i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Liberdade religiosa em risco

Cristãos temem represálias após interferência da China em Hong Kong

  • PorAlessandra Bocchi
  • National Review
  • 13/07/2020 16:42
hong kong protestos
Jovens seguram folhas em branco durante protesto em shopping de Hong Kong contra a Lei de Segurança Nacional, promulgada pelo governo chinês no fim de junho| Foto: Isaac Lawrente/AFP

Os cristãos de Hong Kong estão temendo represálias do Partido Comunista da China. Uma lei de segurança nacional para a cidade foi aprovada em 30 de junho pelo Comitê Permanente da China, que passou por cima do legislativo de Hong Kong. Para o Partido Comunista da China, essa medida foi necessária para garantir a estabilidade após mais de um ano de protestos em Hong Kong. A nova lei, entretanto, põe fim à autonomia da região e à esperança de que as demandas dos manifestantes pró-democracia sejam atendidas em breve. Os cristãos que participaram das manifestações agora acreditam que serão alvos se não seguirem a linha do partido.

Na China continental, os cristãos que desafiam as tentativas do governo chinês de controlar suas igrejas enfrentam perseguição, prisão e detenção. Igrejas subterrâneas são destruídas e cruzes queimadas. As traduções da Bíblia precisam ser aprovadas pelo Partido Comunista da China e frequentemente são modificadas para atender às suas demandas. Em Hong Kong, no entanto, os cristãos desfrutavam de liberdade religiosa garantida pela autonomia política da região, que dava a seus cidadãos direitos básicos, incluindo liberdade de expressão e religião. Os cristãos, que são mais de 10% da população de Hong Kong, realizaram comícios pacíficos durante os protestos cantando hinos para afirmar sua fé. Milhares foram às ruas e muitos protestantes e católicos se uniram para defender uma causa comum com os manifestantes pró-democracia.

Agora a lei de segurança nacional em Hong Kong proíbe secessão, subversão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras. Esses termos são tão amplos que podem ser usados ​​arbitrariamente para proibir qualquer forma de dissidência. O que preocupa as minorias religiosas, e católicos e outros cristãos em particular, são as cláusulas da lei sobre conluio e subversão.

A cláusula de subversão efetivamente proíbe os cristãos de criticar o governo chinês. Antes da aprovação da medida de segurança nacional, muitos cristãos em Hong Kong haviam se manifestado contra injustiças na China continental. "Agora, muitos abstêm-se de expressar qualquer preocupação em relação a questões que podem ser definidas como 'segredos de estado'", disse uma advogada católica que trabalha em um órgão regulador financeiro e pediu anonimato, por medo de represálias.

A cláusula de conluio proíbe que os cristãos busquem apoio no exterior, incluindo a Santa Sé. Com o papa em Roma, a Igreja Católica é, por definição de Pequim, uma instituição estrangeira. "Essa medida pode ser facilmente usada para atacar e penalizar igrejas, especialmente a diocese católica que recebe instruções e diretivas do Vaticano", disse outro advogado católico em Hong Kong. "As igrejas podem ser ordenadas a fechar e seus bens podem ser confiscados se violarem a lei".

A pena máxima para quem violar a nova lei de segurança nacional é a prisão perpétua. A questão principal é que Hong Kong não tem poder para contrariar tais sentenças. Não há garantia de que os acusados ​​ou suspeitos de violar a lei não sejam extraditados para a China continental. Os procedimentos serão julgados sem um júri em Hong Kong. Portanto, em vez da lei de extradição proposta em 2019, a lei de segurança nacional pode simplesmente levar o governo da China a Hong Kong. Inspirada no sistema de leis comuns britânicas, a Lei Básica de Hong Kong garantia até então a liberdade de expressão e religião, mas a lei de segurança nacional passa por cima desses direitos.

Mudança de tom

O medo de represália já teve um efeito. Os líderes religiosos que já haviam apoiado os protestos de Hong Kong agora expressaram aprovação pela lei de segurança nacional. As principais denominações religiosas em Hong Kong foram convocadas para uma reunião no Gabinete de Ligação (órgão de Pequim estabelecido em Hong Kong) em junho, antes da implementação da lei, e depois expressaram apoio à medida. "Parece que eles são monitorados de perto pelo governo", contou um dos advogados católicos com quem conversei.

O cardeal Tong, administrador apostólico de Hong Kong, havia pedido ao governo da cidade que "ouvisse as vozes do povo" durante os protestos em 2019. Depois de participar da reunião em junho, no entanto, ele emitiu uma nota diferente e afirmou que a nova lei de segurança nacional "não ameaça a liberdade religiosa".

Resistência

Apenas alguns líderes cristãos continuaram a apoiar o movimento pró-democracia. O cardeal Joseph Zen, ex-bispo de Hong Kong, se manifestou contra a lei. Crítico de longa data do regime comunista da China por suas violações dos direitos humanos, ele disse estar preparado para enfrentar a prisão sob a lei de segurança nacional de Hong Kong. Alguns pastores cristãos também falaram bravamente contra a lei, como o presidente da Convenção Batista de Hong Kong. Porém, ele teria sido forçado a retirar suas declarações para proteger sua igreja.

Outros líderes cristãos decidiram expressar sua preocupação de uma maneira mais segura: o bispo auxiliar Joseph Ha, que já havia apoiado o movimento pró-democracia, absteve-se de criticar a nova lei em público. Em vez disso, ele exortou seus seguidores a carregar cruzes nas ruas.

Líderes

Muitos católicos em Hong Kong temem que o Vaticano esteja sendo influenciado pelo Partido Comunista Chinês. Em 2018, o Papa Francisco chegou a um acordo com o governo chinês para nomear os bispos na China continental. O acordo expira em setembro e as apostas são altas para o Vaticano continuar seu papel limitado na manutenção da fé católica com o Partido Comunista da China. Como resultado, o papa evitou mencionar suas preocupações sobre a liberdade religiosa em Hong Kong.

A executiva-chefe de Hong Kong, Carrie Lam, católica, foi escolhida com a expectativa de garantir a autonomia da região, mas tem apoiado firmemente Pequim na repressão aos protestos e aos dissidentes. Muitos católicos em Hong Kong estão decepcionados com a liderança dela. "Eu não a vejo mais como católica", disse um advogado católico em Hong Kong. "Ela terá que responder por suas ações quando o dia do julgamento chegar".

Com a Declaração Sino-Britânica de 1997, Hong Kong recebeu independência jurídica e a promessa de que poderia manter liberdades fundamentais após ser entregue à China, sob a política "um país, dois sistemas". Desde então, o Partido Comunista Chinês tenta exercer controle sobre a autonomia da região. Com a nova lei de segurança nacional, o regime da China venceu uma grande batalha. As restrições sob as quais os cristãos de Hong Kong podem praticar sua fé se assemelham cada vez mais às de seus correligionários que vivem na China continental.

© 2020 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • J

    Josmar José dos Santos Júnior

    ± 0 minutos

    ...e o Bergoglio!?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • V

      Val

      ± 1 horas

      Esperar o quê de um regime comunista? Comunismo sendo comunismo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • C

        Carmo Augusto Vicentini

        ± 6 horas

        Fujam de Hong Kong. Já vimos esse filme antes e ele não acaba bem.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • J

          João Carlos Carvalho

          ± 17 horas

          Os ingleses foram muito ingênuos em acreditar nos comunistas chineses ! Eu vi o que eles estão fazendo nos países do Sul da África !

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • M

            Maquiavel

            ± 20 horas

            Ou o mundo acaba com a China ou a chinesada comunista acabará com o mundo

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.