Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A bandeira da China decorada no barco de viagem na Barragem de Three Gorge. Imagem ilustrativa.
A bandeira da China decorada no barco de viagem na Barragem de Three Gorge. Imagem ilustrativa.| Foto: Phongsaya Limpakhom/Bigstock

Peter Ben Embarek, especialista em segurança alimentar e doenças animais que liderou a investigação da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre as origens do novo coronavírus, disse em um novo documentário que colegas chineses influenciaram a apresentação das descobertas da equipe.

No documentário chamado "O Mistério do Vírus", que foi ao ar na quinta-feira à noite na televisão dinamarquesa , Ben Embarek diz que os pesquisadores chineses do grupo foram contrários a fazer uma conexão entre as origens da pandemia e o Instituto de Virologia de Wuhan em um relatório que detalhou a investigação.

"No início, eles não queriam nada sobre o laboratório [no relatório], porque era impossível, então não havia necessidade de perder tempo com isso", disse Ben Embarek. "Insistimos em incluir isso, porque fazia parte de toda a questão sobre a origem do vírus."

A equipe, que incluiu especialistas de dez países, divulgou um relatório em março dizendo que o vírus provavelmente se espalhou de um animal para humanos, chamando a teoria de que o vírus foi liberado em um acidente de laboratório "extremamente improvável". Os pesquisadores disseram que não recomendariam mais investigações.

No novo documentário, Ben Embarek diz que a discussão sobre a inclusão da teoria do vazamento de laboratório no relatório durou até dois dias antes da conclusão da missão.

Ele disse que, por fim, seu homólogo chinês concordou em discutir a teoria de vazamento de laboratório no relatório "com a condição de que não recomendássemos nenhum estudo específico para promover essa hipótese."

Os documentaristas perguntaram a Ben Embarek se o uso da frase "extremamente improvável" no relatório tinha sido exigido pelos pesquisadores chineses. Ben Embarek disse "foi a categoria que escolhemos para colocá-la no final, sim".

No entanto, ele observou que isso significava que a teoria não era provável, mas não impossível.

Ele acrescentou que uma possibilidade era que um funcionário do laboratório pudesse ter acidentalmente trazido o vírus para Wuhan após coletar amostras no campo, o que seria tanto uma teoria de vazamento de laboratório quanto uma hipótese de infecção direta de um morcego, que foi descrita como "provável" no relatório.

"Um funcionário de laboratório infectado em campo enquanto coletava amostras em uma caverna de morcegos - esse cenário pertence tanto a uma hipótese de vazamento de laboratório quanto à nossa primeira hipótese de infecção direta de morcego para humano. Vimos essa hipótese como uma hipótese provável", disse Ben Embarek.

Ele também sugeriu em comentários durante a entrevista que não foram incluídos no documentário que poderia ter havido "erro humano", embora o sistema político chinês não permita que as autoridades admitam isso.

"Isso provavelmente significa que há um erro humano por trás de tal evento, e eles não estão muito felizes em admitir isso", disse Ben Embarek, conforme relatou o canal dinamarquês TV2 em seu site. "Todo o sistema se concentra muito em ser infalível, e tudo deve ser perfeito", acrescentou. "Alguém também pode querer esconder algo. Quem sabe?"

Ben Embarek voltou atrás em seus comentários em um comunicado ao Washington Post, dizendo que a entrevista havia sido mal traduzida na cobertura da imprensa em inglês.

Um porta-voz da OMS também disse que o comentário foi mal traduzido e observou que a entrevista aconteceu "meses atrás".

"Não há elementos novos nem uma mudança de posição [de que] todas as hipóteses estão sobre a mesa e a OMS trabalha com os Estados membros para a próxima etapa", disse o porta-voz.

Especialistas em saúde de todo o mundo disseram que o novo coronavírus provavelmente se originou em Wuhan, China, em novembro de 2019. Cientistas nos últimos meses questionaram se o vírus se originou em um mercado de animais vivos em Wuhan ou foi o resultado de um acidente de laboratório em um dos dois laboratórios da cidade - o Instituto de Virologia de Wuhan e os Centros de Controle de Doenças de Wuhan - que estudavam coronavírus originados em morcegos.

A China argumentou que o vírus não começou dentro de suas fronteiras e, em vez disso, tem vendido outras teorias de que o vírus pode ter se originado em outro lugar.

Pequim trabalhou duro para controlar a narrativa em torno do vírus, punindo jornalistas cidadãos que se manifestaram contra a explicação do governo sobre os eventos. O governo também controlou todas as pesquisas feitas no país sobre as origens do vírus, segundo a Associated Press.

No mês passado, o chefe da OMS disse que era "prematuro" descartar a possibilidade de que o novo coronavírus tenha vazado de um laboratório.

A OMS está "pedindo à China que seja transparente, aberta e coopere, especialmente com as informações, dados brutos que solicitamos nos primeiros dias da pandemia", disse o diretor-geral Tedros Adhanom Ghebreyesus em uma entrevista coletiva em 15 de julho.

Ele disse que houve um "impulso prematuro" para descartar um vazamento de laboratório como a origem da pandemia do coronavírus.

A hipótese de vazamento de laboratório ganhou novas atenções nos últimos meses depois que o presidente americano Joe Biden ordenou, em maio, que a comunidade de inteligência dos EUA avaliasse a probabilidade de um vazamento.

Brittany Bernstein é redatora da National Review Online.

© 2021 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]