Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Protestos contra Maduro em 9 de março de 2019
Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, fala durante um protesto, em Caracas em 9 de março de 2019 | Foto: FEDERICO PARRA/AFP| Foto:

Falando de cima do capô de um carro e com um alto-falante, o presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, voltou a dizer que todas as opções estão sendo consideradas para derrubar o ditador Nicolás Maduro do poder, referindo-se à possibilidade de uma intervenção militar estrangeira na Venezuela.

"Temos avaliado todas as opções para alcançar os objetivos desse movimento... Todas as opções estão sobre a mesa e dizemos isso com responsabilidade", afirmou perante uma multidão reunida em uma grande avenida da capital Caracas neste sábado (9).

Milhares de pessoas em todo o país saíram as ruas hoje para protestar contra o regime, em meio ao mais longo e abrangente apagão da história recente da Venezuela. O discurso de Guaidó, no meio da tarde, pareceu improviso, mas se deu desta maneira devido à falta de energia e ao fato de que a polícia impediu, na madrugada de sábado, três apoiadores de Guaidó de montar o palco onde ele faria seu discurso.

O debate sobre uma intervenção militar ganhou fôlego há duas semanas, quando Guaidó havia mencionado esta possibilidade após o fracasso da entrega de ajuda humanitária na Venezuela. Os países do Grupo de Lima, que apoiam o presidente interino, entretanto, se mostraram contrários a esta opção, devido ao histórico violento de intervenções americanas na América Latina.

Leia também: Segunda noite de apagão: venezuelanos cozinham alimentos estocados para evitar perdas

Internamente, porém, está crescendo a pressão para que Guaidó solicite uma intervenção estrangeira no país. Um dos principais nomes da oposição venezuelana e que hoje vive no exílio, Antonio Ledezma, pediu, via Twitter, que o presidente interino solicite uma intervenção humanitária no país, apoiando-se em um artigo da própria Constituição da Venezuela, a fim de "deter o extermínio, genocídio e destruição do que resta do país. Antes que seja muito tarde".

Tal artigo em questão é o 187. Ele fala sobre as funções correspondentes à Assembleia Nacional. O item 11, especificamente, estabelece que o poder legislativo pode "autorizar o uso de missões militares venezuelanas no exterior ou estrangeiras no país".

"Quando chegar a hora, vamos ativar o artigo 187 da Constituição", disse Guaidó.

Mobilização

Em seu curto discurso, Guaidó também falou que é preciso que a população se mantenha mobilizada contra o regime. Ele anunciou uma grande marcha até a capital para que "toda a Venezuela esteja em Caracas", com data ainda indefinida.

"Eu entendo e compartilho a frustração que é sentida. Eu também perdi familiares por falta de medicamentos (…) Agora, não podemos ser vítimas do desespero", disse Guaidó, reconhecido como presidente pelo Brasil, Estados Unidos e mais de 50 países.

Ele também insistiu na importância da greve do setor público para que "cesse a usurpação". Na terça-feira (5), ele se reuniu com sindicatos e salientou que conta com o apoio da classe para suas próximas ações. O encontro, entretanto, teve pouca adesão.

Protestos

  • Protesto contra Maduro, em 9 de março, em Caracas, Venezuela | Foto: Cristian Hernandez/AFP
  • Juan Guaidó, presidente interino da Venezuela, chega a protesto contra Maduro, em 9 de março, em Caracas, Venezuela | Foto: RONALDO SCHEMIDT/AFP
  • Polícia de choque venezuelana bloqueia rua durante protesto contra Maduro, em Caracas, em 9 de março de 2019 | Foto: Matias DELACROIX/AFP
  • Protesto contra Maduro, em 9 de março, em Caracas, Venezuela | Foto: Matias DELACROIX/AFP
  • Protesto contra Maduro, em 9 de março, em Caracas, Venezuela | Foto: Matias DELACROIX/AFP
  • Manifestantes aplaudem a saída da polícia nacional, que estava bloqueando a passagem da marcha contra Maduro | Foto: Matias DELACROIX/AFP
  • Manifestante exibe um cartaz que diz "Bachelet, se você é neutra diante da injustiça, escolheu o lado do ditador", referindo-se à diretora do Conselho de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet | Foto: Matias DELACROIX/AFP
  • Guaidó sobe em um carro para falar com manifestantes | Foto: Federico Parra/AFP
  • Guaidó cumprimenta um manifestante | Foto: Cristian Hernandez/AFP
  • Apoiadora do presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, fala aos oficiais da Polícia Nacional Bolivariana durante um protesto em Caracas, em 9 de março de 2019 | Foto: RONALDO SCHEMIDT/AFP
  • Guaidó fala durante protesto em Caracas, em 9 de março| Foto: Cristian Hernandez / AFP
  • Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, fala durante um protesto, em Caracas em 9 de março de 2019 | Foto: FEDERICO PARRA/AFP
  • Protesto contra Maduro, em 9 de março, em Caracas, Venezuela | Foto: RONALDO SCHEMIDT / AFP
  • Protesto contra Maduro, em 9 de março, em Caracas, Venezuela | Foto: RONALDO SCHEMIDT / AFP
  • Protesto contra Maduro, em 9 de março, em Caracas, Venezuela | Foto: YURI CORTEZ / AFP
  • Guaidó fala durante protesto contra Maduro, em 9 de março, em Caracas, Venezuela | Foto: Federico Parra/AFP
  • Guaidó fala durante protesto contra Maduro, em 9 de março, em Caracas, Venezuela | Foto: RONALDO SCHEMIDT/AFP
  • Guaidó fala durante protesto contra Maduro, em 9 de março, em Caracas, Venezuela | Foto: Federico Parra/AFP
  • Venezuelanos vão às ruas em apoio ao presidente interino Juan Guaidó. Crédito: Federico Parra/AFP

Apoiadores de Guaidó e Maduro foram às ruas do país neste sábado. As manifestações começaram por volta das 11 horas de Brasília (10 horas no horário no local) e foram pacíficas.

No início da manhã, porém, em uma avenida da capital Caracas, os manifestantes que esperavam pelo presidente interino entraram em conflito com autoridades policiais. Gás de pimenta foi lançado contra eles. Algumas pessoas passaram mal e outras empurraram os agentes da Polícia Nacional Bolivariana. Gritos de assassinos também foram entoados contra a tropa de choque. A tensão posteriormente se dissipou.

Leia também: Por que Nicolás Maduro ainda está no poder?

Na manifestação pró-regime, falando sobre o apagão que atingiu quase todo o país, Maduro disse que o processo de reconexão do sistema elétrico nacional "deve ser definitivo" e estará "estável nas próximas horas". Ele também afirmou que vai garantir o "abastecimento dos produtos que o povo necessita", referindo-se aos alimentos subsidiados oferecidos nos Comitês Locais de Abastecimento e Produção (CLAP), assistência médica e distribuição de água.

O presidente da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello, número dois do chavismo, se referiu ao fato de que o regime não prendeu Guaidó quando o presidente interino voltou à Venezuela, após ter deixado o país mesmo estando proibido pela justiça.

"Nós não colocamos Guaidó na cadeia... é a Justiça que vai cuidar disso; temos um caminho muito claro e a investigação está aberta. Não vamos cair no jogo da oposição", afirmou Cabello.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]