Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Há pouco mais de um ano, quando engravidou, a supervisora de recursos humanos Geórgia Rassi resolveu se mudar do apartamento onde morava no Mossunguê (Ecoville), em Curitiba. Entre as dúvidas na escolha do próximo imóvel da família prestes a aumentar, uma convicção: a localização deveria ser exatamente no bairro especificado por ela: o Juvevê. Após alguma procura, finalmente encontrou um apartamento de acordo com a recomendação dada à imobiliária. "Tinha de ser neste bairro, onde já morei por muito tempo e pelo qual tenho afinidade. Além disso, o imóvel tem uma ótima vista e fica na mesma rua onde minha mãe mora", destaca.

A exigência de Geórgia é a mesma detectada por uma pesquisa qualitativa que faz parte das ações do projeto "Construindo o Futuro", realizado em conjunto pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas do Paraná (Sebrae-PR), Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná (Sinduscon-PR) e pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep).

O estudo foi divulgado há pouco mais de uma semana e teve como público-alvo homens e mulheres acima de 28 anos, das classes sociais A, B e C, que recentemente tinham comprado um imóvel, construído ou reformado. O trabalho revelou, entre outros, que a localização é o fator de maior influência na escolha de um imóvel para compra ou construção. O preço e a área verde vêm em seguida.

Como a metodologia da pesquisa qualitativa determina o debate de questões pontuais realizado por grupos de pessoas selecionados e reduzidos (grupos focais), o trabalho, em vez de revelar números estatísticos, procurou avaliar mais profundamente o que pensa o público consumidor da construção em Curitiba e região. Oito grupos foram ouvidos, totalizando 16 horas de conversas gravadas e analisadas.

Segundo Normando Baú, vice-presidente administrativo do Sinduscon-PR, o estudo acabou com a "miopia" das 31 empresas participantes do projeto (construtoras, na maioria). "Essa pesquisa foi importante para que nós víssemos mais nitidamente uma imagem que até então não era muito clara. O resultado dela facilita o posicionamento das organizações e deve determinar o relacionamento das empresas com os consumidores", explica.

Outro aspecto importante apontado pela pesquisa mostra que os consumidores sentem falta de um serviço mais eficiente de pós-venda e querem saber mais sobre os seus gastos. A maioria das empresas, contudo, não dá muita importância a isso.

De acordo com Edvaldo Corrêa, consultor do Sebrae-PR, grande parte das empreendedoras está preocupada em apenas fazer o produto, ou seja, em construir, e pouco atenciosa na sua relação com os clientes, que, independente de sua classe social, reclamam da falta de informação. "Eles querem, por exemplo, que as construtoras discriminem de forma mais detalhada aquilo que eles estão pagando", diz Corrêa.

Os consumidores desejam saber também como será o processo de construção, se será demorado ou se pode haver mudança durante a sua execução. "Eles pedem até uma espécie de curso de orientação para quem quer reformar ou construir." Segundo Corrêa, a empresa que dedicar essa atenção ao cliente sairá na frente.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]