i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
execuções

China avalia derrubar pena de morte para alguns crimes

A análise da medida ocorre em um momento no qual a Justiça chinesa busca a limitar a aplicação da pena de morte em um país que, segundo estimativas de grupos de defesa dos Direitos Humanos, executa mais prisioneiros do que todas as outras nações junt

  • Poragência estado
  • 23/08/2010 16:21

A Assembleia Popular da China avaliará ainda esta semana uma emenda ao Código Penal do país segundo a qual 13 dos 68 crimes passíveis da pena de morte em território chinês passarão a ser punidos de outras formas, informou nesta segunda-feira (23) a agência de notícias Nova China.

Os 13 crimes em questão são todos contra a ordem econômica. A emenda, que será avaliada pela comissão permanente da Assembleia Popular (Poder Legislativo chinês), também prevê a proibição da aplicação da pena capital a réus com 75 anos ou mais, informa, por sua vez, a China News Service. Ainda não se sabe ao certo quando será realizada a votação final da emenda.

"Considerando-se a atual situação econômica e de desenvolvimento social (do país), a remoção adequada da (possibilidade de) pena de morte para alguns crimes não violentos contra a ordem econômica não afetarão negativamente a estabilidade social nem a segurança pública", declarou o legislador Li Shishi, citado pela agência estatal de notícias.

A análise da medida ocorre em um momento no qual a Justiça chinesa busca a limitar a aplicação da pena de morte em um país que, segundo estimativas de grupos de defesa dos Direitos Humanos, executa mais prisioneiros do que todas as outras nações juntas.

Execuções

A maior parte das execuções ocorridas na China ocorre como punição a crimes violentos, como homicídio e latrocínio (assalto seguido de morte), além de tráfico de entorpecentes, informou o Diário da China, em reportagem publicada no mês passado. Crimes de corrupção também são passíveis de pena de morte.

Ao longo dos últimos anos, a China têm adotado medidas para restringir a aplicação da pena de morte, inclusive a obrigatoriedade de todas as sentenças do gênero serem analisadas pela Suprema Corte antes de serem levadas a cabo.

Em relatório divulgado este ano, a Anistia Internacional divulgou cálculos segundo os quais "milhares" de pessoas condenadas à morte foram executadas na China em 2009. O número exato é desconhecido pelo fato de a China não divulgar estatísticas sobre o tema. O Irã, segundo colocado no ranking da Anistia, em 2009, executou pelo menos 388 pessoas no ano passado de acordo com a entidade. As informações são da Dow Jones.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.