i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ciência

Como Colombo, ele chegou à América por mar

  • PorRACHEL NUWER
  • 16/03/2014 21:06
Análise genética e modelos de correntes marinhas ajudaram a solucionar um mistério trans­atlântico | Caramaria
Análise genética e modelos de correntes marinhas ajudaram a solucionar um mistério trans­atlântico| Foto: Caramaria

Quando Cristóvão Colombo chegou ao Novo Mundo, em 1492, o porongo já tinha conquistado quase o planeta inteiro. Depois de se desenvolver na África, uma das espécies, a Lagenaria siceraria, conseguiu chegar à Ásia Oriental há onze mil anos e acabou se fixando na Polinésia, China, Peru e muitos outros países, conquistando o título de planta domesticada pré-colombiana mais amplamente distribuída.

Ele se mostrou extremamente útil também — não tanto no aspecto nutricional (seu gosto é amargo) mas, desidratado, serve como recipiente, instrumento médico e musical e até casa de passarinho. No entanto, apesar de tão comum, ele tem seus segredos.

Evidências arqueológicas mostram que povos antigos que viveram na Flórida e no México começaram a usá-lo há pelo menos dez mil anos — e mesmo assim, nunca se soube como chegou às Américas.

De acordo com pesquisas anteriores, pequenos fragmentos de DNA indicavam que as espécies norte-americanas antigas tinham mais em comum com a versão asiática do que com a africana, ou seja, talvez os colonizadores que atravessaram o Estreito de Bering há mais de dez mil anos tenham carregado consigo um punhado de sementes.

Agora, um novo estudo sobre Procedências realizado pela Academia Nacional de Ciências mostra que o porongo não chegou à América através da Ásia, mas sim diretamente da África.

Os pesquisadores utilizaram um novo método de análise genética chamado sequenciamento de DNA. Para recriar a árvore genealógica da planta, isolaram o DNA das versões modernas para separá-lo do das antigas, encontradas em nove locais no continente americano — e descobriram que os artefatos pré-colombianos do Novo Mundo eram ligados diretamente aos "parentes" africanos. Isso significa que o porongo chegou ao continente pela água. Sozinho.

Para reconfirmar essa conclusão, a equipe criou um modelo digital das correntes marítimas do Atlântico que confirmou que a planta, saída da África Ocidental, poderia perfeitamente chegar à América do Sul ou Norte, em média, em nove meses. Uma vez ali, dadas as condições ideais, as sementes com certeza criaram raízes. Alguns mistérios, porém, permanecem: como a planta conseguiu se espalhar do litoral para o interior? Por que não se desenvolve mais no continente? A hipótese mais provável é a de que suas sementes tenham sido espalhadas por animais de grande porte que foram extintos, acarretando o mesmo destino ao porongo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.