i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Violência nos EUA

Ao Congresso, irmão de George Floyd diz que ele “não merecia morrer por 20 dólares”

    • Estadão Conteúdo
    • 10/06/2020 20:08
    Philonise Floyd, irmão de George Floyd, em audiência na Comissão de Justiça da Câmara dos Representantes dos EUA
    Philonise Floyd, irmão de George Floyd, em audiência na Comissão de Justiça da Câmara dos Representantes dos EUA| Foto: Erin Schaff / POOL / AFP

    Philonise Floyd, irmão de George Floyd, homem negro que foi sufocado até a morte enquanto era detido pelo policial branco Derek Chauvin, pediu nesta quarta-feira, 10, para que o Congresso aja para evitar que o assassinato tenha sido "em vão" e que se pergunte o quanto "vale a vida de um negro".

    "Estou cansado da dor que sinto agora, da dor que sinto sempre que matam outro negro sem nenhum motivo. Estou aqui para pedir que façam isso parar. Parem a dor. Façam com que não fiquemos cansados", disse Philonise Floyd em emocionante depoimento diante da Comissão de Justiça da Câmara dos Deputados.

    O irmão caçula argumentou que George Floyd "não merecia morrer por US$ 20", ao se referir ao provável uso da nota falsa que provocou a detenção.

    "Eu pergunto a vocês, é isso o que vale a vida de um homem negro? Vinte dólares? Estamos em 2020, basta. O povo que protesta nas ruas está dizendo que basta. Sejam os líderes que este país e este mundo necessitam", declarou.

    "Depende de vocês garantir que a morte dele não tenha sido em vão. Honrem a memória de George fazendo as mudanças necessárias para que as forças de segurança sejam a solução, não o problema. Façam com que prestem contas quando fizerem algo ruim", afirmou.

    Philonise pediu para que os policiais aprendam "o que significa tratar o povo com empatia e respeito, o que é a força necessária e que a força letal só deve ser usada em raras ocasiões e quando a vida está em perigo".

    Dois dias depois que os democratas anunciaram um projeto de reforma da "cultura" dentro da polícia para encerrar os casos de brutalidade e racismo, essa comissão da Câmara - também controlada pela oposição - vai analisar a situação.

    Protestos em massa

    A polícia tem sido o centro das atenções desde a morte de Floyd, em 25 de maio. As imagens nas quais pode-se ouvir Floyd gritar "Não consigo respirar" levaram ao maior movimento de protesto nos Estados Unidos desde o assassinato de Martin Luther King Jr. em 1968.

    O presidente da comissão, Jerrold Nadler, disse no início da sessão que todos os dias nos Estados Unidos, a população negra e outras minorias vivem com medo.

    "A história do racismo em nosso país e a violência motivada pelo racismo estão no pecado original da escravidão que continua assombrando nossa nação", disse o legislador democrata, que pediu para lembrar que Floyd é mais do que uma causa e um nome gritado nas manifestações.

    O legislador republicano de mais alto escalão da comissão, Jim Jordan, admitiu que é hora de uma discussão real sobre o tratamento policial dado aos afro-americanos. "Os assassinos do seu irmão vão enfrentar a justiça", disse Jordan a Philonise Floyd.

    Das 1.098 pessoas mortas nos Estados Unidos pela Polícia em 2019 um quarto era de negros, de acordo com o portal de mapeamento de violência política. Os afro-americanos no país representam menos de 13% da população.

    Um registro de violência

    Diante do debate nacional, a polícia de Houston proibirá a imobilização com asfixia e a corporação de Minneapolis será desmontada para ser reformada e refundada.

    No nível federal, a Lei de Polícia e Justiça - que conta com o apoio de mais de 200 legisladores democratas - busca criar um registro de agentes que cometem abusos, facilitar seu processo e repensar os processos de seleção e treinamento.

    O futuro desse processo, entretanto, é incerto caso os democratas não consigam o apoio dos republicanos, que dominam o Senado, e do presidente Donald Trump, que condenou a morte de Floyd, mas deu seu apoio expresso à Polícia.

    Reformas antirracistas nos EUA

    O chefe da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, anunciou na terça-feira que instruiria o senador negro Tim Scott a avaliar o projeto.

    Nos Estados Unidos - onde existem cerca de 18 mil entidades policiais autônomas, incluindo órgãos municipais eleitos e xerifes de condado -, a articulação de uma reforma dessa proporção é complexa.

    O agente acusado Derek Chauvin, de 44 anos, foi preso pelo assassinato e está encarcerado em uma prisão de alta segurança. Três de seus ex-colegas envolvidos na prisão também foram acusados de cumplicidade.

    1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 1 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • E

      Eduardo Prestes

      ± 2 horas

      Mais da metade dos homicídios e crimes americanos são cometidos por negros, que são “apenas 13% da população”, segundo a matéria. A polícia reage contra criminosos, é essa a função dela. Se esse pessoal parar dd cometer crimes, vai parar de se incomodar com a polícia. Esse Floyd tinha extensa ficha criminal. O policial errou na abordagem e vai pagar por isso. Mas esse Floyd assumia riscos importantes com suas condutas criminosas. Morreu em função de um crime que estava cometendo. E não por ser negro ou por racismo alheio.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso