i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Política da Cidade do México

Biden deve derrubar política que impede financiamento dos EUA a abortos pelo mundo

  • PorAlexandra Desanctis
  • National Review
  • 21/01/2021 21:22
O presidente dos EUA, Joe Biden, fala sobre o combate à Covid-19 antes de assinar ordens na Casa Branca, 21 de janeiro
O presidente dos EUA, Joe Biden, fala sobre o combate à Covid-19 antes de assinar ordens na Casa Branca, 21 de janeiro| Foto: MANDEL NGAN / AFP

Segundo relatos, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em breve emitirá uma ordem executiva que reverterá a política da Cidade do México, que atualmente impede que dinheiro de assistência dos EUA financie grupos que realizam ou promovem aborto em todo o mundo.

Durante as primárias presidenciais do Partido Democrata, a campanha de Biden prometeu que, se eleito, ele seguiria os antecessores do seu partido e revogaria a política, garantindo que a ajuda global dos EUA pudesse mais uma vez financiar os abortos.

Na coletiva de imprensa de ontem após a posse, um repórter perguntou à secretária de imprensa de Biden, Jen Psaki, sobre o futuro da política. Psaki respondeu que Biden é "um católico devoto" e acrescentou: "Não tenho mais nada para lhe falar sobre isso."

Mas nesta manhã, falando à Organização Mundial da Saúde, o Dr. Anthony Fauci, epidemiologista do governo americano, anunciou que Biden "irá revogar a política da Cidade do México nos próximos dias".

"Será nossa política apoiar os direitos reprodutivos e de saúde sexual de mulheres e meninas nos Estados Unidos, assim como globalmente", disse Fauci ao quadro executivo da OMS.

A política da Cidade do México foi instituída pela primeira vez pelo presidente Ronald Reagan e, desde o seu governo, a política tem sido cancelada ou retomada, dependendo do partido político do ocupante da Casa Branca. Em cada administração democrata, a política foi revogada, para depois ser reinstaurada quando um governo republicano assumia.

Sob o presidente Donald Trump, a política da Cidade do México foi expandida para incluir não apenas os fundos de planejamento familiar distribuídos pelo Departamento de Estado e pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, mas também toda a assistência de saúde estrangeira fornecida por agências governamentais, incluindo o Escritório de Coordenação Global da AIDS dos EUA e o Departamento de Defesa. Essa nova política, chamada "Protegendo a Vida na Assistência à Saúde Global", aumentou o valor coberto por financiamento dos EUA de cerca de US$ 600 milhões para quase US$ 9 bilhões.

Os defensores do aborto nos EUA há muito tempo se opõem à política da Cidade do México; A Planned Parenthood, por exemplo, se refere a ela de forma depreciativa como a "regra da mordaça global". Mas a grande maioria dos americanos tende a se opor ao financiamento dos EUA para o aborto no exterior. Uma pesquisa de 2017 revelou que 83% dos entrevistados, incluindo quase 40% dos eleitores de Hillary Clinton, disseram que se opõem ao financiamento federal para abortos pelo mundo.

A escolha de Biden de reverter esta política certamente deixará sua base satisfeita - se para ele sua base consiste em funcionários da Planned Parenthood. Mas a decisão parece estar em desacordo com a maioria dos democratas, 70% dos quais disseram em 2017 que se opõem ao financiamento pelo contribuinte do aborto em todo o mundo.

©2021 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.