i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise na venezuela

As mentiras nada sutis da propaganda estatal na Venezuela

No mundo do ditador Nicolás Maduro, as prateleiras dos supermercados estão abastecidas, o êxodo de cidadãos famintos não existe e as alegações de uma terrível crise na saúde fazem parte de um plano que pode resultar em uma invasão dos EUA

  • PorRachelle Krygier e Anthony Faiola
  • Washington Post
  • 19/10/2018 15:05
Pessoas esperam na fila para solicitar um passaporte, em Caracas | Manaure Quintero/Bloomberg
Pessoas esperam na fila para solicitar um passaporte, em Caracas| Foto: Manaure Quintero/Bloomberg

No mundo segundo o governo venezuelano, programas estaduais de alimentação estão abastecendo as prateleiras vazias dos supermercados, o êxodo de cidadãos famintos para outros países é "uma notícia falsa" e as alegações de uma terrível crise de saúde fazem parte de um plano global para lançar as bases para uma invasão norte-americana.  

"A Venezuela é vítima dos ataques da mídia mundial destinados a construir uma suposta crise humanitária para justificar uma intervenção militar", disse o presidente Nicolás Maduro à Assembléia Geral da ONU no mês passado. Ele insistiu que não há crise. 

A nação de 31 milhões está mergulhando no caos – uma situação tão desesperadora que pacientes com HIV e câncer estão sem tratamento e os pais estão entregando seus filhos famintos a orfanatos. Mas o governo está dobrando os esforços para retratar uma realidade alternativa. Para os venezuelanos, cada dia traz uma nova enxurrada de propaganda na mídia estatal, representando um país que poucos deles reconhecem. 

LEIA TAMBÉM: 5 mentiras que Maduro contou na ONU para mascarar a realidade venezuelana

Pode haver uma lógica calculada para as negações oficiais. Crises humanitárias foram citadas no passado para apoiar ações militares, incluindo incursões na Europa, Oriente Médio e África. Alimentado em parte pelo governo Trump e pelo senador republicano Marco Rubio, assim como alguns diplomatas e políticos latino-americanos, a conversa parece estar crescendo para uma possível solução militar externa para a situação da Venezuela.  

"É imoral o que eles estejam fazendo – negar a crise", disse David Smilde, especialista em Venezuela na Universidade de Tulane. "Mas do ponto de vista deles, eles têm uma enorme motivação para não admitir a extensão da crise e, portanto, não oferecer um argumento convincente para a intervenção militar". 

Ilusão

Em uma manhã recente, a Venezolana de Televisión, emissora estatal, exibiu imagens de uma fazenda comunitária maravilhosa que empregava trabalhadores satisfeitos. "Estamos muito felizes aqui", disse um homem idoso. "Estou orgulhoso e grato por esta fazenda coletiva". 

Poucos dias antes, a TV estatal havia mostrado Margaud Godoy, a governadora pró-Maduro do estado de Cojedes, falando alegremente sobre os despachos de carne subsidiada para os supermercados. Nos supermercados em todo o país, carne de qualquer tipo tem sido quase impossível de encontrar por semanas. No entanto, a câmera captou imagens de carne sendo cortada para distribuição. 

Em um grande supermercado no leste de Caracas, os compradores discordaram. O balcão do açougue não tinha carne nem frango, e uma seção para carne de porco estava meio vazia. "Se eles estão fornecendo carne para alguém, são para eles mesmos, não para as pessoas", disse Agustin Diaz, mecânico de 34 anos. 

Muitas crianças venezuelanas voltaram para a escola em setembro com uniformes desgastados e buracos em seus sapatos, alguns deles abaixo do peso por causa da escassez de alimentos que tornaram as refeições regulares um luxo. No entanto, os canais estatais mostravam imagens de crianças em roupas impecáveis, voltando alegremente para a aula. Os relatórios do regime também não mencionaram um grave déficit de financiamento que parece ter forçado o fechamento de centenas de escolas em todo o país. "Com energia voltamos para a escola, felizes em ver nossos amigos", diz um narrador. 

LEIA TAMBÉM: Venezuelanos fogem para as cidades latino-americanas, não para campos de refugiados

Grupos de ajuda humanitária estimam que entre 1,6 milhão e 2 milhões de venezuelanos deixarão o país neste ano para escapar da hiperinflação e da falta de alimentos e remédios. Os números estão bem acima dos 1,5 milhão que saíram entre 2014 e 2017, mas no início de setembro, o ministro de Comunicações do governo, Jorge Rodríguez, e sua irmã, a vice-presidente Delcy Rodríguez, convocaram uma coletiva de imprensa internacional para revelar o que disseram ser evidência de que as crises migratórias e humanitárias eram uma farsa. 

O ministro das Comunicações disse que o fato de que mais tuítes sobre uma "crise humanitária" na Venezuela estão circulando do que tuítes sobre a crise na Síria, onde há uma guerra total, são indícios de uma campanha organizada de "notícias falsas". Ele também sugeriu que o sistema socialista da Venezuela continua sendo uma atração invejável para inúmeras pessoas na região. "Se há uma crise humanitária aqui, então por que 5 milhões de colombianos ainda vivem aqui? Eles são masoquistas?" Rodriguez disse. 

Maduro ainda sugeriu que os fluxos de migrantes que estão deixando a Venezuela não são maiores do que nos últimos anos. E se são, diz ele, é apenas porque os venezuelanos estão sendo enganados a ir embora – ou então estão tentando fazer a sorte em outro lugar com bolsos cheios de dinheiro. "A crise dos migrantes fabricados está provando ser uma mentira", disse Maduro no mês passado. 

Revolução fracassada

Por duas décadas, a "Revolução Bolivariana" da Venezuela – ideia do presidente Hugo Chávez, que morreu em 2013 – falou sobre o empoderamento dos pobres por meio de programas de assistência social e leis trabalhistas esquerdistas. Mas desde que Maduro, o sucessor ungido de Chávez, tomou posse, a economia já instável entrou em uma crise aparentemente sem fim. Especialistas atribuem a quebra a uma mistura tóxica de políticas socialistas fracassadas, corrupção, má administração e preços mais baixos do petróleo – um desastre para um país com as maiores reservas comprovadas de petróleo do mundo.

Em seus momentos mais vulneráveis, Maduro apareceu para reconhecer seus erros – mas nem tanto assim. Em agosto, ele anunciou novas políticas econômicas destinadas a corrigir "erros do passado", admitiu que a estatal petrolífera, PDVSA, está à beira do colapso, e prendeu funcionários que, segundo ele, são os responsáveis. 

Mas ele nunca admitiu totalmente o escopo das crises sociais, de saúde ou migratórias do país, e o governo rejeitou a ajuda humanitária de instituições de caridade e organizações não-governamentais, insistindo que isso não é necessário. 

Negando o óbvio

Ao mesmo tempo, a imprensa livre foi praticamente reprimida, com canais privados e sites de notícias censurados por um órgão regulador de mídia, a Conatel. Pelo menos uma dúzia de diretores de mídia foram exilados ou acusados de crimes desde 2015. Seis sites foram fechados e seis jornais pararam de publicar este ano, de acordo com o Independent Press Institute, de Caracas. 

Isso deixou a mídia estatal e os canais autocensurados como os principais fornecedores de informações para os 50% do país sem acesso à Internet. 

Para os venezuelanos, a propaganda pode parecer surreal. Nelsy Cruz, 76 anos, moradora de um bairro operário a 48 quilômetros a leste de Caracas, deu uma olhada nas reportagens da TV estatal enquanto arrumava sua sala de estar. 

LEIA TAMBÉM: Miséria força venezuelanos a abandonar animais de estimação

Ela precisa urgentemente de uma cirurgia no joelho, um procedimento que, segunda ela, está atrasado há meses porque os hospitais não têm como tratá-la. Ela apontou para as maçãs do rosto salientes e disse que tinha que diminuir suas calças depois de perder mais de 4,5 Kg neste ano por falta de comida. Enquanto as imagens animadas piscavam na tela, ela disse que era como se o governo estivesse tentando convencer os venezuelanos de que todos eles vivem no "paraíso".  "Maduro nega coisas que vemos todos os dias", disse ela. 

O governo simplesmente continua mentindo para nós. Abertamente. 

As negações oficiais, dizem os especialistas, são possíveis porque o governo retém dados econômicos e de saúde. A última vez que a Venezuela divulgou dados oficiais sobre inflação foi em 2015. O Fundo Monetário Internacional, por exemplo, estima que a inflação superará 1.300.000% neste ano. 

"Os governos dependem da esperança que nutrem", disse Moises Naim, bolsista do Fundo Carnegie para a Paz Internacional, que foi ministro do Comércio e da Indústria da Venezuela em 1989. 

Maduro não pode dar esperança mostrando a realidade, então ele faz isso com mentiras

As autoridades venezuelanas não responderam a repetidos pedidos de comentários para esta reportagem. 

Há quem acredite

Pesquisas domésticas mostram que 28% da população ainda apoia o governo, constituindo o público ansioso por propaganda oficial. 

A duas quadras da pequena casa de Cruz, Omar Rojas, um professor de 55 anos, também assistia à TV estatal, como faz todas as manhãs. O fervoroso admirador de Chávez disse acreditar que "o mundo está exagerando a crise" e diz que o canal do governo o ajuda a "entender por que o país está passando por alguns problemas". 

"Se tivermos que comer um pouco menos para avançar a causa, faremos isso", disse ele. "O governo está lutando por uma ideologia que defenda a igualdade e a liberdade. E é isso que eu quero para a Venezuela".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.