i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Violência

Ataque a maternidade deixa bebês e mães mortos no Afeganistão

  • PorGazeta do Povo
  • 12/05/2020 19:29
Membro de força de segurança retira bebê recém-nascido de hospital que foi alvo de ataque de atiradores em Cabul, 12 de maio
Membro de força de segurança retira bebê recém-nascido de hospital que foi alvo de ataque de atiradores em Cabul, 12 de maio| Foto: AFP

Atiradores invadiram um hospital maternidade em Cabul, capital do Afeganistão, nesta terça-feira (12), e provocaram um tiroteio que deixou ao menos 16 pessoas mortas, incluindo dois bebês recém-nascidos, mães e enfermeiras, segundo o Ministério do Interior do Afeganistão. O confronto entre os criminosos e forças de segurança durou horas dentro do hospital.

Também nesta terça-feira, um atentado a bomba em um funeral matou ao menos 24 pessoas no leste do país. Após os ataques, o presidente afegão Ashraf Ghani anunciou que estava ordenando a retomada das operações ofensivas contra o Talibã e outros grupos.

"Para oferecer segurança aos espaços públicos e para impedir ataques e ameaças do Talibã e de outros grupos terroristas, estou ordenando as forças de segurança afegãs que saiam do modo de defesa ativa e passem para o modo de ofensiva para retomar suas operações contra os inimigos", afirmou Ghani.

Forças de segurança isolaram a área e evacuaram mais de 80 mulheres e crianças do hospital administrado pelo governo, onde funciona uma maternidade dirigida pela organização humanitária Médicos Sem Fronteiras.

Um porta-voz do Ministério do Interior afegão descreveu o ataque como um "ato contra a humanidade e um crime de guerra". Nenhum grupo assumiu a autoria do atentado contra o hospital até o momento, e o Talibã negou envolvimento.

Pelo menos três atiradores vestindo uniformes policiais entraram no hospital lançando granadas e atirando, noticiou a Al Jazeera, citando autoridades locais.

Um pediatra que escapou do local disse à agência AFP que ouviu uma grande explosão na entrada do hospital, localizado em um bairro que já foi alvo de ataques do Estado Islâmico. "O hospital estava cheio de pacientes e médicos, houve pânico total", disse o médico.

Um vendedor que testemunhou o início do atentado disse à Reuters que os atiradores "estavam atirando em qualquer um no hospital sem motivo. É um hospital do governo, e muitas pessoas trazem suas mulheres e crianças para tratamento".

Os atiradores foram mortos pelas forças de segurança, segundo a imprensa internacional.

Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos, Turquia, Paquistão e outros países divulgaram comunicados condenando os atos de violência. A Anistia Internacional também denunciou os ataques. "Os inadmissíveis crimes de guerra no Afeganistão hoje... devem despertar o mundo para os horrores que civis continuam a sofrer", disse a organização.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, descreveu o ataque ao hospital como "puro mal" e "inconcebível". Em comunicado, ele pediu que o governo do Afeganistão e o Talibã trabalhem em cooperação para "levar os criminosos à justiça".

Ataque em funeral

Sobreviventes disseram que milhares de pessoas estavam reunidas para o funeral de um comandante nesta terça-feira quando uma bomba foi detonada em ataque suicida, na província de Nangarhar, leste do país. Segundo a Al Jazeera, o funeral era de um comandante de uma milícia pró-governo local e ex-senhor de guerra que morreu de ataque cardíaco.

O Ministério do Interior informou que 24 pessoas morreram e 68 ficaram feridas no ataque.

O Estado Islâmico afirmou que estava por trás do ataque contra o funeral, segundo a BBC. O serviço de inteligência do Afeganistão disse em comunicado na segunda-feira que prendeu um líder do Estado Islâmico na região.

A região do hospital em Cabul, um bairro xiita que abriga muitos membros da minoria Hazara, já sofreu ataques similares atribuídos ao Estados Islâmico no passado.

O Afeganistão também continua enfrentando atos de violência cometidos pelo Talibã, enquanto os Estados Unidos tentam estabelecer negociações de paz com o grupo militante. Em fevereiro, os EUA e o Talibã assinaram um acordo para a retirada das tropas americanas do país em um prazo de 14 meses, após quase 20 anos de guerra.

O Talibã diz que está reduzindo os ataques em centros urbanos e focando em operações contra forças de segurança do governo afegão.

Um porta-voz do Talibã, Zabiullah Mujahid, divulgou um comunicado dizendo que o grupo "condena veementemente" os dois ataques que mataram civis, acusando o Estado Islâmico pelos atos e criticando a "declaração de guerra" do governo de Ghani contra o Talibã.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.