i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Diálogo

Coreia do Sul, China e EUA se unem para aliviar tensões com a Coreia do Norte

Países asiáticos concordaram em deixar disputas de lado para avançar nas negociações com governo de Kim Jong-un

    • Pequim
    • Estadão Conteúdo
    • 13/12/2017 13:24
    O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un: governos dos EUA, China e Coreia do Sul buscam negociação com ele | -AFP
    O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un: governos dos EUA, China e Coreia do Sul buscam negociação com ele| Foto: -AFP

    Coreia do Sul, China e Estados Unidos sinalizaram uma nova tentativa de diálogo para ajudar a aliviar as tensões sobre o programa nuclear da Coreia do Norte. O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, chegou a Pequim nesta quarta-feira para uma visita oficial, com o objetivo de reparar os laços bilaterais. 

    A viagem de quatro dias de Moon Jae-in começou horas depois de Washington indicar disposição em retomar as conversas com Pyongyang sem estabelecer precondições - uma posição mais suave que poderia ajudar a unir os vizinhos da Coreia do Norte para lidar com o país.

    As relações entre China e Coreia do Sul amargaram nesse ano, conforme Pequim reagiu mal ao desenvolvimento de um programa de testes de mísseis de defesa americanos, numa disputa que dificultou os esforços para coordenar uma resposta da região contra o avanço da tecnologia nuclear e de mísseis balísticos da Coreia do Norte. 

    Ambos os lados concordaram, em outubro, em colocar as disputas de lado, abrindo espaço para a primeira visita da Moon Jae-in à China desde que assumiu a presidência, em maio. Na quinta-feira, ele deve se encontrar com o presidente chinês Xi Jinping.

    "China e Coreia do Sul compartilham interesses comuns e posições similares em desnuclearizar a Península da Coreia por meio de diálogo e negociação", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, nesta terça-feira.

    Para Pequim, laços mais amigáveis com Seul fortalecem sua capacidade de levar Washington a aceitar as propostas da China de ter uma conversa direta com Pyongyang, disse Cheng Xiaohe, professor na Universidade Renmin, em Pequim.

    Com o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, abrindo as portas para negociações com a Coreia do Norte, "há um afrouxamento de posições" que dá ao encontro de Xi e Moon uma oportunidade de "discutir como sustentar esse momento em direção a negociações", disse Cheng.

    As informações são da Dow Jones Newswires.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.