i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Japão

Após derrota histórica, Abe resiste à renúncia

Partido do primeiro-ministro perde a maioria no Senado

  • 30/07/2007 17:23

País renovou metade das 242 cadeiras do Senado

Como era

Coalização governista: 132PLD (Partido Liberal democrático): 109 Komeito (partido budista): 23

Oposição

PDJ (Partido Democrático do Japão): 83

Como ficou

Coalização governista: 101 PLD, do premiê Abe, só havia elegido 36 senadores, e o Komeito, 8. Para 3 cadeiras, ainda não havia resultado.PDJ: 111, o partido, de oposição, elegeu 59 senadores.

Fujimori vai mal em eleição no Japão

O ex-presidente do Peru Alberto Fujimori não será senador no Japão. Ele não conseguiu votos suficientes para obter uma cadeira pelo Novo Partido dos Cidadãos (NPC) nas eleições realizadas ontem.

Leia a matéria completa

Tóquio – O bloco conservador do primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, sofreu uma derrota devastadora nas eleições para o Senado ontem, mas o premier de 52 anos disse que pretende continuar no cargo.

"Estou determinado a cumprir minhas promessas, apesar de a situação ser grave", declarou um abatido Abe, depois de admitir ser responsável pela grande derrota. "Precisamos restaurar a confiança da população no país e no governo."

Irritados com uma série de escândalos do governo e problemas com arquivos da Previdência, os eleitores acabaram com a maioria da coalizão de Abe no Senado. Foi o primeiro teste eleitoral desde que ele assumiu a posição, há dez meses.

A coalizão de Abe não será retirada do governo com a perda no Senado, já que tem grande maioria na Câmara dos Deputados, mais poderosa e responsável por eleger premiers.

Mas, com a importante legenda de oposição, o Partido Democrático do Japão (PDJ), a caminho de se tornar a maior no Senado, será mais difícil aprovar leis, o que pode gerar impasse político. "Temos que debater temas com o Partido Democrático no Senado e ouvi-los quando for necessário", disse Abe.

A rede pública NHK disse que as pesquisas indicam que o Partido Liberal Democrático (PLD), de Abe, e seu parceiro Novo Komeito terão entre 39 e 55 assentos – bem abaixo dos 64 necessários para manter sua maioria no Senado, onde metade das 242 vagas seriam renovadas.

O dirigente do PDJ Naoto Kan disse a jornalistas que "a nação falou muito claramente. Naturalmente, temos a Câmara na mira e nosso objetivo final é a mudança de governo", acrescentou. O partido, considerado tão conservador quanto o PLD, venceu com uma plataforma de reformas audaciosas, entre elas a de que o Japão tenha um papel maior em operações militares internacionais de manutenção da paz no âmbito da ONU.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.