i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Protestos

Lobby indígena no Equador já derrubou presidentes. Entenda a influência do grupo

    • Gazeta do Povo e Estadão Conteúdo
    • 10/10/2019 10:38
    Protesto contra o governo Moreno, em Quito, no Equador
    Protesto contra o governo Moreno, em Quito, no Equador| Foto: Martin BERNETTI/AFP

    Manifestantes entraram em choque com a polícia nas principais cidades do Equador em meio a uma greve geral convocada por grupos indígenas que se opõem ao presidente Lenín Moreno e às reformas econômicas de seu governo. Liderados pela Confederação Nacional Indígena do Equador (Conaie), eles marcharam de pontos da Amazônia e da Cordilheira dos Andes em protesto contra as reformas, que provocaram um aumento de até 123% no preço dos combustíveis.

    Historicamente, os grupos indígenas têm papel de protagonistas na política equatoriana. Segundo o professor de Relações Internacionais na Fundação Getúlio Vargas (FGV) Oliver Stuenkel, eles possuem um movimento muito bem articulado, mesmo representando apenas 10% da população.

    "Sua influência é grande sobretudo nas zonas rurais, onde eles pautam a agenda, principalmente em relação a questões de legislação envolvendo mineradoras multinacionais. Junto com o setor de transportes eles formam um lobby poderoso, que ajudou a derrubar vários presidentes no Equador".

    Durante a instabilidade dos anos 1990 e 2000, a Conaie apoiou a destituição dos presidentes Jamil Mahuad Abdalá Bucaram e Lucio Gutiérrez. Na época, o Equador teve oito presidentes em dez anos.

    Com a chegada de Correa ao poder, em 2007, o país viveu um período de estabilidade econômica e política graças ao boom das commodities e às políticas sociais do presidente, que reformou a Constituição para se reeleger.

    No começo do mandato, Correa se aproximou de lideranças indígenas. Adotou símbolos quíchuas - etnia da maioria dos indígenas do país - em seus discursos e aparições públicas e aprovou leis de interesse da comunidade. A partir do segundo mandato, a exploração mineral da Amazônia equatoriana abriu uma cisão entre Correa e a Conaie. Uma marcha similar à atual foi convocada contra o então presidente, em 2015.

    Em 2017, Correa surpreendeu todos ao desistir da reeleição e indicar Moreno, que foi seu vice-presidente. Logo depois de assumir o poder, ambos romperam e Moreno se aproximou da oposição.

    Hoje, o presidente acusa Correa de tentar derrubá-lo. O ex-presidente chama o antigo pupilo de traidor e, apesar de viver no exílio na Bélgica e de ter uma ordem de captura contra ele no Equador por corrupção, disse estar disposto a voltar ao país se houver eleições.

    Correa rejeitou nesta quarta as acusações de que estaria por trás das manifestações de grupos indígenas e dos protestos contra as medidas econômicas. No entanto, ele pediu ao povo que siga "defendendo seus direitos com firmeza, mas em paz".

    3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 3 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • Z

      Zyss

      ± 5 horas

      A esquerda é barulhenta mesmo. Falta tiro com bala de verdade para frear esses animais.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        Jorge Dias

        ± 5 horas

        E você ainda acha que o SÍNODO da AMAZÔNIA não vai dar em nada?

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • K

          Klin

          ± 5 horas

          Índios dificilmente trabalham e são sindicalizados. Como podem fazer greve? Além do mais, protestar contra o corte de subsídios do combustível, eles nem carros tem?

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.