• 10/10/2019 11:49
Protestos continuam

Governo do Equador anuncia diálogo, mas indígenas negam que haja negociação

  • 10/10/2019 11:49
    • Gazeta do Povo, com Estadão Conteúdo
    Protesto no Equador
    Manifestantes marcham contra o presidente Lenin Moreno, em Quito, Equador| Foto: Rodrigo BUENDIA/AFP

    Em meio a mega protestos contra o governo em várias cidades do Equador, a ministra de governo, María Paula Romo, disse que continuam "as mesas de diálogo" instaladas em Quito com as organizações indígenas, tendo as Nações Unidas (ONU) e as universidades como mediadoras.

    A Confederação Nacional Indígena do Equador (Conaie), porém, negou que esteja dialogando com o governo e informou que as mobilizações continuarão. "Esclarecemos a nossas bases e à cidadania de que não negociamos ou chegamos a um acordo com este governo repressivo e criminal", afirmou Jaime Vargas, presidente da organização.

    As propostas inciais apresentadas pelo governo de Lenín Moreno não incluem a revogação das austeras medidas econômicas anunciadas na semana passada, que dobraram o preço da gasolina e do diesel no país e desencadearam as manifestações massivas. O movimento indígena diz que não vai abrir mão desta exigência.

    Esta quinta-feira é o oitavo dia de protesto. Ao menos 700 manifestantes foram presos, acusados de vandalismo. A Conaie acusa o governo de atuar como uma ditadura militar ao reprimir os protestos. Na noite de terça-feira, o presidente decretou toque de recolher em alguns bairros de Quito que abrigam prédios públicos, depois de um grupo de manifestantes ter invadido a Assembleia Nacional.

    Tudo sobre:

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.