i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Bolívia

Morales critica oposição, que promete “frente ampla” contra governo em 2009

  • PorAgência Estado, em São Paulo
  • 22/10/2008 21:02

La Paz - O presidente da Bolívia, Evo Morales, ressaltou ontem o recente acordo entre governo e oposição, mas seus adversários regionais ainda estão irritados e divididos a respeito do pacto político que permitiu a convocação do referendo sobre a nova Constituição do país. A despeito dos resultados obtidos, o prefeito (governador) de Santa Cruz, Rubén Costas, anunciou que a oposição formará uma "frente ampla" para derrotar Evo nas eleições de dezembro de 2009.

Morales disse, em coletiva de imprensa, que saúda a oposição que viabilizou os acordos para o referendo, embora tenha mencionado que exista uma "outra oposição" que é "sediciosa, com atitudes terroristas e genocidas".

"Lamento muito que alguns se neguem a negociar e respeito alguns que ficaram calados porque sabem que melhoraram as questões sobre a autonomia" no texto constitucional. Morales se referia, em primeiro lugar, aos prefeitos dos departamentos, cargos que no Brasil corresponderiam a governadores de estados.

Morales agradeceu a Organização das Nações Unidas (ONU), a União Européia e a União das Nações Sul-Americanas (Unasul) pela mediação do conflito e por terem enviado representantes como testemunhas dos acordos. Nos próximos dias, o presidente da Bolívia irá à Europa.

Já os dirigentes cívicos e os governadores da oposição manifestaram visões diferentes sobre o acordo fechado no Congresso. O acordo prevê que serão ajustados 100 dos 411 artigos do projeto de Constituição que será submetido a referendo em 25 de janeiro de 2009.

O prefeito de Beni, Ernesto Suárez, disse que o acordo "enfraquece" a decisão sobre as autonomias e que é uma "traição às regiões".

Mas seu colega Rubén Costas, prefeito de Santa Cruz, disse que, primeiro, é necessário avaliar "se, juridicamente, o Parlamento pode ser convertido em Constituinte e modificar a Constituição".

Aliança

Costas, no entanto, anunciou ontem que, para enfrentar e derrotar Morales nas eleições gerais de dezembro de 2009, a oposição conformará "uma frente ampla, uma grande aliança" entre os departamentos de Beni, Pando, Santa Cruz, Tarija e Chuquisaca.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.