i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Faixa de Gaza

Israel e Hamas retomam negociação no Cairo

Diálogo abordará as demandas palestinas para que Israel reduza a restrição de fronteiras na Faixa de Gaza

  • PorAgência O Globo
  • 26/11/2012 12:58

Mediadores da diplomacia egípcia iniciaram nesta segunda-feira conversações separadas com representantes do Hamas e de Israel para especificar detalhes de um acordo de cessar-fogo que deu fim a oito dias de troca de bombardeios. De acordo um funcionário egípcio, que não quiser ser identificado, o diálogo abordará as demandas palestinas para que Israel reduza a restrição de fronteiras na Faixa de Gaza, uma medida que poderia ajudar a acabar com seis anos de bloqueio do enclave costeiro governado pelo grupo islâmico.

O acordo de cessar-fogo, mediado pelo Egito, foi firmado na última quarta-feira, dando uma trégua a hostilidades que custou a vida de seis israelenses e 167 palestinos. No entanto, o texto do tratado estipulava que questões como acesso a fronteiras, livre migração de palestinos e transferência de bens começariam a ser negociadas depois de, no mínimo, 24 horas do acordo ter entrado em vigor.

Israel impôs restrições à Faixa de Gaza em 2006, depois da vitória eleitoral do Hamas, que não reconhece a existência do Estado de Israel. As limitações foram acentuadas - e apoiadas pelo Egito - quando o grupo islâmico tomou o controle da região após a guerra civil.

Algumas restrições a importações foram diminuídas ao longo dos anos, mas Israel ainda impõe uma longa lista de produtos proibidos, incluindo itens de construção civil que seriam supostamente usados para a fabricação artesanal de armas.

Mahmoud Al-Zahar, um dos representantes das negociações do Hamas, disse nesse fim de semana que o grupo queria a todas as quatro fronteiras de importações de produtos que funcionavam antes de 2006. Somente uma delas funciona atualmente, com um terminal reservado para palestinos e estrangeiros que são permitidos de entrar ou sair do território.

Na sexta-feira, tensões voltaram a ameaçar a paz entre Israel e a Faixa de Gaza, quando policiais israelenses mataram um palestino que teria tentado atravessar a fronteira. Temendo uma nova escalada de violência, o Egito exortou a polícia do Hamas para que reforçasse a segurança de fronteira e evitasse que mais civis tentassem furar o bloqueio.

Israel iniciou uma ofensiva aérea contra a Faixa de Gaza em 14 de novembro, sob a alegação de estar respondendo a militantes que estavam bombardeando seu território nos últimos dias.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.