i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Direitos Humanos

EUA banem produtos vindos da região de Xinjiang, na China

    • Estadão Conteúdo e Gazeta do Povo
    • 14/09/2020 22:02
    china xinjiang
    Bandeira chinesa é vista em centro de aprisionamento na região de Xinjiang.| Foto: AFP

    O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, comentou em sua conta oficial no Twitter o banimento de alguns produtos da China anunciado nesta segunda-feira (14) pelo Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos (DHS, na sigla em inglês).

    "O governo Donald Trump está reprimindo os abusos de direitos humanos do Partido Comunista Chinês [PCC] contra o povo uigur e outras minorias étnicas e religiosas", escreveu Pompeo. "O DHS tomou medidas decisivas para impedir a entrada de certas mercadorias nos EUA relacionadas ao trabalho forçado na China", frisou o secretário de Estado.

    Em nota, o DHS informou que baniu a importação de algodão, peças de computador e produtos capilares e de vestuário produzidos em Xinjiang. É na região que vive a minoria uigur, que tem sido alvo de constantes violações de direitos humanos por parte de Pequim.

    Segundo estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de um milhão de uigures estão detidos em campos secretos na China, número que equivaleria a 10% da minoria muçulmana que vive no país. O objetivo do governo chinês seria a eliminação de qualquer ameaça ao poder do PCC, por meio da supressão da liberdade religiosa e de dissidências no país.

    As autoridades chinesas usam um sistema amplo e secreto de tecnologia para vigiar os uigures, por meio, principalmente, da invasão de celulares e de ferramentas de reconhecimento facial. Muitas vezes, usar um véu no rosto ou não aparar a barba é motivo suficiente para ser detido. Outro motivo que leva à detenção é ter mais filhos do que é permitido pelo governo.

    A China também busca apagar a minoria estimulando o casamento entre uigures e pessoas da etnia han, maioria na China. Chineses han também são estimulados a migrar para Xinjiang, recebendo, inclusive, benefícios financeiros para tanto. Além disso, métodos de controle de natalidade forçados e até abortos a fim de diminuir o número de uigures em Xinjiang têm sido registrados.

    1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 1 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • M

      Maquiavel

      ± 7 horas

      Chinesada comunista malditos

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso