i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Voo MH370

Índia e Paquistão não têm registro de avião desaparecido

O governo da Malásia pediu que mais países partilhassem informações confidenciais de radares e satélites, para que pudesse estreitar o vasto raio de buscas do voo 370 da Malaysia Airlines

  • PorAgência Estado
  • 16/03/2014 16:52

Indonésia, Birmânia, Tailândia, Índia e o Paquistão disseram não haver sinais de que o Boeing 777 desaparecido voou sobre seus respectivos territórios. Hoje, o governo da Malásia pediu que mais países partilhassem informações confidenciais de radares e satélites, para que pudesse estreitar o vasto raio de buscas do voo 370 da Malaysia Airlines, desaparecido há mais de uma semana. O número de países na busca da aeronave dobrou para 22.

As autoridades da aviação da Malásia e de outros países que ajudam na investigação acreditam que a última comunicação por satélite do avião pode ter vindo de dois corredores: um mais ao norte, indo da fronteira do Casaquistão com o Turcomenistão até o norte da Tailândia; e outro mais ao sul, que se estende da Indonésia ao sul do Oceano Índico. Segundo o ministro da Defesa e vice dos Transportes da Malásia, Hishammuddin Hussein, os dois corredores estão sendo tratados "com igual importância".

Ontem, o primeiro-ministro da Malásia, Najib Razk, disse que o governo acredita que o avião desapareceu "em uma ação deliberada" em 8 de março, quando voava com 239 pessoas a bordo, fazendo um trajeto entre Kuala Lumpur e Pequim.

Os Estados Unidos, por sua vez, colocaram seu avião mais avançado de vigilância marítima, o P-8A Poseidon, com nove homens a bordo, na missão de busca do avião malaio desaparecido. Ao mesmo tempo, o USS Kidd, um destroier equipado com helicópteros de busca, permanece na entrada do estreito de Malaca.

Ao mesmo tempo, o chefe das forças de defesa da Austrália, general David Hurley, disse que as autoridades da Malásia que coordenam as operações orientaram a aeronave de patrulha marítima australiana AP-3C Órion a dar início as buscas no norte e oeste das ilhas Cocos, um atol entre a costa oeste da Austrália e o Sri Lanka.

Autoridades da China não responderam a perguntas sobre se a defesa do espaço aéreo identificou algum avião sobrevoando o oeste do território, uma área altamente militarizada.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.