Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Bandeira confederada em Columbia, capital da Carolina do Sul. | Jason Miczek / Reuters
Bandeira confederada em Columbia, capital da Carolina do Sul.| Foto: Jason Miczek / Reuters

O Senado da Carolina do Sul aprovou ontem a retirada da bandeira dos Estados Confederados da América do mastro da frente do prédio do Congresso do estado do sul dos Estados Unidos.

Símbolo dos estados que mantinham a escravidão durante a Guerra de Secessão (1861-1865), a bandeira é considerada racista por ter ficado associada a grupos de supremacia branca como a Ku Klux Klan.

O debate voltou à tona há três semanas, quando Dylann Roof, de 21 anos, matou nove negros em uma igreja em Charleston. Em manifesto na internet, o jovem posou com uma bandeira confederada e apareceu queimando uma bandeira dos Estados Unidos.

A retirada foi aprovada com 37 votos a favor e três contrários. A medida ainda terá de passar por nova votação na Casa antes de seguir para a Câmara dos Representantes do estado. Não há previsão de data para as demais etapas do processo.

Antes da votação definitiva, os senadores rejeitaram emendas que deixavam a lei menos dura. Um projeto, por exemplo, permitia que a bandeira fosse hasteada no Dia da Memória dos Confederados, que é em 10 de maio no estado.

A previsão é que a bandeira confederada que hoje está em frente ao prédio do Legislativo estadual seja levada ao Museu Militar e de Relíquias Confederadas do Estado se a lei for aprovada.

Protestos

Do lado de fora do Congresso, na capital Columbia, a votação era esperada por grupos favoráveis e contrários à bandeira confederada. A polícia precisou intervir em um confronto entre ativistas negros e pessoas favoráveis ao símbolo.

Os manifestantes defensores da rejeição da lei carregavam diversas bandeiras confederadas. Alguns deles pediam o veto da governadora Nikki Haley e chamavam de “racista” a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor.

Antes do ataque de Dylann Roof, a bandeira não era objeto de debate na Carolina do Sul. O primeiro projeto pedindo a retirada foi feito na década de 1990, mas foi arquivado sem passar por votação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]