i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Abdullah

Militantes islâmicos celebram morte de rei saudita na internet

Monarca foi descrito pelos militantes como um "servo" dos norte-americanos, com quem conspirou para matar muçulmanos

  • PorEstadão Conteúdo
  • 23/01/2015 08:40

Militantes islâmicos e seus partidários celebraram nas redes sociais nesta sexta-feira (23) a morte do rei saudita Abdullah, descrevendo o monarca como um "servo" dos norte-americanos, com quem conspirou para matar muçulmanos.

Abdullah, que morreu aos 90 anos, começou a combater os militantes da Al-Qaeda cerca de uma década atrás, quando os extremistas lançaram uma série de ataques no reino com o objetivo de derrubar a monarquia. Apoiado pelo principal aliado do país, os Estados Unidos, autoridades sauditas responderam com fortes ações de repressão e detiveram suspeitos de serem militantes. Outros, foram condenados à morte.

"O ladrão das duas mesquitas sagradas morreu", escreveu um partidário militante no Twitter, referindo-se a Meda e Medina. "Ele viveu e morreu como um servo dos Estados Unidos", escreveu outro.

Muitos extremistas muçulmanos consideram a família real saudita corrupta e incapaz de governar. O grupo Estado Islâmico, que atualmente domina um terço dos territórios da Síria e do Iraque, geralmente cita a cidade sagrada saudita de Meca, na Arábia Saudita, como um de seus alvos. A Arábia Saudita também é parte da coalizão liderada pelos Estados Unidos que realiza ataques aéreos contra o grupo.

Um partidário da jihad que se identifica como Abu Azzam al-Najdi criticou o rei dizendo que "ele enviou seus aviões de guerra para matar muçulmanos (na Síria). Ele prendeu homens e mulheres muçulmanos e, onde quer que houvesse uma guerra contra os jihadistas, ele era o primeiro".

Partidários da Al-Qaeda e do Estado Islâmico organizaram seus comentários com hashtags, algumas das quais podem ser traduzidas como "morte ao tirano". Outro partidário da jihad, conhecido pelo nome de Omar, escreveu "o cão que ocupava a terra dos dois templos sagrados, finalmente morreu. Não tem Bush ou Obama para salvá-lo de Alá".

Um usuário postou uma ilustração do rei Abdullah usando um uniforme cor de laranja com um homem mascarado atrás dele, segundo uma faca, para decapitá-lo. "Não queremos que ele morra. Queremos matá-lo desta forma", diz a publicação, referindo-se à tradição saudita de decapitar criminosos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.