Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O russo Mikhail T. Kalashnykov, criador da famosa arma, segura um rifle Kalashnykov
O russo Mikhail T. Kalashnykov, criador da famosa arma, segura um rifle Kalashnykov em frente ao museu de armas em Suhl, na Alemanha, em 25 de julho de 2002| Foto: STEFAN THOMAS/AFP

Qual é a arma mais mortal do século 20?

Talvez você pense primeiro na bomba atômica, que matou até 200 mil pessoas, estima-se, quando os Estados Unidos derrubaram duas nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki em 1945.

Mas outra arma é responsável por muito mais mortes - chegando a milhões. É o rifle de assalto Kalashnikov, conhecido como AK-47.

Originalmente desenvolvido em segredo para as forças armadas soviéticas, cerca de 100 milhões de AK-47 e suas variantes foram produzidas até o momento. Essa arma agora é encontrada em todo o mundo, inclusive nas mãos de muitos civis dos Estados Unidos, que em 2012 compraram tantas AK-47s quanto a polícia e as forças armadas russas. Como médico, eu testemunhei a destruição que essa arma pode causar na carne humana.

A invenção de Kalashnikov

O russo Mikhail Kalashnikov inventou a arma que leva seu nome em meados do século 20. Nascido em 10 de novembro de 1919, Kalashnikov era mecânico de tanques nas forças armadas soviéticas durante a Segunda Guerra Mundial. Ele foi ferido durante a invasão alemã da URSS em 1941.

Tendo visto em primeira mão a vantagem de combate conferida pelas armas de fogo superiores da Alemanha, Kalashnikov decidiu desenvolver uma arma melhor. Enquanto ainda estava no exército, ele produziu vários projetos que perderam para os concorrentes antes de finalmente produzir o primeiro AK-47.

O nome da maior invenção de Kalashnikov significa Automat Kalashnikova 1947, o ano em que foi produzido.

Em 1949, o AK-47 se tornou o rifle de assalto do exército soviético. Mais tarde adotado por outras nações no Pacto de Varsóvia, a arma rapidamente se espalhou pelo mundo, tornando-se um símbolo de revolução em terras tão distantes como Vietnã, Afeganistão, Colômbia e Moçambique, em cuja bandeira aparece com destaque.

Ao longo de sua longa vida, Kalashnikov continuou a ajustar seu design clássico. Em 1959, a produção começou no seu AKM, que substituiu o receptor fresado do AK-47 por um feito com metal estampado, tornando-o mais leve e mais barato de produzir. Ele também desenvolveu a metralhadora PK alimentada por cartucho. Os AK-47 modificados ainda estão em produção em países ao redor do mundo.

As vantagens e abundância do AK-47

Por que o AK-47 foi um rifle tão revolucionário?

Ele é relativamente barato de produzir, curto e leve para transportar e fácil de usar, com pouco recuo. Ele também possui uma lendária confiabilidade sob condições adversas, que variam de florestas encharcadas a tempestades de areia do Oriente Médio, em temperaturas extremas tanto no frio quanto no calor.

Ele também requer relativamente pouca manutenção. Isso decorre de seu grande pistão de gás e amplas folgas entre as partes móveis, o que ajuda a evitar que ele emperre.

Kalashnikov gostava de se gabar da superioridade do rifle em relação ao rifle M-16 dos militares americanos. “Durante a Guerra do Vietnã”, ele disse em uma entrevista em 2007, “soldados americanos jogavam fora seus M-16 para pegar os AK-47 e balas de soldados vietnamitas mortos. E ouço falar que soldados americanos no Iraque o usam com bastante frequência.”

A arma de fogo mais abundante do mundo também é adequada para crimes e terrorismo. Os sequestradores que invadiram a Vila Olímpica em Munique em 1972 estavam armados com Kalashnikovs, e atiradores em massa nos EUA usaram versões semi-automáticas da arma em assassinatos em Stockton, Califórnia e Dallas.

As forças armadas dos EUA atuaram como distribuidor da arma em conflitos no Afeganistão e no Iraque. Com uma vida útil de 20 a 40 anos, os AKs são facilmente realocados e reutilizados.

Hoje, os preços globais costumam estar na casa de centenas de dólares, mas alguns AK-47 podem ser adquiridos por apenas US$ 50. A enorme produção mundial da arma, principalmente em países com baixos custos de mão-de-obra, derrubou os preços.

O legado de Kalashnikov

Por seus trabalhos, a União Soviética concedeu a Kalashnikov o Prêmio Stalin, a Estrela Vermelha e a Ordem de Lenin. Em 2007, o presidente Vladimir Putin apontou o rifle Kalashnikov como "um símbolo da genialidade criativa de nosso povo".

Kalashnikov morreu um herói nacional em 2013 aos 94 anos.

Durante a maior parte de sua vida, Kalashnikov rejeitou as tentativas de culpá-lo pelo grande número de mortes e ferimentos infligidos por sua invenção. Ele insistiu que havia desenvolvido a arma para a defesa, e não para o ataque.

Quando um repórter o perguntou em 2007 como ele conseguia dormir à noite, ele respondeu: “Eu durmo bem. São os políticos os culpados por não chegarem a um acordo e recorrerem à violência.”

No entanto, no último ano de sua vida, Kalashnikov pode ter mudado de opinião. Ele escreveu uma carta ao chefe da igreja Russa Ortodoxa, dizendo: “A dor em minha alma é insuportável. Continuo me perguntando a mesma pergunta sem solução: se meu rifle de assalto tirou a vida das pessoas, isso significa que sou responsável por suas mortes.”

É um debate perene: o que mata? Armas, ou aqueles que as carregam? No final da carta, ele assinou: "um escravo de Deus, o designer Mikhail Kalashnikov".

*Professor de Medicina, Artes Liberais e Filantropia na Universidade de Indiana

The Conversation

© 2019 The Conversation. Publicado com permissão. Original em inglês.

12 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]