i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Colômbia

Juiz suspende destituição do prefeito de Bogotá

O magistrado colombiano José María Armenta atendeu a uma demanda popular para que o tribunal analisasse a destituição do prefeito de Bogotá, Gustavo Petro

  • PorAgência Estado
  • 14/01/2014 19:42

Um juiz do departamento (Estado) de Cundinamarca suspendeu nesta terça-feira (14) uma decisão da procuradoria-geral colombiana que resultaria na destituição do prefeito de Bogotá, Gustavo Petro.

O magistrado colombiano José María Armenta atendeu a uma demanda popular para que o tribunal analisasse a destituição do prefeito de Bogotá, Gustavo Petro, e concluiu que a procuradoria-geral do país excedeu seus poderes no caso.

Ao suspender a decisão do procurador-geral Alejandro Ordóñez, Armenta sustentou que o procurador-geral não tem poder para destituir um funcionário eleito pelo voto popular.

Mais cedo, o ministro da Justiça Alfonso Gómez Méndez antecipou que o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, acataria a decisão da procuradoria-geral de cassar o mandato de Petro e torná-lo inelegível por 15 anos.

"Isto está claríssimo. Diante de uma decisão executada pela procuradoria-geral, o presidente não tem alternativa a não ser cumpri-la, esteja ou não de acordo. É o que diz a constituição", disse Gómez Méndez em entrevista à rádio Caracol.

Santos tem pelo menos dez dias para emitir um decreto que valide a destituição do prefeito bogotano, caso não seja apresentada nenhuma contestação perante a justiça local ou internacional.

Agora, com a suspensão, Santos poderá emitir o decreto somente depois que o pleno do tribunal julgar o caso - e se este ratificar a decisão do procurador-geral.

Enquanto isso não acontece, Gustavo Petro segue na prefeitura de Bogotá, uma cidade de 8 milhões de habitantes.

A destituição de Petro foi ratificada ontem pela procuradoria-geral colombiana. O procurador-geral Alejandro Ordóñez também proibiu Petro de ocupar cargos públicos durante 15 anos.

Ex-senador de 53 anos de idade, Petro militou no grupo guerrilheiro agora pacificado Movimento 19 de Abril (M-19).

Ordóñez já havia decidido pelas punições em 9 de dezembro, mas Petro recorreu. Segundo o procurador-geral, o prefeito bogotano cometeu "falta gravíssima" ao mudar por decreto o sistema de coleta de lixo na capital colombiana em dezembro de 2012 em uma tentativa de fazer frente à "máfia do lixo" local.

Segundo a procuradoria-geral, Petro violou os princípios constitucionais "livre empreendimento" e "concorrência".

O cargo de prefeito de Bogotá é a segunda função eletiva mais importante da Colômbia, abaixo somente da Presidência da República. Fonte: Associated Press.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.