i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Por espionagem

Rússia condena ex-fuzileiro dos EUA a 16 anos de prisão

    • Gazeta do Povo
    • 15/06/2020 10:19
    paul whelan eua rússia
    Paul Whelan, ex-fuzileiro naval dos EUA, foi acusado de espionagem na Rússia| Foto: Kirill KUDRYAVTSEV/AFP

    O ex-fuzileiro naval americano Paul Whelan foi condenado a 16 anos de prisão na Rússia por espionagem, em uma decisão anunciada nesta segunda-feira (15) por um tribunal de Moscou. Whelan foi preso em um quarto de hotel na capital russa em dezembro 2018, em posse de um pendrive que, segundo agentes russos, continha segredos de Estado.

    O caso estremeceu as relações entre Rússia e Estados Unidos. O embaixador dos EUA em Moscou, John Sullivan, disse nesta segunda-feira que o julgamento foi injusto e sem transparência, e que a condenação prejudicaria as relações Rússia-EUA. "Este julgamento secreto no qual nenhuma evidência foi produzida é uma violação flagrante dos direitos humanos e das normas legais internacionais", disse uma porta-voz da embaixada.

    Whelan, que também tem nacionalidade britânica, canadense e irlandesa, se declarou inocente, afirmando que o caso foi armado contra ele. O ex-fuzileiro contou também que havia recebido o pendrive de um conhecido e que ele pensava que o dispositivo continha fotos de família.

    A promotoria russa sustentou que Whelan detinha a patente de "pelo menos coronel" na Agência de Inteligência de Defesa dos EUA. Uma empresa de peças automotiva americana declarou que Whelan trabalhava como diretor de segurança global da companhia, sendo responsável pela segurança das instalações da empresa em Auburn Hills, Michigan e em outros locais da empresa em todo o mundo.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.