Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Estudantes franceses protestam em Paris contra a reforma da Previdência que aumenta a idade de aposentadoria | Benoit Tessier/Reuters
Estudantes franceses protestam em Paris contra a reforma da Previdência que aumenta a idade de aposentadoria| Foto: Benoit Tessier/Reuters

Abastecimento

Cinco das 12 refinarias voltam a funcionar

Cinco das 12 refinarias de combustíveis do país voltaram ao trabalho, e os petroquímicos levantaram os bloqueios em todos os reservatórios de gasolina e diesel do país. Com isso, 80% dos postos de combustíveis puderam ser reabastecidos. Nos transportes, 90% dos trens de alta velocidade (TGVs) circularam normalmente ontem. Nos correios, a paralisação só mobiliza 1% dos trabalhadores. E, em Marselha, os lixeiros encerraram as três semanas de greve, que resultaram em dez toneladas de lixo espalhadas pelas ruas.

"Vitória"

Enquanto o país volta ao normal, governo e sindicatos cantam vitória. Ontem, o ministro do Trabalho, Eric Woerth, reivindicou o sucesso para si. "Esta reforma é a minha. Eu sou o ministro, eu fiz todas as proposições", afirmou, reforçando que não "serve mais de nada fazer greve contra as aposentadorias".

Para Pierre Moscovici, um dos líderes do PS, o maior da oposição, o partido e os sindicatos são os verdadeiros vencedores, e fortalecidos para as eleições de 2012. "Está no ar algo que Sarkozy ignora: uma forte cólera contra o poder", garante.

Os sindicatos já começam a pensar em suas próximas ações, já que as greves estão em seus últimos suspiros.

Paris - Do lado de fora, milhares de estudantes secundaristas e universitários clamavam ontem por "resistência" frente à reforma da previdência em curso na França. Mas dentro do Palácio de Lu­­xem­­burgo, em Paris, os senadores se mostraram indiferentes ao apelo das ruas. Por 177 votos a favor e 151 contra, o Senado aprovou, em segundo turno, o aumento da idade mínima de aposentadoria no país de 60 para 62 anos. Hoje, a Assembleia Nacional de­­ve confirmar seu aval, mas a promulgação da lei pelo presidente Nicolas Sarkozy deverá esperar mais um pouco.

O debate no Legislativo, o mais longa da história da 5.ª República, inaugurada em 1958, marcou a adoção definitiva da nova legislação previdenciária pelo Senado. O mesmo caminho seguirá a Assembleia Nacional, cujos deputados se reúnem na tarde de hoje no Palácio de Bour­­bon. Ainda assim, deputados e senadores do Partido Socialista (PS) anunciaram ontem que questionarão a nova lei no Con­­selho Constitucional, o órgão que verifica a validade das novas legislações. Com isso, a promulgação da reforma da previdência não acontecerá antes de 15 de novembro.

Nesse meio tempo, sindicatos de trabalhadores e uniões estudantis prometem manter a pressão sobre o governo Sarkozy. Ontem, em frente ao Senado, mi­­lhares de jovens secundaristas e universitários se reuniram para protestar contra a reforma. Entre eles, estava Jean-Baptiste Redde, 53 anos, poeta e professor de escolas públicas cujos cartazes de contestação à nova lei correram o mundo. "É preciso continuar a protestar. Somos obrigados a mostrar a nossa cólera contra um governo que se recusa a ouvir o povo", argumentou.

A ideia de resistência também norteia os estudantes, que se mobilizaram em meio às férias de outono na França. Todos ainda dizem acreditar ser possível obrigar o governo a recuar. "Ainda há um voto na Assembleia Nacional. Quem sabe ainda podemos reverter o resultado desse projeto", afirmou Maud J., estudante de Letras. A seu lado, Cédric D., 21 anos, estudante de História, buscava na memória do país a esperança de impedir a entrada em vigor da lei. "É possível. Já evitamos a entrada em vigor do Contrato de Primeiro Emprego (CPE), aprovada no parlamento em 2003. Precisamos continuar."

Essa mesma lógica move os sindicatos, que ontem mantiveram a convocação para uma nova jornada de manifestações contra a reforma, marcada para amanhã. No entanto, os sindicalistas já planejam obter do governo medidas para fomentar o emprego de jovens e de seniores, os trabalhadores acima de 55 anos, após o esgotamento dos atuais protestos.

"A melhor coisa que podemos fazer é abrir negociações entre o patronato e as organizações sindicais sobre o emprego de jovens e seniores", afirmou François Chérèque, secretário-geral da Confederação Francesa Demo­­crática do Trabalho (CFDT).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]