i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
América do Sul

Motins em três prisões no Equador deixam ao menos 70 mortos

  • PorEstadão Conteúdo
  • 23/02/2021 19:04
Parentes de pessoas presas em centro de detenção de Guayaquil, Equador, aguardam notícias, 23 de fevereiro. Ao menos 50 pessoas morreram em motins em prisões equatorianas
Parentes de pessoas presas em centro de detenção de Guayaquil, Equador, aguardam notícias, 23 de fevereiro. Ao menos 50 pessoas morreram em motins em prisões equatorianas| Foto: Marcos Pin Mendez / AFP

Ao menos 70 presos morreram após motins estourarem em três presídios do Equador nesta terça-feira, 23, informou a polícia. O anúncio foi feito no Twitter oficial da instituição.

"Face aos acontecimentos que ocorreram hoje nos Centros de Reabilitação Social de Guayas, Azuay e Cotopaxi, a Polícia do Equador está administrando o controle nos locais. No momento, a Criminalística reporta mais de 50 PPL (pessoas privadas de liberdade) falecidas ", diz o comunicado publicado na rede social.

A violência atingiu as prisões do porto de Guayaquil e das cidades andinas de Cuenca e Latacunga. A polícia não especificou se a ordem já foi restabelecida.

De acordo com o jornal equatoriano El Universo, o primeiro motim foi registrado em Guayaquil. Criminosos da organização Los Choneros teriam liderado o movimento. Ao menos dois policiais estariam entre os feridos. Em Cuenca, familiares disseram que presidiários atacaram um pavilhão onde ao menos 50 pessoas estavam detidas.

O Ministério Público informou que 38 internos foram mortos no pavilhão de segurança máxima do Centro de Reabilitação Social de Cuenca.

Mais cedo, um funcionário do Serviço de Atenção à Pessoas Privadas de Liberdade (SNAI) havia relatado à agência Efe que várias pessoas tiveram ferimentos leves e algumas foram transferidas para hospitais e "estão estáveis".

O Ministro de Governo, Patricio Pazmiño, afirmou no Twitter que "ante a ação coordenada de organizações criminosas para gerar violência nas prisões do país, estamos administrando ações do Posto de Comando Unificado junto com o comando policial para retomar o controle".

O presidente equatoriano, Lenín Moreno, se manifestou sobre o caso no Twitter e em seu programa Diante do Presidente. No Twitter, Moreno atribuiu os motins a "organizações criminosas" que atacam simultaneamente. No programa, o presidente afirmou ter autorizado "o uso progressivo da força para garantir a segurança dos cidadãos que se encontram em estado de reclusão".

"Em um recinto penitenciário já foi controlada essa atividade sincronizada dessa luta mafiosa organizada", disse o presidente, afirmando que situações semelhantes acontecem "com pouca frequência, mas sempre causam inquietação social e preocupação do Executivo e da Polícia".

O sistema prisional equatoriano abriga cerca de 38 mil pessoas e tem 1.500 guardas.

Em dezembro, vários distúrbios nas prisões equatorianas, atribuídos a disputas de poder entre organizações criminosas, deixaram onze presos mortos e sete feridos.

Para retomar o controle sobre as prisões, o governo decretou um estado de exceção para as penitenciárias. De janeiro até esta terça-feira, a Polícia havia registrado três mortes em confrontos entre presidiários.

O SNAI reconheceu a falta de agentes, o que "impede ações de resposta imediata" diante das revoltas dos presos. E acrescentou que na segunda-feira, 22, foi realizada uma busca na cadeia ed Guayaquil, presumindo "que esses eventos (os distúrbios) são um sinal de resistência e rejeição dos internos, diante dessas ações de controle".

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • R

    RPM

    ± 0 minutos

    50 a menos para incomodar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Z

      Zequinha

      ± 10 horas

      Só 50??

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.