i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sumiço

22 países trabalham na busca do voo 370

  • PorAgência Estado
  • 16/03/2014 21:19
Passageiros continuam a receber mensagens de esperança no aeroporto de Kuala Lumpur | Edgar Su/Reuters
Passageiros continuam a receber mensagens de esperança no aeroporto de Kuala Lumpur| Foto: Edgar Su/Reuters

As autoridades da Malásia examinaram um simulador de voo que foi confiscado da residência de um dos pilotos do avião desaparecido há mais de uma semana e pediram aos governos de outros países que partilhem informações confidenciais de radares. Segundo as autoridades malaias, sem essas informações a localização da aeronave será impossível.

Até o momento, In­­do­­nésia, Birmânia, Tailândia, Índia e Paquistão disseram não haver sinais de que o Boeing 777 desaparecido tenha voado sobre seus respectivos territórios. O número de países na busca da aeronave dobrou para 22.

Os investigadores estão estudando cada um dos 239 passageiros do voo 370 da Malaysia Airlines e da tripulação em terra que prestou serviços ao voo e à aeronave, o que trouxe um detalhe que fortaleceu especulações de que um ou ambos os pilotos estariam envolvidos no desaparecimento da aeronave.

As autoridades revelaram que as palavras finais do cockpit aos controladores de tráfego antes de o sinal ser perdido foram: "Tudo certo, boa noite". Os pilotos não mencionaram qualquer problema no voo, possivelmente numa tentativa de despistar o controle em terra.

Perguntado sobre o significado dessa declaração, o major da Força Aérea da Malásia, general Affendi Buang disse aos repórteres: "Isto é algo que não é normal na conduta de um piloto". Affendi disse que não sabe se foi o piloto ou o copiloto que conversou com a torre de controle. Esta incerteza também abriu a possibilidade de que mais alguém tivesse pronunciado tais palavras, embora ele não tenha mencionado tal cenário.

Área de busca

As autoridades da aviação da Malásia e de outros países que ajudam na investigação acreditam que a última comunicação por satélite do avião pode ter vindo de dois corredores: um mais ao norte, indo da fronteira do Casaquistão com o Turcomenistão até o norte da Tailândia; e outro mais ao sul, que se estende da Indonésia ao sul do Oceano Índico. Segundo o ministro da Defesa e vice dos Transportes da Malásia, Hishammuddin Hussein, os dois corredores estão sendo tratados "com igual importância".

Diante da grande área por terra e mar que teria de ser vasculhada, a fuselagem do avião pode levar meses ou mais para ser encontrada, ou ainda, nunca ser localizada. Para que se tenha informação sobre o que ocorreu com um mínimo de clareza é preciso localizar as gravações do voo que ficam no avião.

A área de buscas já envolve 22 países, disse Hussein ontem, acrescentando que esse número pode subir para até 25. "A busca já está altamente complexa e demandando um grande esforço internacional. Agora deve ficar ainda mais difícil", afirmou em entrevista para a imprensa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.