Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Foto de arquivo tirada em 23 de abril de 2019 mostra marinheiros chineses de pé no convés do novo destróier de mísseis guia tipo 055 Nanchang da Marinha do Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA). Imagem ilustrativa.
Foto de arquivo tirada em 23 de abril de 2019 mostra marinheiros chineses de pé no convés do novo destróier de mísseis guia tipo 055 Nanchang da Marinha do Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA). Imagem ilustrativa.| Foto: Mark Schiefelbein / POOL / AFP

Tentando preservar um verniz de legitimidade democrática, o governo chinês passa pelo teatro político de uma reunião do Congresso para carimbo todo mês de março.

Como parte do processo, Pequim divulga o valor que será gasto em suas forças armadas durante o ano. O ano fiscal chinês vai de 1º de janeiro a 31 de dezembro, mas Pequim divulga seus números do orçamento de defesa em março, alguns meses depois do início do ano fiscal.

Este mês, os chineses anunciaram que seu orçamento de defesa para 2021 será de US$ 1,35 trilhão de yuans, um aumento de 6,8% em relação ao orçamento de 2020. Isso se soma a um orçamento que cresceu 6,6% e 7,5% nos últimos dois anos e teve um crescimento recente consistente.

Isso reflete a extraordinária importância que o Partido Comunista Chinês atribuiu à modernização e ao aumento da capacidade, aptidão e prontidão do Exército de Libertação Popular. Na última década, o orçamento de defesa relatado de Pequim mais que dobrou, de cerca de 600 bilhões de yuans em 2011 para 1,35 trilhão de yuans em 2021.

É importante notar que estes são apenas os números relatados, refletindo o que o Partido Comunista Chinês quer que o mundo acredite sobre seu orçamento de defesa, não uma imagem completa nem transparente.

Como mostrou uma pesquisa da Heritage Foundation, há grandes desafios em se obter uma imagem completa do orçamento de defesa chinês e convertê-lo em dólares.

Apenas um deles, que os analistas enfrentam ao fazer comparações orçamentárias, é que o Partido Comunista Chinês rotineiramente omite algumas categorias importantes de despesas de seu orçamento de defesa que na maioria das outras nações são considerados partes fundamentais do orçamento de defesa - principalmente, seus gastos com pesquisa e desenvolvimento.

Também não inclui a Polícia Armada Popular, uma força estimada entre 400 mil e 800 mil e diretamente subordinada à Comissão Militar Central desde 2018.

Convertendo yuans em dólares

Além disso, existe o desafio inerente de compreender o orçamento de defesa chinês no contexto dos gastos mundiais; isto é, convertendo yuans em dólares.

Os desinformados serão tentados a simplesmente converter o número em dólares usando uma taxa de câmbio de mercado e, assim, chegar a um resultado próximo a US$ 200 bilhões.

As taxas de câmbio do mercado podem ser úteis para entender o custo relativo das mercadorias que viajam entre os países, mas as taxas de câmbio são ferramentas ruins para comparar as compras feitas localmente na moeda local sem muita pressão de um mercado global, como é o caso da maioria dos bens e serviços comprados com o orçamento de defesa de um país.

Para isso, o índice de paridade do poder de compra - um índice que mede até onde o dólar pode ir em um país - fornece uma imagem mais precisa.

Apenas mover o método de conversão da taxa de câmbio do mercado para o índice de paridade do poder de compra, uma métrica estabelecida internacionalmente, muda o orçamento de defesa informado pela China em 50%, para US$ 321 bilhões, em oposição aos amplamente divulgados US$ 208 bilhões.

Mais importante do que o método de conversão que traz mais clareza ao debate são as informações que podemos colher do orçamento de defesa anunciado.

A mensagem enviada ao mundo pelos comunistas é clara: o Exército de Libertação do Povo vai continuar sua expansão.

Enquanto isso, há muita especulação de que o próximo orçamento de defesa dos Estados Unidos (2022) será mantido estável no nível de 2021, resultando em uma perda de cerca de US$ 15 bilhões em poder de compra devido à inflação. É uma reação curiosa de uma liderança política que professa fazer do combate à expansão da China uma prioridade.

Os chineses têm tentado recuperar o atraso, tentando igualar nossas capacidades militares, e orçamento anunciado por eles recentemente é um bom lembrete de seu progresso e de seus planos.

Não devemos tornar isso mais fácil para eles. Devemos continuar investindo adequadamente em nossa defesa nacional.

Frederico Bartels é analista de política para orçamento de defesa no Instituto Davis de Segurança Nacional e Política Externa da Heritage Foundation.

©2021 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]