Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

polêmico

Transexual não pode ser registrado como mãe, decide tribunal na Alemanha

Juízes determinaram que um homem biológico, que congelou o sêmen antes de se tornar mulher, não pode ter sua maternidade comprovada civilmente

  • Da Redação
 | Pedro Serapio/Gazeta do Povo
Pedro Serapio/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Uma mulher transexual (homem biológico) não pode ser considerada civilmente mãe do filho nascido a partir do seu sêmen, congelado antes da mudança de sexo. A decisão foi tomada pelo Tribunal Federal de Justiça (BGH) da Alemanha, na mesma linha de uma determinação já dada em setembro de 2017 para um caso contrário, o de um homem transexual (mulher biológica) que tentava ser reconhecido oficialmente como “pai” de uma criança, mas foi impedido.

Leia também: Quais as consequências da alteração do registro civil de transexuais?

A transexual mudou de sexo em 2012. Em 2015, ela e o parceiro casaram oficialmente e quiseram registrar uma criança nascida em junho do mesmo ano, a partir do sêmen da transexual que estava congelado. O cartório de registros, no entanto, considerou a mulher que deu à luz como sendo a mãe verdadeira da criança.

Diante da recusa das autoridades em alterar o documento e registrá-la como mãe, a transexual apelou para dois tribunais, o Distrital e o de Recurso em Berlim. Como não houve provimento em nenhuma das duas cortes, ela recorreu então ao BGH.

A decisão de setembro de 2017

No julgamento de setembro de 2017, cujos argumentos foram repetidos para a decisão de agora, para posicionar-se contra o desejo de um homem transexual (nascido mulher) de se transformar em “pai” da criança civilmente, o tribunal utilizou o inciso 11 da lei que rege na Alemanha as mudanças relativas ao nome e ao sexo em documentação civil (a Transsexuellengesetz, citada pela sigla TSG, em vigor desde 1981). Pelo dispositivo, a mudança de nome e sexo não pode ser aplicada ao relacionamento legal entre pais e filhos. A relação parental só pode ser alterada civilmente no caso de crianças adotadas, rege o documento.

No acórdão, os juízes ressaltaram que a decisão não viola o direito dos transexuais já que a lei é clara ao prever que apenas o sexo biológico e a correspondente “contribuição específica” seriam relevantes para determinar quem é o pai e quem é a mãe. “As crianças em questão são legalmente designadas com um pai e uma mãe, apesar da mudança legal de gênero de um dos seus progenitores”, apontaram.

Leia também: Transexuais que tenham até 45 anos precisam se alistar no Exército

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Justiça

PUBLICIDADE