As overdoses ocorreram na casa de Ef Buck, em West Hollywood.
As overdoses ocorreram na casa de Ed Buck, em West Hollywood.| Foto: Wikipedia

O proeminente doador democrata e ativista LGBT Ed Buck está sendo acusado de administrar uma casa de drogas depois que três homens tiveram overdoses em sua casa em West Hollywood, na Califórnia, desde 2017. Dois deles morreram. Buck, 65 anos, também é acusado em documentos judiciais de ser um "predador sexual violento e perigoso" que visava homens "vulneráveis ​​ao vício e sem-teto", administrando-lhes grandes doses de narcóticos como parte de seus "fetiches sexuais". Os promotores dizem que ele continuou a injetar drogas em homens, mesmo após as duas mortes em sua casa, que ocorreram em julho de 2017 e janeiro de 2019.

"Continuo profundamente preocupada com a segurança das pessoas cujas circunstâncias de vida podem torná-las mais vulneráveis ​​a predadores criminosos", disse a promotora do condado de Los Angeles, Jackie Lacey, em comunicado.

Um advogado de Buck não respondeu imediatamente a um pedido de comentário na noite de terça-feira.

Ligação com os democratas

Buck, ex-modelo e ativista LGBT em Los Angeles, doou milhares aos democratas, incluindo Barack Obama, Hillary Clinton e o deputado Ted Lieu, da Califórnia. Lieu disse no início deste ano que doaria mais de US$ 18.000 em contribuições que recebeu de Buck para organizações LGBTQ e afro-americanas de direitos civis.

Até a morte do primeiro homem em sua casa em 2017, Buck atuou no comitê de direção do Stonewall Democratic Club e também concorreu ao Conselho Municipal de West Hollywood, informou a CBS Los Angeles.

Alguns ativistas começaram a exigir a prisão de Buck após a morte de dois homens negros em sua casa.

As mortes na casa de Buck

No primeiro caso, Gemmel Moore, 26 anos, morreu de overdose de metanfetamina no apartamento de Buck em julho de 2017. Ele foi encontrado nu em um colchão na sala de estar com seringas, brinquedos sexuais e outros apetrechos de drogas por perto, segundo documentos judiciais. A morte foi declarada acidental - mas a mãe de Moore, LaTisha Nixon, levantou dúvidas sobre a investigação depois de questionar se Buck teria administrado os medicamentos ao seu filho.

Em seu diário, informou o Los Angeles Times, Moore parecia escrever: "Eu me tornei viciado em drogas e o pior deles. Ed Buck é o único a agradecer. Ele me deu minha primeira injeção de metanfetamina".

Quase um ano após a morte de Moore, os promotores anunciaram que não tinham provas suficientes para registrar acusações contra Buck.

O segundo homem morreu em janeiro de 2019.

Timothy Dean, 55 anos, foi encontrado em circunstâncias surpreendentemente semelhantes: seminu, com as pernas apoiadas em um colchão da sala e o resto do corpo no chão. Como no caso de Moore, seringas, brinquedos sexuais e outros acessórios para drogas foram encontrados espalhados pela sala, disseram os promotores.

A indignação explodiu com a decisão anterior do Ministério Público do Condado de Los Angeles de recusar um processo contra Buck. Em seis semanas, 30.000 pessoas assinaram uma petição exigindo sua prisão, liderada pelo grupo ativista da justiça social Color of Change.

Nixon, a mãe de Moore, entrou com uma ação contra Buck e o promotor público, argumentando que Dean não teria morrido se Buck tivesse sido preso pela morte de seu filho. Ela acusou Buck de atacar homens negros e aliciá-los para forçá-los a encontros sexuais com drogas, enquanto eles estavam perigosamente intoxicados. E ela acusou os promotores por não terem investigado mais agressivamente Buck, porque ele era um homem branco rico e com conexões políticas, com vítimas negras vulneráveis.

Buck também não foi acusado pela morte de Dean. Seu advogado, Seymour Amster, insistiu repetidamente que Buck não tinha nada a ver com a morte de nenhum dos dois, argumentando que ambos foram acidentes trágicos.

A terceira vítima e o processo

Na terça-feira, porém, os promotores ecoaram as acusações de Nixon, dizendo que o "comportamento malévolo" de Buck levou diretamente à morte dos dois homens. Na moção para fixar sua fiança em US$ 4 milhões, os promotores descrevem um padrão de "atos predatórios", culminando com a overdose quase fatal da terceira vítima na semana passada.

"Usando a isca de narcóticos, dinheiro e abrigo, o réu atrai essas vítimas vulneráveis ​​para sua casa", escreveram os promotores. "De sua casa, em uma posição de poder, Buck manipula suas vítimas para participar de seus fetiches sexuais. Esses fetiches incluem o fornecimento e a administração pessoal de doses perigosas de narcóticos às vítimas".

No terceiro caso, os promotores dizem que Buck administrou uma dessas doses perigosas de metanfetamina a "Fulano" em 4 de setembro. A vítima deixou o apartamento de Buck para obter assistência médica, temendo que estivesse tendo uma overdose.

Mas ele voltou ao apartamento de Buck na semana seguinte, em 11 de setembro. Naquele dia, Buck injetou nele outra dose perigosa de metanfetamina, dizem os promotores. O homem teve uma overdose novamente - mas desta vez Buck "se recusou a prestar ajuda" e, em vez disso, "frustrou as tentativas de obter ajuda", de acordo com a moção.

O homem finalmente fugiu do apartamento de Buck para ligar para o 911 de um posto de gasolina próximo. Ele foi transportado para um hospital.

Os promotores disseram a Buck que "o escopo completo de seu comportamento malicioso consistente é desconhecido". Durante a investigação dos três incidentes, os promotores disseram que o Departamento do Xerife do Condado de Los Angeles encontrou centenas de fotos tiradas no apartamento de Buck "de homens em posições comprometedoras".

"É apenas uma questão de tempo até que outro desses jovens vulneráveis ​​morra de overdose", escreveram os promotores.

Buck deve ouvir as acusações nesta quarta-feira.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]