i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
eleições

Justiça da Argentina abre investigação sobre denúncia de espionagem ilegal

    • são paulo
    • Folhapress Web
    • 21/10/2015 20:41
    Aparato do governo de Cristina Lirchner é envolvido em denúncia de espionagem. | MARCOS BRINDICCI/REUTERS
    Aparato do governo de Cristina Lirchner é envolvido em denúncia de espionagem.| Foto: MARCOS BRINDICCI/REUTERS

    A Justiça da Argentina abriu nesta quarta-feira (21) uma investigação sobre a denúncia de espionagem do Exército do país a opositores, celebridades e jornalistas críticos ao governo da presidente Cristina Kirchner.

    A acusação foi feita pelas deputadas Laura Alonso e Patricia Bullrich, do PRO (Proposta Republicana), partido do candidato opositor Mauricio Macri. O conteúdo foi publicado nos jornais “Clarín” e “La Nación”, críticos ao governo.

    Em entrevista à rádio Vorterix, um dos juízes responsáveis pelo processo, Sebastián Casanello, afirmou ter pedido “medidas instrutoras” para o início da ação judicial, que correrá em segredo de justiça.

    Ele disse não ter recebido ainda a lista apresentada pelas deputadas à imprensa. O magistrado ainda criticou as legisladoras por revelarem informações que podem prejudicar a investigação, como os locais onde teriam ocorrido as espionagens.

    Casanello atuará na ação junto com o juiz Emiliano Canicoba Corral. O segundo afirmou que a denúncia não chegou às suas mãos devido à mudança de juiz. A primeira sorteada, Sandra Arroyo Salgado, está na lista de alvos de espionagem.

    Arroyo Salgado é a ex-mulher do promotor Alberto Nisman, encontrado morto em janeiro. Quatro dias antes de sua morte, ele acusou Cristina Kirchner de fazer um acordo com o Irã para não julgar acusados pelo atentado à Amia, em 1994.

    Além dela, aparecem nas listas os cinco presidenciáveis da oposição -Mauricio Macri, Sergio Massa, Margarita Stolbizer, Nicolás del Caño e Adolfo Rodríguez Saá-, além de deputados e governadores opositores a Cristina.

    O Exército também teria espionado também dezenas de jornalistas críticos ao governo, como Jorge Lanata, Nelson Castro e Luis Majul, e celebridades, como os apresentadores Marcelo Tinelli e Mirtha Legrand.

    O presidenciável governista, Daniel Scioli, prometeu não incentivar este tipo de espionagem se for eleito. “Nunca vou apoiar, aprovar ou promover nenhum tipo de espionagem interno no marco da Constituição e das liberdades individuais”.

    Negativ a

    Nesta quarta, o governo continuou negando que a espionagem ilegal exista. O chefe de inteligência do país, Óscar Parilli, disse que não existe espionagem interna no país e acusou seu antecessor, Jaime Stiuso, de ter conduzido o plano.

    “Podem usar tranquilamente o telefone que não os escutamos. Nós não fizemos isso, não fazemos e nem vamos fazer. Isso sim foi feito por Stiuso e o denunciamos”, disse ao jornalista Jorge Rial, um dos supostamente espionados.

    Suspeito da morte de Nisman, o espião viajou para os EUA dias depois de o corpo do promotor ser encontrado. Nas últimas semanas, tornou-se alvo preferencial do governo, ao ponto de Cristina ter citado o caso na Assembleia-geral da ONU.

    O chefe de gabinete e candidato a governador da província de Buenos Aires, Aníbal Fernández, chamou a denúncia de “uma invenção”. Em sua página do Facebook, afirmou que se tratava de mais uma campanha do Grupo Clarín.

    Para provar sua acusação, mostrou a capa do jornal homônimo desta quarta e de 13 de agosto de 2011, cuja manchete se refere também a uma denúncia de espionagem. Na época, estava no início a campanha pela reeleição de Cristina.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.