Um suicida explodiu o próprio carro, neste domingo, do lado de fora dos escritórios do governo em uma província no oeste da capital iraquiana, matando 17 pessoas, incluindo mulheres e idosos que esperaram para receber seus cheques da previdência, disseram oficiais.

Seis policiais também estavam entre os mortos, segundo oficiais da polícia e de um hospital, que falaram em condição de anonimato, por não serem autorizados a falar com a imprensa.

Pelo menos 23 pessoas ficaram feridas na explosão deste domingo fora de Ramadi, segundo os oficiais. "Nós corremos para fora do complexo dos escritórios e vimos diversos mortos e feridos nas ruas, disse o vice-governador de Anbar, Saadoun Obeid, que estava no escritório durante a explosão. "Vi duas mulheres mortas cujos corpos estavam queimados".

Obeid disse que o congestionamento de veículos impediu que o suicida conduzisse o veículo para a frente do portão. Testemunhas afirmaram que o carro explodiu a cerca de 200 metros do complexo, criando cratera de diversos metros de largura.

Oficiais imediatamente culparam a Al-Qaeda pelo ataque.

A polícia encontrou uma segunda bomba perto de um estacionamento de veículos minutos depois, mas, segundo os policiais, o artefato foi detonado em uma área segura.

O complexo de escritórios em Ramadi, 115 quilômetros a oeste de Bagdá, também é base do quartel da política e do escritório do governador. O presidente do conselho de Anbar, Jasim Mohammed al-Halbusi, diz que a contagem de mortes é menor, estimando oito mortos e 12 feridos, mas diz que o número de mortes deverá aumentar, pois diversos feridos estavam em condições críticas. Obeid diz que cerca de 57 pessoas estavam feridas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]