i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Trabalho

França pára e Sarkozy aceita negociar

Grandes cidades francesas ficam sem ônibus, metrôs e trens; Universidades cancelam aulas

  • 14/11/2007 21:26
 | Sossella
| Foto: Sossella

Paris – O colapso anunciado em decorrência da greve de trabalhadores de empresas públicas de transporte e de energia se concretizou ontem na França. Mesmo com a queda de 10% a 15% da taxa de adesão à greve, ônibus, metrôs e trens metropolitanos, nacionais e internacionais pararam em todo o país. Nas grandes cidades, multidões se espremeram em estações enfrentaram engarrafamentos, disputaram bicicletas de aluguel ou se sujeitaram a longas caminhadas para chegar ao trabalho. Universidades cancelaram aulas e 90% das empresas foram afetadas por ausências ou prejuízos financeiros, enquanto protestos tomaram as ruas. Pressionado por uma greve ainda sem previsão de fim, o presidente Nicolas Sarkozy aceitou negociar, mas sem abrir mão da reforma previdenciária.

A jornada de greve dos transportes e da energia, a segunda em menos de um mês, demonstrou a força dos sindicatos mesmo tendo índices de participação menores que os registrados em 18 de outubro nas quatro grandes empresas públicas envolvidas. Nenhuma mobilização superou a verificada na companhia de trens de alta velocidade (TGVs), na qual a participação dos trabalhadores caiu de 73,5%, em outubro, para 61,5%.

Ainda assim, os transtornos para a população foram grandes. Dos 700 TGVs previstos para ontem, apenas 70 partiram – a maioria para Bruxelas e Londres. Em Paris, houve tumultos e superlotação nas grandes estações. A freqüência dos metrôs que funcionaram foi reduzida para um a cada 30 minutos, quando o tempo de espera normal é de quatro minutos. Às 8h30min, nas ruas e estradas, engarrafamentos se estenderam por 360 quilômetros em todo o país a maior parte em torno da capital francesa.

No início da noite, vários sindicatos confirmaram a manutenção da greve por, no mínimo, mais 24 horas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.