatente da resistência apenas nos últimos anos. Sua história, disse ele ao Telegraph, tem lições para políticos e cidadãos comuns até hoje. “Alguns anos atrás”, ele disse, “percebi que faço parte da história. Tendo permanecido mais ou menos silencioso durante anos, agora percebo que é importante e natural que as pessoas perguntem sobre o passado para que possam planejar o futuro. As pessoas devem perceber que é preciso lutar pela paz e pela liberdade todos os dias”.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE