i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
vladimir putin

Eleições na Rússia: por que o maior antagonista do ocidente continuará no poder

As eleições do país ocorrem neste domingo (18) e é muito improvável imaginar que, no dia 7 de maio de 2018, Vladimir Putin não iniciará seu quarto mandato como presidente. Compreenda as circunstâncias de sua chegada ao poder e suas ideias do que é, e como deve ser, o Estado russo

  • PorFilipe Figueiredo
  • especial para a Gazeta do Povo
  • 13/03/2018 18:59
Exibição em museu de Moscou em dezembro de 2017: o “Super Putin” | YURI KADOBNOV
AFP
Exibição em museu de Moscou em dezembro de 2017: o “Super Putin”| Foto: YURI KADOBNOV AFP

Em 18 de março de 2018 ocorrem as eleições presidenciais na Rússia. Sete homens e uma mulher disputam um dos cargos mais poderosos do mundo, com grandes chances de ser ocupado pela quarta vez pelo mesmo nome: Vladimir Putin, o homem forte do país nos últimos dezoito anos. Presidente em quatorze deles, em outros quatro no posto de Primeiro-ministro durante a presidência de seu aliado e atual Primeiro-ministro Dmitri Medvedev. Uma eminência parda, mantendo grande influência nos rumos da Rússia, enquanto cumpria os requisitos legais de alternância da presidência, que permite apenas uma reeleição. Além de mandatário russo, Putin é uma das principais lideranças mundiais, com enorme peso em importantes eventos da última década, inclusive em relação ao Brasil. 

Putin foi Presidente da Federação Russa entre 2000 e 2008, em dois mandatos de quatro anos cada, e também ocupa o cargo desde 2012. No atual formato, o mandato é de seis anos, após mudança legislativa realizada em 2008. Ele é frequentemente retratado de forma superficial ou caricata na mídia. Sua imagem cultivada com fotos exibindo feitos esportivos ou físicos contribuem para isso. Fora pilotar carros de Fórmula 1, jatos de combate, dentre outros, talvez seja o líder mundial que mais se viu descamisado. 

Também é por vezes apresentado como mera atualização do “perigo vermelho”, resíduo ideológico da Guerra Fria, que vê em Putin um russo expansionista e belicoso aos moldes de um vilão de filme de 007. Nesse contexto, evoca-se seu currículo de dezesseis anos de serviço no Comitê de Segurança de Estado, o temido serviço de inteligência soviético conhecido pela sigla KGB. 

Putin deixou o órgão em 1991, para entrar na vida política; segundo versões, em protesto ao Golpe de Agosto da linha-dura soviética contra Gorbachev. A caricatura também pode ser panegírica, como amante dos animais, entusiasta de caninos, líder mundial e que salva jornalistas de tigres siberianos nas horas vagas

Em temas mais escusos, Putin é muitas vezes acusado de corrupção, especulado como um dos homens mais ricos do mundo, via terceiros, como seus amigos de juventude. A revista Time chega a cogitar que o presidente russo talvez seja o homem mais rico do mundo, com ações e participações em gigantescas empresas russas. Muitas dessas acusações foram feitas por Boris Nemtsov, que foi vice-primeiro-ministro no ano de 1998, na presidência de Boris Iéltsin, e elaborou um dossiê sobre Putin em 2008. 

Parte dessas denúncias envolvia fraudes ligadas aos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, realizados em Sochi, na Rússia. Algo que está também ligado a outro tema escuso sobre Putin: denúncias de crescente autoritarismo e do uso da violência contra opositores e delatores. A revista britânica The Economist, desde 2011, classifica o país como um regime autoritário. Nemtsov, dentre outros críticos, foi assassinado em 2015 em circunstâncias nunca esclarecidas. 

Leia também:  Rússia é suspeita de envenenar ex-espião. Mas será que Putin faria isso?

A ascensão: Chechênia e orgulho russo 

Acreditar que apenas uma imagem de machão, a corrupção ou o autoritarismo por si só explicam a força de Putin, dentro e fora da Rússia, é frívolo. É necessário compreender as circunstâncias de sua chegada ao poder, suas ideias e suas interpretações do que é, e como deve ser, a Rússia e o Estado russo. 

A ascensão de Putin ocorreu durante as guerras na Chechênia. 

A pequena república é uma das mais de oitenta entidades federais russas, uma das vinte e duas repúblicas, regiões teoricamente autônomas em temas internos que representam uma minoria étnica; embora subordinadas à Moscou em alguns assuntos de economia, além de defesa e representação internacional. 

Em 1991, após a dissolução da União Soviética e o conturbado período que se seguiu imediatamente, a República Chechena da Ichkeria declarou independência. O que não foi aceito por Moscou que, após tentativas de negociação, interveio com o uso da força em 1994. No último censo soviético, realizado em 1989, a Chechênia tinha uma população de cerca de um milhão e duzentas mil pessoas; um quinto eram russos, outro quinto representava a soma de outros grupos e três quintos eram chechenos, uma população ciscaucasiana de cultura clânica e de maioria muçulmana sunita. 

Pela Chechênia passava importante gasoduto que saía de Baku, no Azerbaijão, a linha Baku-Novorossiysk, além de importante oleoduto vindo do Daguestão, ambos frutos da exploração do Mar Cáspio, uma das regiões mais ricas em hidrocarbonetos do mundo. O trajeto do gasoduto foi alterado após o conflito. A intervenção federal russa de 1994 soava como tarefa tranquila, mera submissão de um movimento rebelde. 

Após vinte meses de guerra, dez mil militares mortos, dezenas de milhares feridos, além de centenas de milhares de civis mortos ou deslocados, a Federação Russa, sucessora da poderosa máquina de guerra soviética, foi obrigada a ir para a mesa de negociação com a pequena república. O resultado foi assombro mundial e pesadíssimo golpe no orgulho russo. 

Quando se fala em orgulho russo, não se deve reduzir apenas ao patriotismo dos russos e a imagem que façam de sua própria nação. De acordo com o próprio Vladimir Putin, a dissolução soviética legou um enorme problema para ser solucionado; mesmo em 2017, cerca de dezesseis milhões de russos vivem em países anteriormente parte da URSS, transformados em minoria étnica em um estalar de dedos. 

A negociação na Chechênia não mostrou apenas que a Rússia talvez não conseguisse manter todo seu gigantesco território, herança do império dos czares, mas também que sequer poderia garantir a segurança de seus compatriotas pela região. 

A valorização do idioma russo, da nacionalidade russa e a proclamação da defesa de falantes de russo distribuídos pela ex-União Soviética são pilares importantes da ideologia de Putin, algo frequentemente negligenciado quando é retratado. Uma versão geopolítica de “Minha pátria é a língua” de Fernando Pessoa, com o nome de Doutrina Karaganov - alusão ao cientista político e conselheiro presidencial que a formulou. 

Em agosto de 1999, militantes chechenos, com apoio financeiro saudita e voluntários wahabitas radicais estrangeiros, invadiram a república russa vizinha do Daguestão. Esse foi o gatilho da Segunda Guerra da Chechênia. Putin era então Primeiro-ministro, sob a presidência de Boris Iéltsin, que governava a Rússia desde 1991; no início de 1999, Putin era diretor do Serviço de Segurança Federal, o FSB, sucessor da KGB para assuntos internos. 

Putin conduziu a guerra com os chechenos, em abordagem diferente do primeiro conflito, dividindo os chechenos seculares dos jihadistas. Vitórias militares deram notoriedade para seu nome. Em 31 de dezembro do mesmo ano, o presidente Iéltsin renunciou, resultado da soma de problemas de saúde, abissal crise econômica, além de mais uma guerra nas fronteiras. 

Como previsto pela constituição, o primeiro-ministro assumiu interinamente o cargo até a eleição, que aconteceria cinco meses depois. Foi o início da presidência de Putin. Em março de 2000, ele visitou tropas russas na Chechênia. Nos dois meses seguintes, Putin declarou vitória no conflito e venceu as eleições. Da humilhação da primeira guerra surgiu uma nova liderança, até aquele momento pouco conhecido do público. 

A ligação entre os eventos é tão forte que gera especulações de que os ataques terroristas na Rússia, em 1999, não teriam sido realizados por extremistas chechenos, mas operações de bandeira falsa do próprio Putin, como diretor do FSB, para angariar apoio ao conflito e, posteriormente, à sua figura. Tais hipóteses costumam gerar debates passionais e acusações de conspiração, entretanto, ainda estão presentes, como na recente sabatina de Rex Tillerson perante o senado de seu país, para ser confirmado como Secretário de Estado dos EUA.  

Primeira presidência: Restauração da economia 

A presidência de Putin começou controversa. Seu primeiro decreto presidencial, ainda em 1999, dava imunidade ao ex-presidente Iéltsin e aos membros de sua família, devido às investigações sobre fraudes e corrupção nos processos de privatização do aparato econômico soviético, na década de 1990. Em agosto de 2000, mais um golpe em sua imagem, durante o desastre do submarino nuclear K-141 Kursk. 

Até hoje não se sabe o que causou o afundamento do navio, custando a vida de cento e dezoito russos, bilhões de rublos e afetando a imagem já sucateada das forças armadas russas. Imagens de Putin em atividades de lazer durante suas férias no Mar Negro, enquanto a crise se desenrolava, custaram um preço em sua imagem. Dez dias separam o desastre da tensa visita de Putin aos familiares das vítimas, em Vidyayevo, região das bases navais de Murmansk. 

Outros dois episódios trágicos são lembrados do período. Em outubro de 2002, dezenas de terroristas chechenos tomaram 850 pessoas como reféns no teatro Dubrovka, em Moscou. Após três dias, uma operação de resgate utilizando um gás nunca revelado foi realizada, com a morte de ao menos 130 reféns. E também a crise da escola de Beslan, na Ossétia do Norte, em setembro de 2004. Mais de duas mil pessoas foram tomadas reféns por jihadistas chechenos. Após uma operação militar de larga escala, posteriormente criticada, 334 reféns morreram, incluindo 186 crianças. 

Economicamente, entretanto, a presidência de Putin conseguiu diversos sucessos, o que contribuiu para a recuperação de seu prestígio. Seus primeiros anos foram de reforma, com mudanças fiscais e desregulação de diversos setores. Angariou apoio dos principais oligarcas do país, proprietários das maiores empresas. Entre 2000 e 2008, o Produto Interno Bruto da Rússia, a soma de toda a economia nacional, dobrou em valores reais, uma média de crescimento de 7% ao ano. 

O consumo também aumentou. O número de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza passou de 30% para 14% em oito anos. Superávits orçamentários e inflação sob controle foram internacionalmente elogiadas. Porém, esse crescimento era baseado na alta do preço das commodities, marcante no início do século XXI. 

Algumas das maiores empresas do ramo são controladas pelo Estado russo, embora com ações comercializadas: Alrosa, de diamantes; Transneft, de dutos; Rosneft, de petróleo; e Gazprom, de gás natural. Todas elas possuem como acionistas pessoas supostamente próximas de Putin. Com a queda dos preços, a economia russa arrefeceu, no que pode ser classificado como exemplo de doença holandesa. O setor industrial russo, entretanto, não foi deixado em segundo plano, apesar de incentivados pelas commodities. 

O crescimento da produção industrial russa nos oito anos de Putin foi de cerca de 75%. Muitos investimentos foram feitos especialmente em cibernética e na área nuclear, além de subsídios militares para evitar uma defasagem muito grande perante os EUA. De acordo com o Stockholm International Peace Research Institute (SIPRI), que mede gastos militares por todo o mundo, o orçamento militar russo saltou de 271 bilhões de rublos em 2000 para 1544 bilhões em 2008. Desconsiderando a inflação e adotando um valor constante em dólares, ainda se trata de mais que a dobra do orçamento de defesa.  

Primeira presidência: Relações com o exterior 

Além do bom desempenho econômico, a primeira presidência de Putin foi marcada pela adoção de uma nova constituição pela Chechênia, em 2003, oficializando seu retorno à Federação Russa, com autonomia regional e eleições parlamentares. Apesar de uma insurgência jihadista permanecer até o ano de 2009, o novo acordo foi visto como uma vitória do governo de Moscou e de Putin. 

A primeira presidência de Putin, no que concerte sua projeção externa, possui dois momentos basilares. Em julho de 2000 é assinado um documento de "Conceitos de política externa da Federação Russa". Em resumo, as prioridades são: a segurança do país; impacto global para criação de uma ordem mundial estável e justa, em um mundo multipolar; criação de condições externas para o desenvolvimento econômico da Rússia; proteção dos direitos e interesses cidadãos russos no exterior; promover uma percepção positiva da Rússia e dos russos. 

Ou seja, a Rússia com Putin priorizou sua defesa e a defesa de seus interesses e exigiu ser ouvida como igual, não como subordinada ou de “segunda categoria”. Não aceitou um mundo unipolar com os EUA como potência dominante, como muitos defenderam ou interpretaram após 1991. Esse é um ponto fundamental. Para o Ocidente, a Guerra Fria acabou e teve um vencedor, os EUA. Para os russos, a Guerra Fria foi um round de uma luta muito maior e mais longeva, um choque geopolítico que remonta ao Grande Jogo do século XIX. E podem até conceder a derrota daquele round ideológico, mas não aceitou que o maior país do mundo em território, que domina a ponte terrestre entre Ocidente e Oriente, seja marginalizado. 

O outro momento foi o Discurso de Munique, de fevereiro de 2007, quando Putin falou na Conferência de Munique sobre Política de Segurança. O discurso foi uma forte denúncia do que Putin considerou violações feitas pelo Ocidente. 

Ele afirmou que um modelo mundial unipolar não era apenas inaceitável, mas impossível. Disse que a força só poderia ser autorizada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, qualquer coisa fora disso seria o fim do Direito Internacional. Para ele, os EUA extrapolaram suas barreiras nacionais em todos os temas, incluindo a imposição de agenda a outros países. Que a OTAN violava as negociações e mantinha sua expansão rumo às fronteiras russas, e mesmo assim a Rússia reagia com paciência. 

Todas essas declarações fortes poderiam soar como uma provocação. Mas é importante perceber que, para Putin e seu eleitorado, tratava-se de uma reação. A Rússia foi expressamente contra a autorização do uso da força contra Saddam Hussein em 2003. Putin inclusive enviou um importante aliado ao Iraque, Yevgeny Primakov, com a missão especial de negociar uma saída de Saddam do poder. 

Mesmo assim, violando a resolução do Conselho de Segurança, os EUA invadiram o Iraque. A Rússia recebeu, por toda a década de 1990, promessas de que armas estratégicas seriam limitadas na Europa e de que a OTAN não se expandiria rumo aos países do antigo Pacto de Varsóvia. Promessas que não foram cumpridas. 

Outro tema importante nesse período foi a intervenção da OTAN no Kosovo. Até 1999, uma província da Sérvia, de enorme importância cultural para os sérvios e os ortodoxos, com grande população de origem albanesa e muçulmana. Em 2008, Kosovo declarou de forma unilateral sua independência. A Sérvia, dentre outros, não aceitou, e considera Kosovo parte de seu território. Mesma posição da Rússia, principal aliada sérvia. O Ocidente afirmou que os kosovares teriam direito à autodeterminação, e que o processo de independência foi legal. 

Já a Rússia de Putin considerou a independência de Kosovo como fruto de uma intervenção armada externa e violação de Direito Internacional. Na época, Putin encerrou seu discurso lembrando que a Rússia era um "país com mais de mil anos de História", com uma política externa independente, e que não iria "mudar essa tradição".  

Eminência parda: Revezamento com Medvedev 

Em 8 de maio de 2008, Putin foi nomeado Primeiro-ministro da Rússia pelo presidente Medvedev; que, por sua vez, foi e é Primeiro-ministro com Putin. No sistema semipresidencialista russo, quem detém grande parte do real poder executivo é o Presidente. Primeiro-ministro é uma expressão popular para o chefe do gabinete ministerial, quem conduz as políticas cotidianas. Esse arranjo permitiu que Putin não ferisse a constituição, mantivesse um aliado no poder e continuasse nos holofotes políticos. 

As diferenças entre ambos foram no campo econômico, com Medvedev mais liberal que Putin, além do novo governo passar pelos efeitos da Crise de 2008. No campo geopolítico e interno, não existiram grandes diferenças, daí a expressão "Governo em tandem", já que a influência e prestígio de Putin, teoricamente subordinado ao presidente, em muito o eclipsavam. 

Neste período, outro acontecimento marcante: a Guerra de Agosto entre Rússia e Geórgia, ou guerra na Ossétia do Sul. A ex-república soviética da Geórgia possuía, de jure, duas regiões que eram de facto semi-independentes desde 1991, a Abkházia e a Ossétia do Sul. No primeiro dia de agosto de 2008, hostilidades entre ossétios e georgianos aumentaram. 

Este episódio registra um choque de versões sobre quem seria o responsável pelo início do conflito. No dia 7 de agosto, alegando necessidade de "aplicação de paz", a Rússia interveio contra a Geórgia. Ataques aéreos, bloqueio naval e uma nova ofensiva a partir da Abkházia encerraram o conflito em cinco dias. 

A população georgiana foi expulsa com o conflito, e ambas as repúblicas são reconhecidas pela Rússia. Mais que isso, no caso da Ossétia do Sul, houve crescente absorção na república da Ossétia do Norte, uma das entidades federais russas. O conflito produziu centenas de mortes e dezenas de milhares de deslocados. Além disso, explicitou uma estrutura antiquada das forças militares russas, herdeira de um gigantismo burocrático soviético. Foi então promovida uma grande reforma militar em 2008. 

Tal reforma foi conduzida sob orientação do então Ministro da Defesa Anatoly Serdyukov, que ocupou o cargo tanto com Putin, com quem tinha fortes relações políticas, quanto com Medvedev. Foi sucedido em 2012 pelo general Sergey Shoygu, que também colaborou com Putin, além de ter liderado e colaborado na fundação do partido Rússia Unida. O partido que, hoje, é presidido por Medvedev e tem em Putin seu principal atributo, embora, oficialmente, Putin seja um candidato independente. Atualmente, o partido possui 339 cadeiras das 450 da Duma, a câmara baixa do Legislativo russo. 

Leia também:  A poucos dias de eleição, Putin vira noivo desejado em vídeo sensual lançado na Rússia

Ideologia: História e três pilares 

Putin conseguiu o controle do seu partido e dominou o cenário eleitoral russo. Ganhou prestígio perante boa parte da população, seja pelo crescimento econômico ou pela restauração do orgulho nacional russo. E com uma política externa que combatia a negação da Rússia como uma das potências mundiais. Ideologicamente, o que sustentou e orientou essas políticas? 

Putin dedicou tempo e energia para resgatar e promover a identidade russa. Uma versão do século XXI da máxima do Czar Nicolau I, que reinou entre 1825 e 1855: Ortodoxia, Autocracia e Nacionalidade. Putin substituiu a "autocracia" pelo conceito de democracia soberana, formulado por Vladislav Surkov. 

Surkov age fora dos holofotes, ao ponto de suspeitarem dele ser autor de romances sob pseudônimos. Parte do "estado-maior" da presidência russa desde 1999, foi o principal ideólogo ao lado de Putin, e conselheiro de grande influência. Com um histórico de teatro e formação em Economia, Surkov tem grande alcance no Kremlin. A ideologia de democracia soberana, de sua autoria, foi adotada pelo movimento da juventude Nashi, pejorativamente acusado de ser uma "Juventude Putinista" e de ser exemplo de um culto de personalidade de Putin. 

Putin é abertamente cristão ortodoxo praticante. Dentre outros exemplos, as críticas de Putin aos movimentos LGBT foi frequentemente vista como uma defesa pública de valores cristãos ortodoxos. Outro exemplo público da fé de Putin é seu hábito de participar do ritual ortodoxo da Epifania, no mês de janeiro, em que fiéis mergulham em lagos congelados

A Igreja Ortodoxa fornece, no cotidiano e na ideologia, um farol anti-Ocidente, com bases conservadoras e a valorização de uma herança cultural e comunitária exclusiva aos russos. Cerca de 42% da população é cristã ortodoxa. As outras três religiões oficialmente aceitas pelo Estado russo são: Islã, Judaísmo e Budismo. 

Putin possui relações próximas com o Patriarca Cirilo de Moscou, que inúmeras vezes deu declarações que endossaram os objetivos geopolíticos russos, como a declaração de que a guerra na Síria era uma "guerra santa". A relação entre a Rússia de Putin e a Igreja Ortodoxa é próxima ao ponto de Cirilo declarar que o período Putin é um "milagre de Deus". 

Forte expressão da combinação entre geopolítica e a ortodoxia russa foi a ideia de Terceira Roma. O império russo dos czares via-se como a Terceira Roma; o legítimo sucessor do Império Bizantino. Linhas sucessórias genealógicas, relíquias e a ortodoxia fazem parte desse imaginário político. 

Trata-se de uma maneira de legitimar a projeção de poder e as reivindicações russas, temperado com um pouco de lenda e algumas coincidências. A mais notável, presente em muitas imagens, é a de que as três cidades, Roma, Constantinopla e Moscou, estão localizadas em sete colinas. Esse imaginário foi resgatado em uma visita de Putin à Grécia em 2016. 

Indo além do imaginário, o resgate da identidade nacional russa e do legado do Império Russo é inegável, como ferramenta de renovação política a partir da estética. Putin progressivamente reforma a identidade do Estado russo para algo mais próximo dos tempos czaristas. As forças armadas russas estão mudando sua identidade da estrela vermelha para o laranja e preto imperial de São Jorge. Os regimentos militares russos estão mudando suas insígnias para símbolos e bandeiras com a estética pré-1917. A recém-criada Guarda Presidencial usa uniformes do mesmo modelo da guarda do Czar. 

No Cáucaso e na Ásia Central, a ideia de nacionalidade do período imperial é também notável, incluindo incentivos do governo à formação de associações culturais e revitalização de identidades pelo gigantesco território russo. As repúblicas autônomas e comunidades étnicas estão, em algumas maneiras, ligadas ao governo russo de Putin como em um laço de lealdade clânica, tal como os cossacos tinham com o czar. No conflito do leste da Ucrânia, diversas tropas de cossacos usam insígnias que remontam às hostes pré-1917. 

Essa ideia de uma vasta nacionalidade amalgamada pelo idioma russo e pela centralização possui até um idealizado berço, o sítio arqueológico de Arkaim. Visitado por Putin em 2005, os vestígios de quase quatro mil anos localizados perto da fronteira russa com o Cazaquistão seriam o centro da "Ideia russa". Local de idealizada origem da identidade indo-ariana, seria a procedência de todos os povos russos.  

Ideologia: Vastidão e geopolítica 

É nesse ponto que a base ideológica sustenta a projeção geopolítica, com participação de pessoas como a diplomata e historiadora Natalya Narochnitskaya. A grandeza territorial russa e seus consequentes bônus, como a riqueza mineral, seria a razão de ser da grandeza da Rússia como nação e como potência. Garantir a manutenção de sua extensão territorial e a influência em seus povos e vizinhos por laços culturais e ideológicos, como a fé ou a herança imperial, seria garantir a segurança e a prosperidade da Rússia. 

No cerne disso está a citada Doutrina Karaganov, que busca defender os interesses das populações falantes de russo. Expressão disso é o crescente foco eurasiano na política externa russa. Em 2001, é assinado um Tratado de Amizade com a China, relações cada vez mais próximas desde então, com dezenas de encontros entre Putin e o líder chinês Xi Jinping, que classificou a relação, em 2013, como "especial". 

Hoje, os dois países possuem uma relação econômica na casa da centena dos bilhões de dólares, especialmente em infraestrutura e energia. Em 2003 foi criada a Organização de Cooperação de Xangai, que já conta com oito membros: China, Índia, Rússia, Paquistão e quatro países ex-soviéticos da Ásia Central. Em outras palavras, a organização engloba metade da população mundial e 80% da terra seca eurasiana contínua. 

Essa relação busca criar uma ordem multipolar, incluindo o desafio ao predomínio do dólar como moeda corrente internacional. Hoje, Rússia e China realizam comércio em suas respectivas moedas. A criação da União Econômica Eurasiana é outra iniciativa russa que permite explorar e manter seu vasto território, além de balancear seu histórico déficit de um porto de águas quentes oceânicas para comércio global.  

Segunda presidência: a Crimeia e a Ucrânia 

A segunda presidência de Putin, iniciada em 2012, foi marcada, além de acusações de fraude eleitoral, pelo distanciamento dos EUA e da Europa Ocidental. Em seu primeiro dia, Putin assinou catorze decretos, incluindo metas para o desenvolvimento econômico, fortalecendo a imagem de que, com ele, a economia russa cresceria. 

Em fevereiro de 2014, após os protestos Euromaidan na Ucrânia, que derrubam o governo pró-Moscou em nome de um movimento pró-Europa, fenômeno complexo que exige seu próprio artigo, soldados armados ocuparam, rapidamente, as principais posições dentro da península da Crimeia. A Rússia negou que tais tropas eram de suas forças armadas, afirmando ser milícias de russos locais. 

Não portavam nenhuma insígnia e cobriam o rosto, apelidados de "homenzinhos verdes" ou "pessoas educadas" na internet. A análise de seus equipamentos de ponta, entretanto, não deixou margem de dúvidas de que eram tropas de elite russas. A velocidade e o segredo da operação de coup de main foram creditadas à reforma militar de 2008. 

A Ucrânia, até 2012, era lar de cerca de oito milhões de russos, a maioria na estratégica península da Crimeia e no leste do país. Isso explica as duas ações russas perante a Ucrânia pós-Euromaidan, tomadas como sintomas de um expansionismo russo ou desejo de recriar a União Soviética, já que a integridade territorial ucraniana foi reconhecida em tratado de 1992, quando a Ucrânia abriu mão de seu arsenal nuclear, sob mediação conjunta de Reino Unido, EUA e Rússia. 

Ambas interpretações estão erradas, apenas consequência da política traçada aqui. A Crimeia é uma península de localização estratégica. Controla o acesso ao Mar de Azov e possui ricas reservas de hidrocarbonetos. Sedia importantes bases aeronavais russas desde o período dos czares, essenciais para o acesso às águas do Mediterrâneo, e que foram arrendadas pelo governo ucraniano aos russos, contrato que temia-se encerrado com o novo governo de Kiev. 

Finalmente, mais de 90% da população se identificava como russa; de fato, até 1954 a Crimeia era parte da Rússia, não da Ucrânia. Após a rápida ocupação e a "virada de casaca" das principais autoridades da Crimeia ucraniana, a península declarou sua independência unilateral. 

Posteriormente, em referendo condenado internacionalmente, 80% dos eleitores decidiram juntar-se à Federação Russa, com 2% favoráveis à Ucrânia e 16% de abstenções. O referendo não foi aceito pela maioria da comunidade internacional, até por ter sido realizado sob ocupação. 

A Rússia, entretanto, aceitou o resultado, sob a justificativa de que essa era a autodeterminação da Crimeia, lembrete atrevido da situação do Kosovo. A outra ação russa foi a de apoiar, de forma direta ou indireta, grupos separatistas e nacionalistas russos no leste da Ucrânia. Temendo perseguição do novo governo de Kiev, que proibiu o idioma russo logo em seus primeiros dias, boa parte da população russa que residia na Ucrânia migrou ou clamou por uma possível intervenção. A Doutrina Karaganov. 

O conflito se desenrola desde então, causando milhares de mortes e cerca de dois milhões de deslocados, internos e externos. Ficou infame pela derrubada do voo civil MH17 da Malaysia Airlines, que causou 298 mortes e não foi esclarecido, com suspeitas recaindo sobre rebeldes pró-Rússia utilizando equipamento de procedência russa. Além disso, causou severa distensão na relação entre a Rússia e o Ocidente.  

Segunda presidência: projeção e interesses 

No Oriente Médio, Putin e a Rússia, conduzida pelo Ministro de Relações Exteriores Sergey Lavrov, têm se tornado cada vez mais um ator decisivo, o único líder mundial que consegue transitar com todos os líderes locais, de Teerã ao Cairo, de Riade à Istambul, passando por Damasco e por Tel-Aviv. Demonstração de força russa foi dada na intervenção do país na guerra civil da Síria. Além de exibir novos e modernos equipamentos perante o mundo, a Rússia garantiu a permanência do regime aliado de Bashar al-Assad. 

Fora do plano Eurasiano, cabe destacar a expansão da política externa russa sob Putin. Novos destinos e polos de negócios, como África, América Latina e Oceania. Foi o primeiro líder russo a visitar a Austrália. Também visitou diversos países latino-americanos que banham o Pacífico, além de Argentina e Brasil. 

No caso brasileiro, visitou o país duas vezes e compartilham o BRICS, junto com China, Índia e África do Sul. Essa cooperação multicontinental também contribuiu para a imagem de Putin como criador de uma nova ordem mundial multipolar, enfrentando um suposto monopólio dos EUA e o Ocidente. 

Economicamente, a Rússia sofre impacto das sanções internacionais impostas como represália de suas ações na Crimeia e na Ucrânia; mais um motivo para, em parceria com a China, construir um sistema financeiro fora do dólar. Por outro lado, a Rússia novamente garantiu seus interesses perante o que era visto como uma ameaça do avanço da OTAN. Além disso, as empresas russas poderão explorar as riquezas naturais da Crimeia. Curiosamente, contratos perdidos pelas petrolíferas europeias. 

Putin, assim como nenhum outro líder mundial de uma grande potência, não pode se dar ao luxo de praticar uma política externa baseada em mera agressão ou megalomania. Seus pontos geopolíticos são claros, reafirmados no discurso de Valdai, de outubro de 2014, uma atualização daquele de Munique. Não existem vilões ou mocinhos no tabuleiro internacional, mas interesses e sua projeção ou defesa. 

Ao garantir os interesses do Estado russo e de cidadãos russos, Putin consolidou sua imagem e sua liderança. Certo ou errado, tal julgamento não cabe quando a intenção é evidenciar uma das origens da força de Putin perante a população russa. Presença internacional, alianças, expansão da influência russa, modernização da máquina de guerra do país, como o recente anúncio do novo míssil RS-28 Sármata (batizado em homenagem a um povo do Cáspio), tudo isso contribuiu para consolidar Putin. 

Somado ao controle quase total de seu partido, do cenário político e dos oligarcas russos; forte base ideológica e uma clara visão de “sua” Rússia, de herança própria frente à expansão da influência cultural Ocidental; aparato de inteligência em sintonia com o mandatário e uma agenda de desenvolvimento econômico, é muito improvável imaginar que, no dia 7 de maio de 2018, Putin não iniciará seu quarto mandato como Presidente da Federação Russa.

Filipe Figueiredo é graduado em História pela Universidade de São Paulo e comenta política internacional no blog Xadrez Verbal.

Leia também:  5 dissidentes russos que morreram de maneira suspeita ao redor do mundo 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.