Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Imagem de biópsia de células de melanoma humanas | Reprodução / Clinical Cancer Research
Imagem de biópsia de células de melanoma humanas| Foto: Reprodução / Clinical Cancer Research

Cientistas trabalhando nos Estados Unidos desenvolveram uma técnica arrojada para combater o melanoma. Esferas minúsculas e ocas feitas de ouro, acopladas a uma molécula orgânica capaz de se prender apenas às células cancerosas, são injetadas no organismo. E aí, ao submeter o paciente a um banho de luz infravermelha, as pequenas esferas fritam o câncer, sem danificar as células saudáveis.

O resultado, obtido pelo grupo de Chun Li, do Centro de Câncer da Universidade do Texas M.D. Anderson, está na última edição do periódico científico "Clinical Cancer Research". A pesquisa demonstra o potencial da nanotecnologia na medicina, uma vez que as esferas de ouro são medidas em nanômetros (milionésimos de milímetros). Com seu tamanho diminuto, elas conseguem adentrar as células cancerosas, e então fritá-las de dentro para fora.

Os únicos pacientes tratados até agora foram camundongos, mas os resultados já animaram os pesquisadores, que buscarão em breve autorização para conduzir testes em humanos.

As nanopartículas se concentram mais nas células cancerosas pelo fato de que essas possuem poros maiores. Além disso, acoplada a essas pequenas esferas há uma biomolécula, chamada de peptídeo. É uma espécie de miniproteína, cuja propriedade principal é "se encaixar" a um receptor que é muito abundande em células de melanoma (câncer de pele).

"A capacidade de mirar ativamente nanopartículas para tumores é o santo graal da nanotecnologia terapêutica para o câncer", disse, em nota, Chun Li. "Estamos chegando mais perto desse objetivo."

O desenvolvimento dessa técnica é especialmente atraente por ser minimamente invasivo. Em fez de abrir o paciente, basta injetá-lo com as nanopartículas. Depois a luz infra-vermelho penetra a camada superficial da pele e atinge as pequenas esferas de ouro. O resultado é um aquecimento das esferas, que acaba por destruir a célula cancerosa.

"As implicações clínicas dessa técnica não estão limitadas ao melanoma", disse Jin Zhang, pesquisador da Universidade da Califórnia em Santa Cruz que desenvolveu as nanoesferas ocas, apontando que seu tamanho pequeno permitiria ampla absorção por vários tipos diferentes de célula.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]