i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
ficou de fora

Maduro é 'desconvidado' da Cúpula das Américas

Chanceleres dos 14 países do Grupo de Lima criticaram a convocação de eleições presidenciais antecipadas pelo regime do ditador e citaram a crescente deterioração da situação humanitária na Venezuela

    • São Paulo, SP
    • Folhapress
    • 14/02/2018 08:26
    Ministra peruana de Relações Exteriores, Cayetana Aljovín,  disse  que presença do presidente de Maduro na próxima Cúpula das Americas não será bem-vinda | ERNESTO BENAVIDESAFP
    Ministra peruana de Relações Exteriores, Cayetana Aljovín,  disse  que presença do presidente de Maduro na próxima Cúpula das Americas não será bem-vinda| Foto: ERNESTO BENAVIDESAFP

    A presença do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, na próxima Cúpula das Américas 'não será bem-vinda', anunciou nesta terça-feira (13) a chanceler peruana, Cayetana Aljovín, após reunião do Grupo de Lima sobre a convocação das eleições antecipadas pelo regime chavista. O encontro será nos dias 13 e 14 de abril, no Peru.

    "Dada a atual situação na Venezuela, o Peru decidiu expressar com respeito ao convite ao presidente Nicolás Maduro à 8ª Cúpula das Américas, em Lima, que sua presença já não será bem-vinda no dito encontro", disse Aljovín.

    Maduro anunciou que tentará a reeleição nas eleições de 22 de abril, convocadas após o fracasso de uma negociação entre seu governo e a oposição para acordar as condições do processo eleitoral. Os países da região em peso criticaram a convocação. A oposição venezuelana, agrupada na Mesa da Unidade Democrática (MUD), ainda não decidiu se participará das eleições.

    Chanceleres dos 14 países do Grupo de Lima reunidos em Lima pediram que o governo da Venezuela "reconsidere a convocação de novas eleições presidenciais e apresente um novo calendário eleitoral".

    "Não podem haver eleições livres e justas sem a plena participação dos partidos políticos e [com] os líderes detidos ou incapacitados arbitrariamente, com uma autoridade eleitoral sob controle do governo, sem a participação de milhares de venezuelanos no exterior, impossibilitados de votar", segundo a declaração conjunta lida por Aljovín.

    A declaração ocorre cerca de dez dias após tour do secretário de Estado do EUA, Rex Tillerson, à América Latina. Um dos assuntos tratados pelo chefe da diplomacia americana com alguns dos chefes de Estado visitados foi justamente a Venezuela.

    Na Argentina, Tillerson defendeu uma solução rápida para a crise venezuelana que, segundo ele, estava "se transformando em algo cada vez mais obscuro". Antes, ele havia sugerido a possibilidade de um golpe militar para acelerar uma "mudança de regime" no país caribenho.

    Deterioração

    O comunicado do Grupo de Lima citou ainda relatório divulgado na véspera pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão autônomo da OEA, que documenta "a séria deterioração da vigência dos direitos humanos e da grave crise política, econômica e social que atravessa a Venezuela".

    Diante da "crescente deterioração da situação humanitária no país", o comunicado pede ainda ao governo Maduro que "permita sem demora a abertura de um corredor humanitário que ajude a mitigar os efeitos do desabastecimento de alimentos e medicamentos".

    Além disso," diante do incremento do êxodo de milhares de venezuelanos que fogem da grave crise que se vive nesse país", os 14 países concordaram em "coordenar esforços para afrontar de maneira ordenada, solidária e segura essa difícil situação". Brasil e Colômbia são dois dos principais destinatários desse êxodo. Apenas na capital de Rondônia, Boa Vista, estima-se a presença de 40 mil venezuelano.

    Leia também: Migração venezuelana tem números similares aos da crise no Mediterrâneo

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.