Vídeo que estimula meninas a criar máquinas já foi visto seis milhões de vezes | REPRODUÇÃO DE TELA/ANÚNCIO DA GOLDIEBLOX
Vídeo que estimula meninas a criar máquinas já foi visto seis milhões de vezes| Foto: REPRODUÇÃO DE TELA/ANÚNCIO DA GOLDIEBLOX

Quem disse que as meninas querem se vestir de rosa e brincar de boneca, especialmente quando, em vez disso, podem fabricar máquinas complexas?

Essa é a mensagem de um vídeo que foi visto mais de 6 milhões de vezes desde que foi postado no YouTube, em 18 de novembro —um anúncio da GoldieBlox, start-up que vende jogos e livros que estimulam as meninas a se tornarem engenheiras.

Na propaganda, três meninas estão entediadas, vendo princesas vestidas de rosa na TV. Aí elas pegam um kit de ferramentas, óculos de proteção e capacetes e põem-se a fabricar uma geringonça que faz xícaras de chá e bonecas saírem voando pela casa.

O anúncio gerou polêmica nas redes sociais, motivando discussões sobre a escassez de mulheres nos campos de engenharia e de tecnologia, onde apenas um quarto dos empregos técnicos é ocupado por mulheres. "Isso mostra que essa lacuna não acontece porque as meninas não estão interessadas, mas é o resultado de ‘você não pode ser o que não pode ver’", disse Rachel Sklar, que milita pela inclusão das mulheres no campo da tecnologia.

Cindy Gallop, da agência britânica de publicidade Bartle Bogle Hegarty, disse que o anúncio também ilustra como a publicidade criada por e para mulheres e meninas é poderosa. No entanto, as agências de publicidade ainda são predominantemente masculinas, segundo ela, e os homens nos anúncios são geralmente heroicos, enquanto as mulheres são coadjuvantes. "Eu digo aos marqueteiros e ao setor publicitário: ‘Se querem que um vídeo se torne viral, é isso que devem fazer: falar com mulheres e meninas e falar com elas do jeito certo."

No início, o anúncio recebeu como trilha a canção "Girls", dos Beastie Boys, balada decididamente antifeminista, com uma letra que os criadores do anúncio reescreveram. Os Beastie Boys cantavam: "Garotas para lavar a louça/ Garotas para limpar o meu quarto/ Garotas para lavar a roupa / Garotas, e no banheiro / Garotas, é só isso que eu realmente quero, garotas".

No comercial, uma das meninas cantava: "Garotas constroem uma nave espacial / Garotas codificam o novo aplicativo / Garotas que crescem sabendo / Que elas podem criar / Garotas, a gente só precisa de garotas".

Em 25 de novembro, os Beastie Boys divulgaram uma carta aberta à empresa dizendo que a banda não autoriza o uso das suas músicas em propagandas. Dois dias depois, a GoldieBlox retirou a canção do vídeo, substituindo-a por uma música de fundo.

"Pensei na minha infância com princesas e pôneis e me perguntei por que brinquedos de construção e kits de matemática e ciência são para meninos", disse Debbie Sterling, fundadora da GoldieBlox.

Em 2010, as mulheres nos EUA receberam apenas 18% dos diplomas em ciências da computação, frente a 37% em 1985, segundo o Centro Nacional para as Mulheres e a Tecnologia da Informação. Analistas dizem que os números reduzidos se devem em parte ao fato de as meninas não serem encorajadas com a mesma frequência que os meninos a seguir carreiras científicas.

"Tudo bem ser princesa", disse Sterling. "Só achamos que as meninas também podem construir seus próprios castelos."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]