COVID
Equipes médicas fazem testes para coronavírus em Wuhan| Foto: Divulgação/China/AFP

Testes falhos, lentidão nos diagnósticos. O começo do que viria a ser uma pandemia de coronavírus foi marcado por muita confusão e desespero na cidade de Wuhan, na China, onde a Covid-19 surgiu. Muitas pessoas relataram a agências de notícias e jornais na época que estavam com sintomas da doença, mas não conseguiam fazer um teste para confirmar o diagnóstico – uma condição para conseguir ser internado.

Uma investigação da Associated Press revelou, nesta quinta-feira (3), que a escassez generalizada de testes no início da pandemia, crucial para conter a propagação do vírus, foi causada, em parte, por acordos obscuros que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China firmou com três empresas de Xangai, com as quais funcionários da agência tinham laços pessoais e que até então eram pouco conhecidas.

Confira: As últimas notícias sobre a Covid-19 no Brasil e no mundo

De acordo com a reportagem, que entrevistou mais de 40 pessoas e revisou centenas de páginas de documentos internos e mensagens, no início de janeiro, o CDC da China, assim que obteve o sequenciamento genético do novo vírus, forneceu projetos, ou “receitas”, sobre como fazer os kits de teste para as três empresas: GeneoDx Biotech, Huirui Biotechnology, and BioGerm Medical Technology. Em troca, elas pagaram um milhão de yuans (cerca de US$ 150 mil) cada, segundo uma fonte com conhecimento da transação que não quis ser identificada na reportagem por medo de retaliação.

Isso representou uma mudança de postura em relação a crises de saúde anteriores. Em 2013, por exemplo, durante um surto de influenza, o CDC enviou projetos dos kits de testes a laboratórios em todo o país um dia após a identificação do vírus. Na epidemia do novo coronavírus, o governo chinês só publicou o mapa genético do vírus em 12 de janeiro, depois que cientistas haviam publicado o sequenciamento mesmo sem autorização oficial.

Com o código genético da Sars-CoV-2 disponível, mais companhias começaram a produzir seus kits para testes. Contudo, a Comissão Nacional de Saúde (CNS) da China continuava recomendando o uso dos produtos fabricados pelas três empresas de Xangai, enquanto o CDC central exigia que as unidades provinciais enviassem as amostras para teste aos laboratórios centrais. Só assim os casos seriam incluídos na contagem oficial do governo chinês.

“Foi absolutamente anormal”, disse um técnico de laboratório do CDC à Associated Press. “Eles estavam totalmente tentando tornar mais difícil para nós relatar quaisquer casos confirmados”.

Segundo a AP, inicialmente o CDC e a Comissão Nacional de Saúde só endossaram os testes vendidos pelas empresas de Xangai, embora muitos tenham falhado, resultando em falsos negativos. Isso só mudou em 14 de janeiro, quando as autoridades chinesas começaram a flexibilizar as regras para testagem. Em 22 de janeiro, os nomes das três empresas foram removidos do guia de distribuidores recomendados pela Comissão.

Segundo a AP, essas ações contribuíram para que nenhum novo caso de Covid-19 fosse relatado pelas autoridades chinesas entre 5 e 17 de janeiro, embora dados retrospectivos de infecção mostrem que centenas foram infectados neste período. No início de fevereiro, Wuhan ainda sofria com a escassez de testes.

Leia também: As últimas notícias sobre a China

“Como você tem apenas três empresas fornecendo kits de teste, a capacidade de teste é muito limitada”, disse Yanzhong Huang, pesquisador sênior de saúde global do Conselho de Relações Exteriores. “Foi um grande problema que levou ao rápido aumento de casos e mortes”.

O fato de a Sars-Cov-2 ser um vírus novo também contribuiu para a lentidão nos testes durante o começo do surto. Alguns pesquisadores, inclusive, exaltaram o trabalho dos cientistas chineses pela rapidez com que o vírus foi detectado e com que os testes passaram a ser fabricados.

Depois dessa fase inicial, e com mais conhecimento do vírus, a China passou a fazer campanhas agressivas de testagem para diagnosticar a Covid-19. Em outubro, por exemplo, diante da possibilidade de um surto na cidade de Qingdao, 10 milhões de habitantes foram testados em apenas quatro dias.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]