i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Conflito

Combates podem levar Líbia à guerra. Entenda o que está acontecendo

    • Agência Estado e Folhapress
    • 08/04/2019 21:52
    Forças aliadas ao governo provisório (GNA), reconhecido internacionalmente, na entrada para o aeroporto da capital, Trípoli. Foto: Mahmud Turkia / AFP
    Forças aliadas ao governo provisório (GNA), reconhecido internacionalmente, na entrada para o aeroporto da capital, Trípoli. Foto: Mahmud Turkia / AFP| Foto:

    Quase cinco anos depois do conflito civil que assolou a Líbia com a queda do ditador Muamar Kadafi, o país está novamente à beira da guerra. As milícias aliadas aos dois governos que disputam o controle do país se envolveram em violentos combates nos últimos dias, com bombardeios de ambos os lados. A comunidade internacional instou as partes a chegarem a um cessar-fogo e alertou para os riscos de uma nova e sangrenta guerra civil.

    Neste domingo, 7, o Exército Nacional Líbio (ENL), liderado pelo general Khalifa Haftar, que controla o leste da Líbia, bombardeou pela primeira vez a periferia de Trípoli, sede do Governo de União Nacional (GNA), reconhecido pela comunidade internacional, como parte de uma "contraofensiva". No sábado, os rebeldes do ENL haviam sido alvo de bombardeios do GNA. Os soldados de Haftar avançam em direção à capital, para tentar tomar o poder.

    Em resposta à escalada de tensões, a missão da ONU na Líbia pede uma trégua para permitir a retirada de feridos e civis. No entanto, o apelo para uma trégua de duas horas nos subúrbios de Trípoli não teve sucesso.

    Os dois campos rivais ignoraram o apelo, porém, e os serviços de emergência confirmaram que não conseguiram entrar na zona dos combates, ao sul de Trípoli, em particular em Wadi Rabi e no perímetro do aeroporto internacional.

    O número de mortos no conflito nos arredores da cidade subiu para 54 --19 do lado dos rebeldes e 35 do lado do governo provisório (incluindo militares e civis).

    Não há informação de vítimas no ataque ao aeroporto, o único que ainda estava em funcionamento na região da capital

    Neste domingo, autoridades militares dos EUA disseram que as forças americanas deixarão a Líbia.

    Transição após queda de Kadafi

    O processo político de transição iniciado depois da queda de Kadafi, em 2011, foi abandonado em 2014, na época em que Haftar declarou sua intenção de tomar o poder. Quando o país se esfacelou em uma guerra civil, as Nações Unidas, com o apoio dos Estados Unidos e de outros governos ocidentais, tentaram resolver o conflito criando um governo de união sediado em Trípoli.

    Sem Forças Armadas, o governo de Trípoli dependia para sua segurança de um conjunto desunido de milícias locais. Mas o governo paralelo de Haftar criou certa estabilidade. Surgiu então um equilíbrio entre o governo de Trípoli, no oeste, e o do general, no leste. O Banco Central de Trípoli continua a pagar os salários dos servidores públicos na região controlada por Haftar, o que inclui seus soldados, e Haftar permitiu que o governo de Trípoli vendesse petróleo embarcado em portos que ele controla.

    Esse equilíbrio se desfez dois meses atrás quando as forças de Haftar avançaram para o deserto no sul do país e tomaram o controle de um dos maiores campos de petróleo da Líbia, Sharara. Muitos analistas previram que era só questão de tempo para que ele avançasse contra a capital.

    Segundo testemunhas, o Exército Nacional Líbio (a milícia de Haftar) chegou a ficar a apenas 11 quilômetros do centro de Trípoli, mas as tropas governistas conseguiram afastar os rebeldes para uma posição mais distante.

    Ofensiva

    "Para Haftar, é tudo ou nada", disse ao New York Times Wolfram Lacher, que pesquisa sobre a Líbia no Instituto de Assuntos Internacionais e de Segurança, na Alemanha. "Ele busca tomar o poder e, se fracassar, será uma derrota devastadora."

    Para analistas, o avanço é uma tentativa de Haftar de fechar acordos com organizações armadas locais na área de Trípoli, como fez com sucesso em outras regiões.

    Até agora, seu avanço teve o efeito contrário: causou a união de milícias rivais na região de Trípoli, para frear o avanço dele. Líderes de milícias da cidade de Misrata, os mais poderosos rivais de Haftar, disseram estar mobilizando suas forças para avançar na direção de Trípoli e detê-lo.

    A ofensiva de Haftar pôs fim aos planos para negociações de paz que seriam conduzidas neste mês entre as facções rivais líbias. António Guterres, o secretário-geral da ONU, chegou a Trípoli para isso na quarta-feira. "Não existe solução militar. Só o diálogo entre os líbios poderá resolver os problemas", disse ele. EUA, Reino Unido, França, Itália e Emirados Árabes Unidos apelaram a "todas as partes que reduzam as tensões". O chanceler russo, Serguei Lavrov, pediu um "diálogo inclusivo". (Com agências internacionais).

    CRONOLOGIA

    2011  - Derrubada do ditador Muammar Kadafi em meio à Primavera Árabe

    2014  - Guerra civil divide país; general Haftar faz tentativa frustrada de golpe militar

    2015  - Acordo nacional com apoio da ONU instaura o GNA como governo provisório em Trípoli

    2017  - Haftar toma a cidade de Benghazi e consolida domínio sobre o leste da Líbia

    2019 Fevereiro - Milícia de Haftar avança sobre deserto ao sul do país e domina campo de petróleo El Sharara

    2019 Abril - Rebeldes avançam contra a capital, Trípoli

    1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 1 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • C

      CARLOS FELIX

      ± 0 minutos

      Os beduínos gostam de derramar sangue.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso