Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Foto arquivo do comandante das Farc, Jorge Briceño, conhecido como Mono Jojoy | REUTERS
Foto arquivo do comandante das Farc, Jorge Briceño, conhecido como Mono Jojoy| Foto: REUTERS

O chefe militar do grupo guerrilheiro Farc, Jorge Briceño, conhecido como "Mono Jojoy", morreu em um bombardeio das Forças Armadas, informou nesta quinta-feira o governo da Colômbia. Foi um forte golpe contra o grupo rebelde, capaz de acelerar seu enfraquecimento.

A morte do comandante militar das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) ocorreu perto do município de La Macarena, no Departamento de Meta, uma região montanhosa e de selva onde a guerrilha esquerdista teria uma forte presença.

"Foi um bombardeio da Força Aérea apoiado pelo Exército e a polícia. Houve várias baixas e nas operações de busca se encontrou o cadáver de Briceño", disse um oficial do Exército à Reuters.

O governo da Colômbia oferecia uma recompensa de 2,7 milhões de dólares por Briceño, considerado pelas Forças Armadas um dos líderes guerrilheiros mais violentos e sanguinários e acusado de centenas de assassinatos, massacres e sequestros durante o conflito interno colombiano.

Com a morte do chefe militar das Farc o governo do presidente Juan Manuel Santos obteve um grande êxito na luta contra a guerrilha, depois da ofensiva lançada por seu antecessor, Alvaro Uribe.

As Farc são a guerrilha mais antiga da região. O grupo é considerado uma organização terrorista pelos Estados Unidos e a União Europeia.

O governo da Colômbia acusa as Farc de obter rendimentos milionários com a produção e tráfico de cocaína.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]