• 24/11/2020 10:00
Vaticano e China

Papa reconhece que uigures são perseguidos

  • 24/11/2020 10:00
    • Gazeta do Povo
    papa uigures
    Papa Francisco reconheceu que uigures são um povo perseguido| Foto: Filippo MONTEFORTE/AFP

    Em seu novo livro, lançado nesta segunda-feira (23), o papa Francisco se referiu à minoria muçulmana uigur que vive na China como um povo perseguido. É a primeira vez que o pontífice reconhece a situação dos uigures na China, mesmo sendo pressionado há anos por ativistas de direitos humanos a fazê-lo. Oficialmente o Vaticano nunca se pronunciou a respeito dos campos de concentração que o governo chinês mantém na província de Xinjiang, onde mais de um milhão de uigures já foram detidos.

    "Penso muito nos povos perseguidos: os rohingya, os pobres uigures, os yazidis – o que o Daesh fez com eles foi muito cruel – ou os cristãos no Egito e no Paquistão, mortos por bombas detonadas enquanto rezavam na igreja", afirma Francisco no livro intitulado "Vamos sonhar juntos", que começará a ser vendido em 1º de dezembro.

    Analistas afirmam que o papa estava evitando comentar sobre a situação dos uigures porque estava em processo de negociação com Pequim sobre um acordo para a nomeação dos bispos que atuam na China. Este acordo provisório, firmado em 2018, foi renovado por mais dois anos em 22 de outubro, mantendo o reconhecimento de que os bispos nomeados na China devem ter a aprovação do Partido Comunista Chinês e do Vaticano.

    Tudo sobre:

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.