i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
estados unidos

Carolina do Sul aprova retirada de bandeira confederada

    • são paulo
    • Folhapress
    • 06/07/2015 22:00
    Bandeira confederada em Columbia, capital da Carolina do Sul. | Jason Miczek / Reuters
    Bandeira confederada em Columbia, capital da Carolina do Sul.| Foto: Jason Miczek / Reuters

    O Senado da Carolina do Sul aprovou ontem a retirada da bandeira dos Estados Confederados da América do mastro da frente do prédio do Congresso do estado do sul dos Estados Unidos.

    Símbolo dos estados que mantinham a escravidão durante a Guerra de Secessão (1861-1865), a bandeira é considerada racista por ter ficado associada a grupos de supremacia branca como a Ku Klux Klan.

    O debate voltou à tona há três semanas, quando Dylann Roof, de 21 anos, matou nove negros em uma igreja em Charleston. Em manifesto na internet, o jovem posou com uma bandeira confederada e apareceu queimando uma bandeira dos Estados Unidos.

    A retirada foi aprovada com 37 votos a favor e três contrários. A medida ainda terá de passar por nova votação na Casa antes de seguir para a Câmara dos Representantes do estado. Não há previsão de data para as demais etapas do processo.

    Antes da votação definitiva, os senadores rejeitaram emendas que deixavam a lei menos dura. Um projeto, por exemplo, permitia que a bandeira fosse hasteada no Dia da Memória dos Confederados, que é em 10 de maio no estado.

    A previsão é que a bandeira confederada que hoje está em frente ao prédio do Legislativo estadual seja levada ao Museu Militar e de Relíquias Confederadas do Estado se a lei for aprovada.

    Protestos

    Do lado de fora do Congresso, na capital Columbia, a votação era esperada por grupos favoráveis e contrários à bandeira confederada. A polícia precisou intervir em um confronto entre ativistas negros e pessoas favoráveis ao símbolo.

    Os manifestantes defensores da rejeição da lei carregavam diversas bandeiras confederadas. Alguns deles pediam o veto da governadora Nikki Haley e chamavam de “racista” a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor.

    Antes do ataque de Dylann Roof, a bandeira não era objeto de debate na Carolina do Sul. O primeiro projeto pedindo a retirada foi feito na década de 1990, mas foi arquivado sem passar por votação.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.