Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
The Crown
As estrelas de “The Crown”: Olivia Colman como a Rainha Elizabeth II, Emma Corrin como a Princesa Diana e Gillian Anderson no papel de Margaret Thatcher.| Foto: Divulgação

Agora em sua quarta temporada, “The Crown”, da Netflix, agrada a uma sensibilidade muito específica: a minha. O modo como eu imagino que um aluno da oitava série fica animado por, digamos, o Senhor das Estrelas atacar um alienígena foi minha reação no final do segundo episódio (“O Teste de Balmoral”). “Que terrível grupelho de mimados”, gritei para a TV, quase quicando no sofá. "Isso mesmo, Sra. Thatcher, mande-os embora. Despeça todos eles!”. Este seria o episódio cuja cena culminante é… uma remodelação do gabinete de Margaret Thatcher em 1981.

No entanto, essa trama de alto nível constrói tão suavemente cada clímax que até mesmo um espectador menos emocionalmente apegado descobrirá que esta temporada é um sucesso após o outro.

Chegamos nos anos 80, quando o Príncipe Charles (Josh O’Connor) vai buscar sua namorada Sarah Spencer para jantar e, em vez disso, fica encantado com sua irmã mais nova, uma elfa adolescente da floresta. Esse é o traje usado por Lady Diana Spencer (Emma Corrin) enquanto ela ensaia para uma produção escolar de “Sonho de uma noite de verão”. Margaret Thatcher (Gillian Anderson) ignora o conselho de sua equipe gelatinosa de ministros poderosos a fim de resgatar seus companheiros britânicos de um ditador, restaurar a honra da Grã-Bretanha e dar aos invasores das Ilhas Malvinas uma lição adequada; um parente da Rainha, Lord Mountbatten (Charles Dance), parte em uma viagem de pesca fatídica; e Sua Majestade (Olivia Colman) é revelada como uma progressista enrustida.

Este último detalhe é o preço que você paga por desfrutar desta série lindamente elaborada e repleta de drama; o criador do show, Peter Morgan, é um progressista que adora a Rainha e conseguiu inserir suas ideias fingindo que Elizabeth Regina empurrou a agenda favorita de Peter Morgan nos bastidores. Morgan está ciente (mais ou menos) de que seria altamente impróprio, para não mencionar atípico, que a soberana metesse sua tiara na política sul-africana.

Mas houve uma vez uma notícia vazada por um jornal (questionável) no sentido de que Elizabeth estava em desacordo com a Sra. Thatcher sobre a relutância desta em sancionar o regime de apartheid, e então Morgan constrói um episódio inteiro ("48: 1", o oitavo deste temporada) em torno da noção de que a Rainha intimidava incessantemente Thatcher até que ela ajustasse a política britânica ao gosto da monarca. Você pode querer pular este episódio; eu gostaria de ter feito.

Exagero

Outra fonte de pequena irritação são as performances. Como tem sido o caso durante todo o show, as atrizes que interpretam a monarca (antes da hábil Colman assumir, a excelente Claire Foy a interpretou nos primeiros anos de seu reinado) se comportam com a dignidade apropriada, mas os coadjuvantes parecem não combinar com o cenário. John Lithgow deveria ter sido enviado à Torre por sua interpretação de Winston Churchill nas três primeiras temporadas.

Este ano, é Anderson que se comporta como se estivesse fazendo uma imitação de esquetes cômicos de segunda categoria. A Sra. Thatcher às vezes inclinava a cabeça para um lado ao fazer uma afirmação? Bem, então Anderson repete o movimento tantas vezes ao longo da série que é surpreendente que não tenha levado um tombo. Thatcher tinha uma voz distinta? Sim, mas não era tão abrasiva como a que Anderson inventa. O’Connor também exagera em um grau irritante; o príncipe Charles de verdade realmente merece uns tapas, mas não é exatamente a figura enjoativa retratada na série.

Apesar de permitir a Thatcher alguns momentos esplêndidos, Morgan não consegue mostrar muito respeito por seus triunfos (embora ele se deleite com o outono de 1990) e então praticamente os pula para retratá-la como uma espécie de bruxa vergonhosa e ele mesmo ri imaginando Thatcher cozinhando e passando roupa (supõe-se que isso seja um insulto, o tipo de cena que faz os idiotas pretensiosos da BBC pensarem: “então, classe média”).

Charles e Diana

É, entretanto, a dinâmica Charles-Diana que orienta e define o show. Continua sendo um conto genuinamente comovente; Charles, forçado a se casar com uma pessoa que não é seu verdadeiro amor, a plebéia casada Camilla Parker Bowles (divertidamente interpretada por Emerald Fennel, sob um esvoaçante cabelo loiro estilo Farrah Fawcett), é desarmado pela espontaneidade infantil exibida por Diana (que, na época, morava com duas colegas em Earl's Court, conhecido por ser habitado por imigrantes).

Ele se convence a se casar com ela depois que a moça parece entrar naturalmente na família real em uma visita de fim de semana a Balmoral, mas imediatamente se arrepende. Durante a entrevista de noivado, um jornalista observou que a dupla parecia "muito apaixonada" e Charles respondeu: "O que quer que 'apaixonado' signifique." Ai. Morgan não deixa de fazer uma cena esmagadora, extenuante e devastadora deste evento.

As cenas de Diana fechada em seus próprios aposentos no palácio enquanto aprende seu ofício como a próxima Princesa de Contos de Fada™ capturam de forma tocante como ela se tornou solitária, estranha e, logo, bulímica. E aquelas em que ela assume seu papel e se torna uma figura mundialmente amada são cativantes. Estamos torcendo por ela, mas sabemos que ela não tem chance.

Quando ela e Charles fazem uma turnê australiana juntos (episódio seis, “Terra Nullius”), ele está frio e ela doente por ter se separado de seu filho bebê William, mas conseguem se reconciliar um pouco. É adorável. A lacuna entre os dois nunca pode ser fechada, no entanto, Morgan encontra uma maneira incrível de dramatizar isso de uma forma deliciosamente inesperada: na Royal Opera House, Diana surpreende seu marido (episódio nove, "Avalanche") escapando do camarote para subir no palco para dançar "Uptown Girl" de Billy Joel. O público fica encantado; mas Charles, sendo Charles, está horrorizado.

O que está errado entre eles não é culpa de ninguém (ok, é culpa de Charles, pelo menos de acordo com a série). Está tudo envolvido em questões de dever, tradição e protocolo - as barras de ferro da gaiola dourada. Estamos assistindo à vida de algumas das pessoas mais privilegiadas que já viveram neste planeta, e a maioria delas é miserável. A coroa é adorável de se admirar por causa do ouro, mas o que a faz funcionar impecavelmente é quão triste e bem ela incorpora o ferro.

©2020 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.
9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]