Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Ler e Pensar
  3. Jovens Escritores: um estímulo para produção literária

leitura

Jovens Escritores: um estímulo para produção literária

Alunos do Colégio Sesi de Campo Largo desenvolvem escrita criativa e produção de livros, dentro de oficinas temáticas

  • Campo Largo 
  • Colégio Sesi 
Alunos durante a oficina do Sesi Campo Largo  em parceria com o Ler e Pensar  |
Alunos durante a oficina do Sesi Campo Largo  em parceria com o Ler e Pensar 
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Após um trabalho de décadas, a leitura passa a ser um direito constitucional, previsto pela Lei Castilho, sancionada pelo presidente Michel Temer, neste mês de julho. A Política Nacional de Leitura e Escrita (PNLE) será usada como estratégia para promover o livro, a leitura, a escrita, a literatura e as bibliotecas de acesso público em todo o país. O primeiro marco legal sobre formação de leitores no Brasil deve ser implementado pelos Ministérios da Educação e da Cultura, em conjunto com estados e municípios. 

A unidade do Colégio Sesi de Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba, vem fazendo a sua parte e contribuindo com a nova lei. Para incentivar o hábito da leitura, aproximar os alunos da biblioteca e valorizar a produção literária, o colégio promove oficinas para os alunos produzirem seus próprios livros e contos. 

Com a coordenação de dois professores responsáveis pelo projeto, Everton Bastos e Renata Kamarowski, as oficinas combinam a prática de textos com ensino temático. Ao final, os contos e livros são organizados para editoração, nos modelos ebook e impresso, através da plataforma Clube de Autores. 

Incentivo à leitura 

As oficinas tiveram início em 2016, a partir de leituras de notícias, pelo projeto “Ler e Pensar”, realizado em parceria com a Gazeta do Povo. Atualmente já são 140 alunos, divididos em dois grupos, com os temas “Mochilão” e “Mestre Cuca”. 

Integrante da Oficina Mochilão, Gabriel Ogeda, começou a participar do projeto no primeiro trimestre de aulas deste ano. Para ele, a iniciativa é uma maneira de incentivar os alunos a exporem suas ideias de modo prático e divertido. “Acredito que irá despertar grandes talentos e gerar conhecimento para quem participa. Nós desenvolvemos nosso vocabulário e reforçamos o entendimento sobre o conteúdo abordado nas oficinas. Aprendemos melhor e adquirimos mais conhecimento durante as pesquisas para a produção dos textos”, afirma. 

Envolvimento 

Durante algum tempo, os textos produzidos eram corrigidos pelos professores e devolvidos, ficando perdidos e esquecidos. O professor coordenador, Everton Bastos, afirma que com a produção das publicações, as ideias são completamente inovadoras. “A partir das edições, as obras são lidas, discutidas e expostas na biblioteca do Colégio para que todos tenham acesso. Os alunos conseguem ver que a ideia deles tornou-se uma realidade, o que gera um engajamento maior”, diz. 

Com a participação em três livros, a estudante Heloiza dos Santos, da Oficina Mestre Cuca, entrou no projeto em 2017 e está animada com a possibilidade de trabalhar com um tema que gosta, enquanto aprende sobre diversos estilos. “A proposta é construir os textos, levando em conta a criatividade e também a estrutura deles. Podemos conhecer melhor os gêneros textuais, e principalmente alguns autores. Em oficinas anteriores, publicamos um livro de crônicas, e foi bacana conhecer os autores dessas narrativas.” 

Heloiza espera que as oficinas continuem por muito tempo. “Poder explorar a imaginação de cada um é sensacional. É muito importante o incentivo que recebemos, sendo na criação, na leitura ou no conhecimento. Eu tenho certeza que o projeto traz benefícios. Conhecer obras literárias contribui muito para a realização dos vestibulares e o incentivo à leitura é fundamental na vida de um estudante, que precisa sempre estar lendo e se informando, praticando a leitura e a escrita”, diz. 

Publicação 

Após as produções serem finalizadas, haverá um evento de lançamento, previsto para setembro deste ano. “Todos se sentem muito mais motivados a construir suas histórias, enredos e poesias, sabendo que esses conteúdos serão eternizados pela escrita”, finaliza o professor coordenador do projeto, Everton Bastos.

O texto foi produzido pela Gerência de Educação Básica e Continuada do SESI, que mensalmente mostrará neste espaço os resultados do Projeto Ler e Pensar em suas escolas.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE