Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Jovem de 18 anos armado com um rifle efetuou disparos no estacionamento e dentro de supermercado e depois foi preso
Jovem de 18 anos armado com um rifle efetuou disparos no estacionamento e dentro de supermercado e depois foi preso| Foto: EFE/EPA/BRANDON WATSON

Payton Gendron, o jovem de 18 anos que baleou 13 pessoas com um rifle em um supermercado em Buffalo, no estado americano de Nova York, matando dez dessas vítimas, foi preso por fazer ameaças e submetido a uma avaliação mental no ano passado, mas foi liberado após apenas um dia e meio sob custódia.

Segundo a agência Reuters, informações divulgadas pela polícia de Buffalo apontam que policiais estaduais atenderam uma ocorrência numa escola na cidade natal de Gendron, Conklin, também em Nova York, em 8 de junho de 2021. O então estudante de 17 anos teria feito “declarações ameaçadoras”.

O Wall Street Journal acrescentou que Gendron escreveu que planejava realizar um ataque a tiros em massa. Ele foi detido e submetido a uma avaliação de saúde mental em um hospital. Depois, foi liberado sem ser acusado criminalmente.

As autoridades americanas consideram o atentado em Buffalo como um “crime de ódio com motivação racial direta”. O atirador transmitiu o ataque ao vivo pela internet e teria postado um manifesto online. Ele teria escolhido o supermercado por estar localizado em um bairro de população predominantemente negra de Buffalo. Dos 13 baleados por Gendron, 11 são negros e dois brancos.

A governadora de Nova York, Kathy Hochul, disse à ABC News que está sendo feita uma investigação para apurar o que poderia ter sido feito para impedir Gendron, já que ele teria manifestado opiniões racistas na internet e estava no radar das autoridades.

Gendron, que se rendeu após o ataque de sábado (14) em Buffalo e está preso, foi indiciado por assassinato em primeiro grau e pode ser condenado à prisão perpétua sem direito a liberdade condicional.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]