i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Polêmica

Com nome de cocaína, bebida é retirada do mercado americano

Bebida energética não contém drogas, afirma a empresa

  • PorEFE/G1
  • 08/05/2007 16:05

A empresa fabricante de uma bebida energética chamada Cocaine decidiu retirar o produto do mercado dos Estados Unidos, em resposta à onda de críticas provocada por seu nome e sua estratégia publicitária.

A Redux Beverages anunciou na segunda-feira (7) que batizará a bebida com outro nome. A Administração de Alimentos e Drogas (FDA) do Governo americano decidiu no mês passado que sua campanha publicitária era ilegal.

O órgão que controla a venda de alimentos e remédios argumentou que a propaganda inclui frases como "cocaína líquida" e "aceleração imediata".

A empresa respondeu que a cocaine, vendida desde agosto do ano passado em dez estados norte-americanos, não contém nenhum tipo de droga e é só uma bebida energética.

"Nossas principais queixas eram o nome e a estratégia de comercialização, que fazia apologia do consumo de drogas ilegais", disse o procurador-geral do estado de Connecticut, Richard Blumenthal.

A FDA publicou em abril uma carta na qual alertava que a publicidade superava os limites legais. Segundo a entidade, Cocaine aparecia anunciada em seu site como um complemento dietético, mas ao mesmo tempo citava a definição de alguns de seus ingredientes, dizendo que servem para prevenir, tratar e curar doenças como ansiedade, depressão e transtornos obsessivo-compulsivos.

"Muitas bebidas energéticas do mercado são promovidas como suplementos de dieta porque dão muita energia", explicou James Kirby, fundador da Redux.

"Nossa bebida, como muitas outras, contém inositol, que serve para o tratamento de várias doenças. Mas nós não pretendíamos anunciar o produto como um remédio", acrescentou.

"Cocaine idealiza perigosamente o uso da droga", disse Blumenthal durante uma entrevista coletiva. "Apenas o nome do produto é um insulto a quem pretenda desencorajar o consumo ilegal de drogas", acrescentou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.