i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
criptolândia

Empreendedores que enriqueceram com criptomoedas estão ‘fugindo’ para Porto Rico

O país parece ser o local ideal para os criptoutópicos construírem seu paraíso: uma nação que foi recentemente devastada por um furacão, onde não há impostos federais sobre salários e lucros, e as taxações sobre as empresas são baixas

  • PorNellie Bowles
  • San Juan, Porto Rico
  • New York Times
  • 17/02/2018 17:25
Recém-ricos por moedas virtuais se mudaram para a ilha para evitar impostos sobre suas fortunas - e para construir uma sociedade que funciona por blockchain | JOSE JIMENEZ-TIRADO/NYT
Recém-ricos por moedas virtuais se mudaram para a ilha para evitar impostos sobre suas fortunas - e para construir uma sociedade que funciona por blockchain| Foto: JOSE JIMENEZ-TIRADO/NYT

Eles diziam que estavam construindo a Puertopia. Mas alguém os avisou, com aparente seriedade, que em latim essa palavra pode ser traduzida por “playground eterno”. Então, resolveram mudar o nome para Sol.  

Dúzias de empreendedores, que enriqueceram recentemente com criptomoedas e blockchains, estão agora se mudando para Porto Rico, na esperança de evitar o que veem como um estado oneroso e os impostos federais que incidem sobre suas crescentes fortunas, muitas das quais atingiram os bilhões de dólares.  

E esses homens, porque são quase exclusivamente homens, têm um plano para essa riqueza: querem criar uma criptoutopia, uma nova cidade onde o dinheiro é virtual e todos os contratos são públicos, para mostrar ao resto do mundo como poderia ser um criptofuturo. O blockchain, um banco de dados digital que é a base das criptomoedas, tem o potencial de reinventar a sociedade, e os puertópicos querem provar isso.  

Há mais de um ano, os empreendedores andam em busca do local ideal. Depois que o furacão Maria dizimou a infraestrutura de Porto Rico em setembro e o preço das criptomoedas disparou, perceberam a oportunidade e acharam que era a hora.  

Assim, essa criptocomunidade se reuniu aqui para criar seu paraíso. Agora os investidores passam os dias procurando propriedades onde possam ter seu próprio aeroporto e docas. Estão comprando hotéis e um museu na parte histórica da capital, chamada Velha San Juan. E dizem estar próximos de um acordo com o governo para criar o primeiro banco de criptomoeda.  

“O que está acontecendo aqui é uma tempestade perfeita”, disse Halsey Minor, fundador do site de notícias CNET, que está mudando sua nova empresa de blockchain – chamada Videocoin – das Ilhas Cayman para Porto Rico. Em referência ao furacão Maria e ao interesse de investimento que se seguiu, ele acrescentou: 

“Mesmo que tenha sido muito ruim para as pessoas de Porto Rico, em longo prazo é um presente divino, caso as pessoas consigam ver além disso”.  

Porto Rico oferece um incentivo fiscal sem paralelos: não há impostos federais sobre salários e lucros, e as taxações sobre as empresas são baixas – tudo isso sem renunciar à cidadania americana. Por enquanto, o governo parece receptivo aos criptoutópicos; o governador de Porto Rico fará uma palestra na conferência de blockchain organizada por eles em março, a Puerto Crypto.  

Os recém-chegados ainda discutem a forma exata que a Puertopia deveria ter. Alguns acham que deveriam construir uma cidade; outros acham que se mudar para a Velha San Juan é suficiente. De qualquer forma, os puertópicos dizem que querem crescer rápido.  

“Você nunca viu uma indústria catalisar um lugar como vai ver aqui”, disse Minor.  

Terreno

Até os puertópicos acharem os terrenos ideais, estão ocupando o Monastery, um hotel de 1.858 metros quadrados que alugaram como sede.  

Matt Clemenson, 34 anos, e Stephen Morris, de 53, estavam tomando uma cerveja na cobertura do Monastery em uma noite recente. Clemenson tinha um jeito tranquilo e usava óculos escuros com lentes coloridas; Morris, um britânico tagarela, usava uma bermuda cargo e botas de combate com cadarço, e um celular pendurado no colar. Eles deixaram claro: escolheram Porto Rico por causa do furacão, e vêm em paz.  

“Somente quando tudo foi destruído que você consegue começar do zero”, disse Morris.  

Clemenson, cofundador do lottery.com, que usa blockchain em loterias, disse: 

“somos capitalistas benevolentes, construindo uma economia benevolente. Porto Rico é essa gema bruta, uma ilha encantada que tem sido constantemente negligenciada e maltratada. Talvez, depois de 500 anos, podemos fazer a coisa certa”.  

Outros puertópicos lotaram a cobertura de repente, depois de um dia cheio em um ônibus visitando propriedades. Do meio do grupo emergiu Brock Pierce, 37, líder do movimento Puertopia, vestindo calça saruel capri, um colete preto quase até o joelho e um chapéu de feltro preto. Ele e outros chegaram à ilha no começo de dezembro.  

“Compaixão, respeito e transparência financeira”, disse Pierce quando perguntado sobre o que os levou até ali.  

Pierce, diretor da Bitcoin Foundation, é uma figura importante da explosão das criptomoedas. Ele é cofundador de uma startup de blockchain para empresas, a Block.One, que vendeu cerca de US$ 200 milhões de uma moeda virtual personalizada, a EOS, em uma “oferta inicial de moeda”. O valor de todos os tokens EOS de destaque é de cerca de US$ 6,5 bilhões.  

Brock Pierce, 37, líder do movimento Puertopia, se juntou aos outros criptoutópicos em Porto RicoJOSE JIMENEZ-TIRADO/NYT

Pierce, que já foi ator infantil, começou no dinheiro digital cedo como jogador de videogame profissional, minerando e negociando ouro no jogo “World of Warcraft”, que foi em parte financiado por Stephen Bannon, o ex-assessor de Trump. Ele é uma figura controversa, e já foi processado por fraude.  

Pierce andava pelo espaço com os punhos cerrados. Algumas vezes por dia, passava um vídeo para o grupo em seu celular e uma caixinha de som: “O Grande Ditador”, filme de Charlie Chaplin de 1940 que faz uma paródia de Hitler reunindo suas tropas. Pierce encontra inspiração em frases como “mais do que máquinas, precisamos de humanidade”.  

“Fico preocupado com a ideia de que as pessoas possam interpretar mal nossas ações, que só viemos para Porto Rico fugir de impostos”, disse Pierce.  

Moeda 

Ele disse que o objetivo é criar uma moeda de caridade chamada ONE com US$ 1 bilhão de seu próprio dinheiro. “Se você tirar o M e o Y da palavra money, fica ONE”, explicou Pierce.  

Kai Nygard, descendente da empresa canadense de roupas Nygard e investidor em criptomoedas, disse: “Ele está ouvindo um chamado divino. Está além do dinheiro”.  

Em uma manhã, Bryan Larkin, 39, e Reeve Collins, 42, estavam trabalhando com seus laptops no bar da piscina de outro hotel antigo, o Condado Vanderbilt, com piñas coladas no balcão.  

“Vamos criar a criptolândia”, disse Larkin.  

Larkin minerou cerca de US$ 2 bilhões em bitcoin e é diretor de tecnologia da Blockchain Industries, empresa de capital aberto com sede em Porto Rico.  

Collins ganhou mais de US$ 20 milhões em uma oferta de moedas inicial do BlockV, seu aplicativo de compras para blockchain, cujos tokens valem cerca de US$ 125 milhões.  

Ele também ajudou a criar a Tether, que assegura o valor das criptomoedas em dólar e cujos tokens valem cerca de US$ 2,1 bilhões, embora a empresa tenha gerado enorme controvérsia no mundo das moedas virtuais.  

“Não. Não quero pagar impostos. Essa é a primeira vez na história da humanidade que alguém que não é rei, governo ou deus pode criar seu próprio dinheiro”, disse Collins.  

Criptonegócios

Por toda San Juan, muitos habitantes estão tentando descobrir o que fazer com a chegada da criptografia.  

Alguns estão abertos à nova onda como se fosse uma injeção bem-vinda de investimentos e ideias.  

“Estamos abertos aos criptonegócios”, disse Erika Medina-Vecchini, diretora de desenvolvimento comercial do Departamento de desenvolvimento Econômico e Comércio. Ela disse que seu gabinete estava iniciando uma campanha publicitária destinada ao novo aumento de investimentos estrangeiros, com o slogan "Paradise Performs" (algo como o paraíso dá um bom rendimento).  

Outros se preocupam com o fato de a ilha estar sendo usada para um experimento e falam em “criptocolonialismo”. Em uma festa em uma casa em San Juan, Richard Lopez, 32 anos, dono da pizzaria Estella na cidade de Arecibo, disse: “Acho isso ótimo. Atraiam todos com os impostos e eles vão gastar dinheiro”.  

Andria Satz, 33, que cresceu na Velha San Juan e trabalha para o Conservation Trust de Porto Rico, discordou.  

“Somos um playground de impostos para os ricos, um local de teste para qualquer um que queira fazer uma experiência. Os estrangeiros conseguem isenções fiscais; os locais não conseguem nem alvarás”, disse ela.  

Lopez disse que Porto Rico precisava de um impulso na economia. “Temos que encontrar um novo caminho”, disse ele.  

“Óbvio que pode ser o bitcoin. Por que não?” disse Satz, jogando as mãos para o ar.  

Lopez disse que ele e um amigo de infância, Rafael Perez, 31, estavam tentando estabelecer uma mina de bitcoins na sua cidade natal, mas a eletricidade está muito inconstante, e minerar um único bitcoin requer muita energia, disse ele.  

The New York Times News Service/Syndicate – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.